quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Aniversários de Novembro

Para os nossos atletas do signo Escorpião ou Sagitário, enviamos os nossos parabéns.,,, :)

Segue a lista de aniversariantes do mês de Novembro


A todos eles. desejamos um dia muito especial...


RunAbraço


segunda-feira, 29 de outubro de 2012

A Amizade e o Espírito Run 4 Fun


A Amizade e o  Espírito Run 4 Fun

Passou-se no dia 28 de outubro de 2012.

Decorria a Maratona do Porto e as suas provas adjacentes “Family Race” e “Caminhada”. Pertencer aos Run 4 Fun, participar nas corridas, nos trails, nos convívios, é um prazer, uma honra. O espírito que emana de todos, o sentido de interajuda, a partilha, o apoio, a dádiva,  estão sempre presentes.

Eu tinha feito os meus primeiros 10km oficiais (com um chip no meu ténis!) na semana passada e propus-me a fazer os 15km neste dia! Não o teria conseguido se não fosse o extraordinário apoio da Patricia Calado que, prescindindo de fazer um bom tempo, prescindindo de uma interlocutora que pudesse manter um diálogo agradável (eu só conseguia manter uma mímica expressiva e linguagem gestual - e ainda carinhosamente me dizias “não fales”) mesmo assim me acompanhou, incentivou ( e fez o público incentivar e gritar o meu nome!! uau!! que sensação!!), como eu dizia, me incentivou todo o percurso.

Durante alguns minutos cruzamo-nos com o grupo dos maratonistas e fomos compensadas porque para alem dos Run 4 Fun que avistávamos e festejávamos alegre e ruidosamente, encontramo-nos de um modo especial com o Cesar (a Patrícia) e com o Paulo Fernandes (eu). Na verdade, durante uns momentos, saímos do nosso percurso e, fazendo mais alguns metros, tivemos o prazer de ver e gritar por vários nomes dos nossos maratonistas da família “laranja”.

Foi um dia memorável, em que senti a força da Amizade, a força dada pelo prazer de apoiar quem precisa!
Obrigada, Patrícia Calado, foste fantástica!!

Mas depois de terminarmos os 16,5km ainda foste apoiar e animar os nossos maratonistas que estavam a chegar.  Ficam aqui alguns dos seus testemunhos:
Eduardo: “…papel importantíssimo naquela reta final…”
Cesar: “…fui levado ao colo nos últimos 2km por ti…quando te vi aos 40km, parecia que tinha chegado ao céu… obrigado…”
Gonçalo: “Thanks for the support, Pat…”
Francisco S.O.: “… obrigado pela receção naqueles últimos metros! Conseguiste levantar o ânimo da maioria das pessoas que, ao contrário de outras maratonas fora de Portugal só apoia os atletas que conhecem. Estiveste em grande…”
Manuel R.: “Grande apoio, obrigado”
José Magalhães: “Obrigado pelo km final”
João Veiga: “Obrigado pelo apoio…”
Cesar (de novo): “…até te tornaste "ídola" de algumas pessoas do público que mal te viam, já sabiam que tinham de gritar e puxar…”
Mónica: “Great Job! Fantástico! Até eu adorei o reboque e não era nada comigo…”
Filipe C.R.: “…o teu apoio foi fantástico… muito obrigado…”

Patrícia, és uma amiga excecional!!

domingo, 28 de outubro de 2012

Run 4 Fun - Diz Não ao AVC

Hoje em Sintra corremos com o lema "Diz não ao AVC" !


Run 4 Fun, pelo prazer de correr

sábado, 27 de outubro de 2012

2012: The Conquest Of Paradise

Para os conhecedores de música, como eu, devem estar a estranhar o título deste relato. Sim, esta correcto, não se trata de 1492-The Conquest Of Paradise, de Vangelis, uma obra fantástica. Mas, porque 2012? Porque a referência a esta música?

Dia 21.10.2012, um dia só com 0, 1 e 2 , o dia da minha primeira maratona, eram já passadas 9:30 quando no Estádio Olímpico de Amsterdam, começa a tocar esta música , a Conquista do Paraíso , a conquista da maratona. Eram mais de 15.000 atletas, quase que a marchar, ao som espetacular da música de Vangelis, em direção a partida. Para quem ainda não se arrepiou, eu naquela hora estava completamente neste estado, uma emoção muito grande ao ouvir esta música que além de estar marcando esta minha nova conquista, também foi a música em que a minha turma de formandos em Informática, no Brasil, entrou no auditório da Universidade , para celebrarmos a nossa conquista, a conquista de um título acadêmico.

São estes momentos marcantes em nossas vidas em que nos sentimos orgulhosos, orgulhosos de ter atingido um objectivo muito difícil, em que poucos conseguem. Foi uma decisão em cima da hora, graças a desistência de um amigo de uma amiga do João Fialho, que me proporcionou esta oportunidade, pois até então eu já estava decidido em correr a Meia-Maratona, com o objectivo de passar a meta a 1h45min , objectivo este prometido no ano passado, quando terminei a mesma Meia-Maratona, juntamente com o meu sobrinho holandês Lars Wudich. Naquela altura, prometi a ele que voltaria em 2012 para conquistar este tempo.

Após a desistência dele, por uma lesão no joelho, o Nuno Marques, o Nuno Tempera, o João Ralha, o Nuno Dias Almeida, a Joana Peralta e a Ana Hebe , insistiram que eu estava preparado para a maratona, e que deveria pensar muito, pois estaria na terra do meu pai, da minha família e seria um bom motivo para também estar acompanhado dos companheiros de "luta" que iriam correr a maratona.

Confesso que até tentei fazer a transferência, mas quando pensei, já não haviam mais inscrições. Mas, como nada acontece por acaso, eis que no dia do aniversário da minha filha Camila, o meu grande amigo João Fialho me faz esta oferta!

E lá fui eu, uma semana antes do grupo, aproveitei a calma do interior da Holanda, para fazer ainda dois treinos, no meio de um Parque Natural, cercado de árvores já com as suas folhas a caírem do outono a chegar.

No dia 21.10.2012 tive como companhia outra pessoa muito querida de todos e também meu grande amigo e irmão Nuno Marques.




Fomos até o km 40 juntos, quando não consegui mais resistir as pernas, que me chamavam para correr, para esticar, sem cansaço, sem paredões, e fui sozinho, até a meta, a 4:44 no último Km, passando por corredores quase a caminhar, outros parados com cãibras, alguns me olhavam e não acreditavam, quem era aquele louco a correr? Entro no Estádio Olímpico a "sprintar" , com raiva, com força e vontade de terminar aquele tão esperado objectivo.


Alguns minutos, já com a medalha na mão, o saco térmico no corpo para me aquecer, olho para o céu, para o público e não resisto: choro, choro como há muitos anos não chorava, pois sou uma pessoa muito contida em sentimentos, mas senti uma explosão, um emoção muito grande, uma conquista, a Conquista deste Paraíso, que é onde estão poucos: nós os maratonistas.

Obrigado ao meu pai, que por tanto passou durante as duas grandes guerras e me ensinou que não devemos nunca desistir de nossos objectivos e lutar com todas as forças para conquista-los.

Obrigado a minha querida mãe, Celeste.

Obrigado a minha família na Holanda que me incentivou, Lars, Anke, Stan, Sven, Kyra, Richard, Lars, Marre, Trijnee e meu irmão Ole.

Obrigado a minha companheira que esta tão longe, Vera Lúcia.

Obrigado a minhas filhas, Mariela e Camila.

Obrigado a minhas irmãs e seus filhos no Brasil, Cristina e Daniela.

Obrigado aos meus amigos(as) que me acompanharam na Holanda: Albísio Magalhães, Ana Hebe, Carmen Greff, Cristina Marques Caldeira, Joana Peralta, Nuno Dias Almeida, Nuno Marques, Nuno Tempera, Paulo Ribeiro, e também a Claire Monroy e o seu boyfriend e a Susana Brás Santos.

Obrigado a todos amigos do Run 4 Fun que me suportaram até hoje.

"Corra uma maratona sem pensar em tempo, escolha uma pessoa importante para você que possa te acompanhar durante todo o percurso, divirta-se, cumprimente as pessoas nas ruas, dance onde há música, o tempo vai passar e quando se der por si, os 42 Km passaram"

Run 4 Fun.

Abraços a todos.

Franco Wudich.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Maratona do Porto

A maior participação numa Maratona, cerca de 20 atletas Run 4 Fun  irão participar nesta prova que muitos dizem ser a melhor do género, em Portugal.

Destaque para os nossos companheiros que se vão estrear na Maratona, com votos de uma boa prova:

Filipe Côrte-Real
João Veiga (com 23 anos)
José Bagina
Pedro Mendes

Para além deles, mais de uma dúzia de atletas Run 4 Fun na Family Race e uma na Fun Race, na sua quase totalidade, mulheres, o que muito nos orgulha. As mulheres representam quase 30% do total dos nossos atletas.

Começámos há 4 anos, somos basicamente um grupo de amigos que se divertem a correr, mas já temos mais de 50 maratonistas na  nossa equipa e acima de 100 atletas que já fizeram a meia-maratona, ou seja, existem mais de 50 potenciais candidatos a fazer, um dia, uma maratona.

Como muitos afirmam, qualquer pessoa pode fazer uma maratona e eu sou dos que concordo. Mas para isso é preciso ambição, planeamento, cumprir o plano de treinos e muita persistência para o levar até ao fim. E no final da maratona, a grande satisfação pelo cumprimento de um objetivo que poucos (ainda) conseguem.

Para além da nossa participação na corrida  e num gesto de solidariedade social vamos divulgar a luta contra o AVC em parceria com a SPAVC – Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral, que tem a  sua sede no Porto. Realce para a Fernanda Marques que teve a ideia, para o Jorge Simões que desenhou o autocolante e para o Paulo Marcos que (mais uma vez) coordenou todo o processo.

Para que não o conhece bem, o Paulo Marcos é um atleta de grande potencial que já fez uma maratona, em 2009, acompanhando o Eduardo Correia, mas a quem uma série de lesões impediu de dar sequência a um conjunto de bons desempenhos.

Em dedicação aos quatro atletas que vão fazer a sua 1ª maratona, aqui fica a foto dos primeiros 5 atletas do Run 4 Fun que fizeram a sua 1ª maratona no clube, em Maio de 2009, na última maratona organizada pelo nosso campeão olímpico, Carlos Lopes. O Miguel San-Payo era já um experiente maratonista bem como o Caló que me "rebocou" a mim e à Luísa, do princípio até ao final da prova. E tivemos ainda um grupo adicional de "rebocadores", nossos companheiros de equipa, que muito nos ajudaram a cumprir esta difícil prova.

Da esquerda para a direita, António Cruz, Eduardo Correia, Luísa Ralha, João Ralha, Miguel San-Payo, Paulo Marcos e Carlos Pereira dos Santos (Caló)
Desejos de boa prova para todos os que estarão na Maratona e demais corridas no Porto,  bem como para os nossos companheiros que, nesse mesmo dia, irão participar na Corrida do Monge  e nos 20 km de Almeirim.

Runabraços

Amesterdão – Local fantástico para correr




Pequeno relato do que foi uma experiencia “Singular”.

No passado fim de semana, um grupo fantástico de amigos rumou em direção a Amesterdão tendo como objectivo a participação na Maratona e Meia Maratona local.

Foi mais um dia de muito FUN.
Diria mais, foram mais uns dias de muita animação, partilha e boa disposição.
Viagem fantástica e convívio extraordinário.

Fizeram parte desta grande aventura :
Ana Hebe
Carmen Greft
Claire Monroy (acompanhada do Namorado, Rob)
Cristina Caldeira
Joana Peralta
Rosa Vasconcelos (infelizmente à última hora, uma aborrecida lesão não permitiu que a Rosa nos acompanhasse a correr)
Susana Brás Santos (que foi fazer a estreia na Maratona e nos deu o prazer da Sua companhia)
Albisio Magalhães Fernandes
Franco Wudich
Nuno Almeida
Nuno Marques
Nuno Tempera
Paulo Ribeiro



Na minha opinião e da pouca experiencia que tenho, a organização foi fantástica.
Aqui deixo alguns pontos que me parecem os mais importantes a salientar :

Toda a entrega de documentação, simples e eficaz, apesar dos milhares de participantes (penso que mais de 36mil).
Nada de tempos de espera, nem confusões.
A feira sem ser enorme, estava interessante e tinha algumas coisas que se podiam adquirir a bom preço.

A simplicidade para chegar à zona de partida era notória.
Apesar de simples e eficaz, penso que podia ser melhorada, com a permissão de utilização dos transportes públicos a custo 0€  para quem tivesse dorsal.

Toda a área de recolha de sacos, muito bem organizada e de fácil escoamento.

Um pequeno reparo para a quantidade de “latrinas”, na zona da partida e no trajeto da prova.
Tema que pode e deve ser melhorado.
Atenção é um problema geral, não só de Amesterdão.
Madrid, foi um bom exemplo, estava muito bem organizado, quer em quantidade quer em distribuição.
Eu fui dos que sofri quer antes do arranque, quer durante a prova.
No trajeto da prova, apenas se encontravam “latrinas” junto aos abastecimentos e em reduzida quantidade.
”Aguentei” até ao abastecimento do Km15, onde me rendi ao sofrimento e tive que “esperar” e “arrefecer” numa fila de 4 pessoas para me poder “aliviar”.
Senhores responsáveis pela organização de maratonas (e outras provas), por favor, pensem em todos os Nuno’s e Nuna’s que têm este “stress intestinal” e coloquem mais “latrinas” espalhadas quer pela zona de partida quer durante o trajeto da prova.

A partida estava muito bem organizada
Demorámos algum tempo a passar a linha de partida, mas na realidade e apesar dos muitos milhares a correr, passando a linha real de partida, podíamos iniciar com o ritmo desejado sem grandes atropelos.

Durante a prova, grande apoio popular, os abastecimentos em bom número e “bem fornecidos” e ainda tivemos os abastecimentos extras da responsabilidade do público (sólidos e líquidos...fantástico).

A chegada é fenomenal, estádio muito bem composto e a organização muito cuidadosa com os atletas.
Qualquer um seguramente que se emocionou.

Balneários unissexo no final para banhos e massagens...quem quis o seu banho ou a sua massagem...bastou dirigir-se ao pavilhão onde tudo estava bem preparado e a espera era muito reduzida.


Foi uma experiencia magnifica.
O trajeto propicio a grandes marcas (todo plano), e o clima ajudou imenso (corremos com aproximadamente 13 a 15 graus).

Nestas coisas, sou mesmo um adepto do FUN, do convívio, da partilha e boa disposição...sem nunca esquecer a corrida e a permanente tentativa de superação (seja lá isso o que for, penso que neste caso cada um terá a Sua).

Deixo os parabéns a todos e sem querer alongar-me em demasia deixo uma pequena frase a cada um :

Ana Hebe, fez a Sua estreia na distancia da meia maratona. Decisão à última hora (aproveitou o dorsal do Franco e prescindiu dos 8Km previstos). Bela performance para estreia.

Carmen Greft, mais uma meia feita, desta vez apadrinhou a Ana. É fantástico o empenho que coloca em cada prova.

Claire Monroy, acompanhou o Seu Namorado, Rob,  na estreia da distancia da Meia Maratona. Foi seguramente muito mais FUN que RUN J.

Cristina Caldeira, primeira meia “sem companhia”. Correu abaixo das 2horas. Fantástica performance a demonstrar que quando quiser, pode pensar em atacar a maratona.

Joana Peralta, comentário similar ao da Cris...chegou muito bem, parecendo que tinha ainda muito para dar, tal foi o sprint final.

Susana Brás Santos, uma alegria contagiante. Fantástica estreia na maratona. Foi um prazer a sua companhia.

Albisio Magalhães Fernandes, uma vez mais e apesar do Seu grande momento de forma, optou pela corrida solidária ao invés da “Sua” corrida. Apadrinhou a prova da Susana e mesmo lesionado e em grande sofrimento, fez questão de a “levar” até à meta.

Franco Wudich, grande estreia na Maratona. Decisão de última hora. Como optou por me “rebocar” em vez de “arrancar”, a Sua estreia foi um autentico passeio. Divertimo-nos bastante...mas o Franco acabou muitoooo fresco.

Nuno Almeida, um autentico avião. Performance fantástica a demonstrar que o treino trás mesmo resultados. Grande PBT, mas a prometer que ainda pode melhorar...e muito.

Nuno Tempera, continua em crescendo, mas nitidamente com “muito lastro” ainda para dar. Fez PBT, mas podia ter feito muito melhor. Ele fotografou, dançou, filmou...enfim...desfrutou e muito

Paulo Ribeiro, uma prova muito tranquila e a demonstrar que quando quiser pode igualmente pensar em dar o “salto” para a Maratona.


Da minha parte...obrigado a todos, em especial ao Franco que fez questão de me “rebocar” nos últimos 15Kms, quando a força começou a faltar.

Para mim terminar uma maratona é sempre uma emoção.
Reconheço que é uma prova que, ao dia de hoje, mexe muito comigo.

Apesar de a preparação e condição estarem longe do desejado, na realidade acabei mais uma (a quarta no espaço de 10 meses).

Fiquei muito feliz e ainda tive a “bênção” de poder ter ajudado um companheiro do pelotão de nacionalidade Russa a acabar a Sua primeira maratona.

O rapaz estava já nos últimos 2 Kms e quase incapacitado de continuar...apliquei a minha “filosofia de trazer por casa”, mandei um par de berros em linguagem pouco “técnica” e lá fomos juntos até ao “sprint final”.

O sentido e emocionado abraço que recebi ao final e o email de agradecimento que ele me enviou no dia seguinte, fazem com que dias muito especiais, consigam tornar-se ainda mais singulares.

É isto a “coisa das corridas”.

Ficamos agora a aguardar os restantes relatos...principalmente dos estreantes nas diversas distancias .

Runabraços

Nota : as reportagens fotográficas das provas serão publicadas assim que disponíveis, por cada um dos “fotógrafos” presentes.

Esses loucos que correm

Há alguns meses, não sei quantos, traduzi um poema de Marciano Duran depois de o ter ouvido declamar no You Tube, seguindo um link que algum corredor colocou.

Tive a atenção de o felicitar, indo ao blog dele. Como eu, muitas pessoas foram lá agradecer aquele ato de criação genial. Ontem fui premiado, recebi na minha caixa de email uma mensagem celebrando um milhão de visitas à página. A mensagem diz assim:

--------- message ----------
From: Crónicas Marcianas <cronicasmarcianas@adinet.com.uy>
Date: 2012/10/24
Subject: ¡Festejamos el millón!


¡Un millón de gracias por el millón de visitas!

Hace menos de dos años que "Esos locos que corren" trota por la red de redes.
En este tiempo ustedes hicieron posible que el contador de visitas...¡llegara a un millón!

Para celebrarlo, adjunto un poema dedicado a todos los corredores (con el saludo también para los ciclistas, montañistas y nadadores) que han escrito en estos meses desde todo el mundo (no es una manera de decir, efectivamente los mensajes llegaron desde casi todos los países del planeta, especialmente  desde España, Costa Rica y México de acuerdo al ranking de Youtube)
Un millón de gracias.

Marciano Durán



Contem também um novo poema que partilho:


USTED PREGUNTARÁ POR QUÉ CORREMOS
(a Mario Benedetti...un fenómeno que nunca corrió una carrera)

Si el frío nos perfora hasta los huesos
y el sol va quemando nuestros planes.
Si el viento nos devuelve hacia el principio
y el desaliento esconde los finales...

...usted preguntará por qué corremos.

Si cada cuesta cuesta hasta el ahogo
y en la pendiente pendiente está el desplome.
Si los aires ya no son los del comienzo
y la ruta es una sucesión de murallones...

...usted preguntará por qué corremos.

Si el aire disminuye hasta la asfixia
y respirar se torna un desafío.
Si la sed reseca los caminos
y nos asaltan los fríos y resfríos...

...usted preguntará por qué corremos.

Corremos porque el paso no es bastante
y no es bastante el canto ni la risa.
Corremos por los cuerdos que extrañados
ven pasar a los locos con su prisa.

Corremos en un mundo muy sensato
regido por la típica cordura.
Corremos cada loco reclamando,
el derecho al paréntesis que cura.

¡El derecho irrenunciable a la locura!

Usted...¿Insiste una vez más en preguntar?

Corremos, señor...téngalo claro,
porque no nos enseñaron a volar.


www.marcianoduran.com.uy Esos locos que corren

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Encontro Anual R4F 10 Novembro

Não obstante a azáfama ser grande, com trabalho, família, PBT´s batidos em Amersterdão ou a bater no Porto, deixo-vos com uma pequena descrição sobre o nosso encontro para vos aguçar a boca...



Monte do Trapalhão
Runners, já falta pouco para o nosso evento no Monte do Trapalhão.
O Monte do Trapalhão mora no “Alentejo profundo” no concelho de Montemor-o-Novo.
É uma herdade de 20 hectares em forma de triângulo ladeada por duas linhas de água, onde existem sobreiros, azinheiras, oliveiras e árvores de rio (salgueiros, choupos, …) e arbustos como o pirliteiro, catapereiro, esteva, medronheiro, … onde impera uma profunda paz e sossego – o monte vizinho mais próximo dista 2 km e a povoação mais próxima (Vendas Novas) cerca de 10 km por estrada. O Monte é dos mais antigos da região e foi renovado no fim do século passado mantendo a traça tradicional alentejana. Iniciou há dois anos um processo de reconversão para a agricultura biológica e este anos já temos uma produção experimental de azeite, mel e carne de porco e cabrito.
Actividades … descontracção e degustação.
Para os mais activos haverá um trail de treino de 8 km iniciada no vizinho Monte da Ribeira ou em alternativa um passeio campestre dentro do Monte do Trapalhão de cerca de 30 minutos.
E finalmente, haverá um bom arroz de miúdos com todos à moda do campo, como se fazia nos tempos antigos, cozinhado pela D.a Lourdes .  Este prato é tradicional do dia de matança e poderá ser contemplado por uma churrascada se o tempo permitir. Durante a tarde castanhas assadas, acompanhadas de uma sangria de vinhão e licores à  moda do nosso anfitrião!
Quem quiser assistir às matanças do porco e dos cabritos terá que ir bastante cedo … mas não é aconselhável a espíritos sensíveis.
Aceitam-se ofertas de tocadores de guitarra ou outros instrumentos. Se o tempo permitir poderemos acender um braseiro cá fora e cantar à roda da fogueira. Penso que o João Veiga gostará de ter companhia de mais algum cautador...!
Como chegar … simples.
Saia de Lisboa por uma das duas pontes e tome o rumo do Sul. Depois de Setúbal, quando chegar ao nó da Marateca, apanhe a A6 que vai para Évora e ESPANHA. Saia na saída seguinte de Vendas Novas e após a portagem vire `a esquerda da estrada nacional seguindo para Vendas Novas. Aí, encontrará um supermercado LIDL do lado direito, e volte imediatamente a seguir à direita numa estrada com uma placa que diz LAVRE. Saia por essa estrada de Vendas Novas e andando uns 7 km encontra uma placa do lado esquerdo que diz CUNCOS – vire imediatamente à direita e vá nessa estrada rural até ao fim do asfalto. Aí …O João Ralha, o Miguel Correia e a Inês Gil Forte puderam comprovar que não tem nada que enganar...
Mercado Biológico
A pedido de várias famílias o anfitrião irá  fazer uma experiência-piloto de venda de produtos biológicos produzidos localmente: azeite, mel e carne de cabrito e porco. O preço será o de mercado (Lojas como a BIOCOOP ou MIOSÓTIS) menos 10%. A quantidade será a que quiserem mas convém levar vasilhame pois não deve haver que chegue...

Enjoy...Run 4 Fun...!!!
Paulo Marcos

Carta Aberta aos Run 4 Fun

Vou tentar ser curto e não muito lamechas.
A verdade é que se está a aproximar um passo muito importante para mim que é a Maratona, e quero partilhar com vocês algumas coisas e opiniões deste ano e pouco que me ajudou a dar este passo.
Primeiro porque há uns anos era, não querendo aligeirar, obeso, e correr um campo de futebol já era um sacrifício, acabando por ficar parado no campo, e se agora vou neste nível é porque alguns de vós são responsáveis.

Do que me tenho apercebido, sou o Run 4 Fun mais novo, pelo menos dos que vão a provas maiores com frequência. É verdade que com os filhos de uns e outros que começam a correr, em breve esse estatuto foge…e ainda bem.
Quando entrei, pensei sinceramente, que me ia sentir a mais porque o habitual num grupo de gente com outra idade há tendência a não ligar muito e não desafiar tanto os mais novos. Estava enganado e ainda bem.
Desde que estou neste grupo sempre fui tratado bem e sempre me puseram em igual com todos, e quando me tratam como mais novo é mais para me dar conselhos e ajudar a melhorar neste desporto.

Ora sou mais novo e posso ter menos cabeça, mas da educação que me deram, um valor que dou importância é não ser mal agradecido.
A lógica seria agradecer a todos evitando esquecer-me de alguém mas, como espero que percebam, há alguns agradecimentos mais particulares a fazer, e se me esquecer de alguém não foi por mal e, foi para coincidir com esta altura importante.
No meio deste ano e tal houve alguns que tenho de agradecer um pouco mais, porque em alguma altura ajudaram a dar este passo. E então agradeço:
- ao César Moreira, porque foi um chato e insistiu em trazer-me para estas andanças, e é, oficialmente ou não, um primo;
- ao João Ralha, porque me trouxe para esta equipa e porque, até agora, foi quem me apoiou no fim das duas maiores aventuras que tive, os trails de 30 km;
- ao José Magalhães, Serafim, Rui Ralha, Pedro Mendes, Miguel San-Payo, Miguel Correia, Manuel Romano, e restante grupo das Terças e Quintas porque, visto que são as pessoas com quem passo mais tempo a treinar, acabam por dar mais conselhos, e alguns já acabaram por me safar e apoiar em muitas provas;
- ao Nuno Sentieiro Marques, porque foi o primeiro a obrigar-me a puxar mais e testar ainda mais os meus limites na corrida 1º de Maio, e pelas outras iniciativas que tem;
- ao Orlando Ferreira, porque apesar de não correr habitualmente comigo fez uma meia maratona só para me ajudar, ainda por cima porque psicologicamente era importante para a Maratona eu conseguir aquele tempo à Meia;
- às mulheres do grupo, que embelezam o grupo e que tornam mais agradável do que correr só com marmanjos, e algumas já começam a dar lições de corrida;
- a ti, sim a ti, de quem me estou a esquecer neste momento de referir;
- a toda a família Run 4 Fun, e acho que não tenho de explicar porque.

Já me imaginei várias vezes a cortar a meta no próximo Domingo. Numas vou sozinho, noutras acompanhado, numas chego de rastos e noutras a sorrir, numas chego feliz e noutras a chorar
de emoção, mas em todas chego a uma mancha laranja, que como em tantas outras provas está lá para apoiar e melhorar mais um episódio da nossa vida.

A carta vai longa, peço desculpa, mas resumindo espero que Domingo seja especial. Espero acabar, espero poder contar à família e que se orgulhem de mim. Espero eu ficar orgulhoso de mim. Mas, acima de tudo, espero que me lembre destes momentos para sempre, com a minha equipa, com o meu grupo que sempre nos apoia, ou seja com a nossa laranja.

Obrigado pela equipa que somos e que espero continuar a fazer parte.
Abraços e Beijos e obrigado a todos os que tiveram paciência de ler este desabafo

Dum atleta que veste orgulhoso a laranja dos Run 4 Fun
João Veiga

PS (25/10/2012) - O João Ralha tocou num ponto fulcral...o José Carlos Melo. Porque quando decidi fazer a meia, só com a ajuda dele ganhei a confiança porque me obrigou a acabar 21 Km em treino...Desculpa o esquecimento mas claro que fazes parte daquela lista a quem tenho de agradecer mais, porque nesse dia fiquei com a certeza que acabava a Meia e por toda a alegria que levas para as provas

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Correr contra o AVC...na Maratona do Porto...press release

Correr contra o AVC....Maratona do Porto, dia 28.
Press release enviado à comunicação social

---------------------------------------

Correr contra o AVC na Maratona do Porto
Run 4 Fun e SPAVC juntos a prevenir a morte dos portugueses

A 29 de Outubro celebra-se o dia mundial da luta contra o AVC.

O AVC vai afectar um em cada quatro portugueses, e é a principal causa de morte em Portugal.

O exercício físico é o principal factor preventivo do AVC.

A SPAVC – Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral e o Run 4 Fun – R4F associam-se, a propósito da Maratona do Porto, dia 28 de Outubro de 2012 e “Correm contra o AVC”.

A SPAVC é uma Associação sem fins lucrativos, que tem como objecto social, prevenir e reduzir a mortalidade, morbilidade e incapacidade devido ao AVC, promover o estudo, investigação e educação sobre esta doença, mediante a criação de planos de acção e de apoio, identificando os níveis de intervenção mais efectivos, contribuindo assim para a melhoria da saúde em Portugal. É um sociedade científica sedeada no Porto.

O Run 4 Fun – R4F fundado em 2008 em Lisboa, e presente em sete países, é hoje uma realidade incontornável no fomento do desporto, em geral, e da corrida de meio fundo e fundo, em particular, enquanto parte integrante de um estilo de vida mais saudável. Diferenciando-se pelo seu carácter não competitivo, o Run 4 Fun é composto maioritariamente por quadros superiores, profissionais liberais e empresários, para quem a prática da corrida é uma forma de combater o sedentarianismo e as doenças cardiovasculares que lhe estão associadas.

Com um forte pendor internacional, desde a sua fundação que o Run 4 Fun – R4f pretende levar esta mensagem a vários países. Inicialmente acompanhando a diáspora do talento dos profissionais portugueses, mas agora com forte componente local. Portugal, Espanha, Moçambique, Angola, Cabo Verde, Brasil, Estados Unidos, são os países onde tem núcleos ou filiais.

É, com mais de duas centenas de corredores activos, a maior organização do género em toda a Lusofonia. E procura que os seus membros, líderes de opinião e profissionais, sejam influenciadores na mudança de hábitos da população portuguesa, incentivando-a a praticar desporto de forma regular.

No dia 28 de Outubro, na Maratona do Porto, e nas provas que lhe estão associadas (Family Race de 15 km e Caminhada, de 6 km), os membros do Run 4 Fun – R4F correrão com um autocolante alusivo ao combate ao AVC. Junte-se a nós no Porto, próximo Domingo!

Paulo Gonçalves Marcos
Co-fundador e Presidente do Run 4 Fun
r4fpt@gmail.com