quarta-feira, 25 de julho de 2012

A minha estreia em Ultras


Este desafio foi sem dúvida o maior em que participei desde que corro e foram muitos os factores que contribuíram para aumentar as suas dificuldades.
Desde à muito tempo que dizia não tencionava fazer esta prova. A razão era muito simples: a possibilidade de me lesionar derivado do declive na praia.

Estando nesta fase ainda em "descanso" até à preparação da maratona do Porto, tenho ultimamente feito menos kms e a ritmo mais lento.
Regressado de 15 dias de férias, surge a necessidade de me deslocar à Polónia (em trabalho) e claro que o que fiz de seguida foi procurar alguma maratona na Europa para que pudesse aproveitar a viagem. Não encontrei nada excepto um polaco que está a fazer 42 maratonas em 42 dias... mas era quase a 500 kms de distância de Varsóvia e isso não justificaria ficar mais dias nem fazer essa viagem.

De repente, eis que surge a mensagem do José Carlos Melo a perguntar se alguém queria o dorsal dele para a UMA. Pronto, estava lançado na minha cabeça o desafio. E porque não ? o pior que poderia acontecer era um looooongo passeio na praia caso a inclinação não permitisse correr numa "boa posição".
Fiz um longão de 33kms para ver o "estado geral da máquina" e o resultado foi pouco animador mas como não surgiu mais ninguém para ficar com o dorsal, dei os meus dados para se proceder à alteração da inscrição. Algumas horas depois vem a resposta negativa. Não aceitavam a alteração. Muito bem, assim seja... mas vendo bem o regulamento, não é isso que diz quanto a alteração de dados... e portanto novos contactos foram feitos... mas tivemos a mesma resposta. Ficava assim decidido que faria um longão em Varsóvia.

Eis que surgem então o Paulo Raposo; novos contactos são efectuados e sigo entretanto para a Polónia sem saber do desfecho e faço um treino leve de 18kms (na 3ª feira) e fica pendente o longão para 6ª feira caso não houvesse participação na UMA.
Após mais algumas "peripécias" com a inscrição, eis que na tarde de 5º feira o Paulo Raposo me confirma a inscrição. Não avanço pormenores/dissertações aqui sobre o assunto porque não corro individualmente e não quero de forma alguma que o assunto seja associado aos RUN4FUN.
Na 6ª de manhã faço um treino muito ligeiro de 11kms apenas para "rolar" e de tarde é tempo de regressar a Lisboa.
No sábado nem deu bem para descansar por razões profissionais mas pelo menos o jantar foi uma bela (e boa) massa.

No domingo o dia começou cedo uma vez que fui buscar o Nuno Dias de Almeida às 5:35. O barco de Setúbal para Tróia partiu pouco das 6:20 previstas e pouco depois chegávamos a Tróia onde nos aguardavam as  camionetas que nos levariam para Melides. À entrada para as camionetes era feito um controlo individual de todos os participantes/viajantes. A viagem até Melides foi relativamente rápida e chegámos ao local de partida perto das 8:15.
Ainda encontrei o meu colega Dionísio que comemorava 60 anos. Que bela forma de comemorar esta bela idade!

Fomos levantar os dorsais e recebemos também 1,5l de água, 1 barra energética, 1 gel energético, 2 cubos de marmelada e 1 maçã. Além disto, e de 1l de água que seria entregue ao km 28,5 era da responsabilidade de cada um levar o que fosse preciso. Eu tinha no camel-back 2l de água com suplemento energético e uma garrafa de 0,5l com água, sal, açúcar e limão e também 450gr de marmelada.
Como pensei que a água que levava seria suficiente não levei esse 1,5l de água nem a maçã.
Ainda antes do início da partida encontrámos o Jorge Cancela e o Miguel San-Payo e tirámos as fotos da praxe.

Cerca das 9h foi dado o tiro de partida com a presença do Carlos Lopes o que por si só já representa um bom estimulo para o desafio que se seguiria.
O início faz-se de uma forma lenta e procurando o melhor local para se colocar os pés. Supostamente seria o local de areia mais dura mas com tanta gente não era fácil encontrar areia sem ter sido pisada pelos outros participantes.
Os primeiros kms são feitos na companhia do Nuno Dias de Almeida e vão passando sem grandes dificuldades porque o ritmo era lento mas o possível nas condições em que a areia estava - cerca de 6'30/km. Depois o Nuno aumentou o seu o ritmo e tinha já alguma distância... mas de repente... eis que vem uma camisola laranja a correr em sentido contrário !!! era o Nuno que voltava para trás à procura da máquina fotográfica que tinha deixado cair...
Com o baixar da maré foi possível correr numa zona mais junto à água e mesmo tendo que tentar fugir de algumas poças, o ritmo após os 10kms e até aproximadamente os 20kms foi de 5'50/km. O tempo de passagem aos 20kms foi de 2h06, o que mesmo sabendo que iria seguramente caminhar numa parte do percurso, perspectivava um bom tempo no final.
A partir daqui começou o vento contra e também as condições da areia pioraram. O ritmo começou a ser mais baixo e tive que parar para tirar a muita areia que estava dentro dos ténis. Os pés já doíam bastante e comecei a caminhar em vários momentos.
Já depois do abastecimento dos 28,5 e do excelente incentivo presencial do Luís Matos Ferreira, voltei a caminhar e posteriormente, com as muitas dores nos pés, optei por me descalçar e caminhar dentro de água. A progressão era a possível mas pelo menos a água fria "acalmava" as dores.
O tempo de passagem aos 30kms tinha sido de 3h19 o que continuava a ser bastante bom. Mas as dores nos pés eram muitas e a água para beber que levava viria a acabar-se mais à frente e portanto só me restava mesmo caminhar para chegar ao fim.
Aos 40 kms (feitos em 4h54) voltei a decidir calçar os ténis e tentar correr alguns momentos na tentativa de fazer a baixo das 5:15 mas o vento, a inclinação e a areia mole/solta não ajudavam em nada.
Nas últimas centenas de metros ainda deu para um esforço final e assim passar meia dúzia de outros participantes. Fiquei em 226 (começaram 390 e finalizaram 365) com um tempo de corrida de 5h18m45s.

Ainda antes de passar a meta vi o José Carlos Melo que lá estava para o incentivo final e para tirar mais umas fotografias.
Depois de beber 3 copos de sumo, comer uns cubos de melão e beber 1 garrafa de água fui de imediato tratar das bolhas nos pés seguindo direitinho para a tenda da cruz vermelha que estava com grande afluência; retirado o líquido das bolhas, foi feito o possível tratamento e, por causa da areia, foram calçadas umas luvas (descartáveis) nos pés! último grito da moda diziam as enfermeiras.
Entretanto já com o Nuno, que já tinha tido tempo de ir a banhos de mar, fomo-nos refrescar nos duches disponíveis a caminho do cais. Caminhar aquelas centenas de metros naquele bonito caminho de madeira foi doloroso mas o gelado antes de entrar para o ferry de regresso a Setúbal soube muito bem.

Se farei outra ? não sei... as condições do piso e atmosféricas são muito diferentes de ano para ano e este ano, comparativamente com anos anteriores, estavam bem razoáveis.
Se me tivesse antecipadamente preparado com outros treinos também ajudaria mas os factores externos, como o vento e a areia, podem provocar grandes diferenças de tempos mesmo para quem está bem preparado; por isso, por agora, digo apenas que foi uma experiência muito positiva.
O que penso poderia ter ajudado no meu tempo final seriam os ténis e/ou tipo de calçado a utilizar neste tipo de terreno... ou dito de outra forma, foi muita areia para as "minhas rodas".

(link para o excelente video do Nuno Dias de Almeida: http://www.youtube.com/watch?v=RfWMHBEX7-c&feature=share)

5 comentários:

João Ralha disse...

Orlando,

Pelos vistos tiveste mais que "rodas" suficientes para toda essa imensidão de areia.

Parabéns pela tua excelente prova, tão mal preparada. Por vezes, quando as expetativas são mais baixas, os resultados são mais agradáveis. Na próxima, com mais preparação, farás certamente melhor.

Obrigado pelo teu bonito e detalhado relato.

Runabraço

Ndda disse...

Mas que grande prova Orlando,

Parabéns pelo desempenho, concordo com o João que não conhecemos os nossoslimites.

Notável tempo.

Espero que para o Ano poder levar-te á UMA 2013.

RunAbraço,
NDA

Miguel San-Payo disse...

Grande Orlando,

espero que te tenhas tornado um indefectível desta prova. É que é a única do género na Europa e todos os anos é uma agradável surpresa. Este ano foi a mais rápida de sempre tendo sido pulverizados todos os recordes anteriores. Conto contigo em 2013 para aumentarmos a armada laranja.
Parabéns e Runabraços

Nuno Sentieiro Marques disse...

Grande Orlando.
Parabéns pela superação e conquista.
Deve ser um sentimento de grande euforia quando se completa um desafio desta diemensâo.

Obrigado peo excelente relato e partilha.

Runabraço

Jorge Duarte Pinheiro disse...

Estiveste bem, Orlando! Ainda por cima numa estreia, com uma preparação algo relativa.
Runabraço