quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Ultra Abutres 2013


Comecemos pelo princípio, a definição de Abutre:



Abutre é o nome vulgar dado às aves falconiformes da família Accipitridae, de hábitos necrófagos, conhecidas também como abutres-do-velho-mundo. Os abutres assemelham-se exteriormente aos urubus e condores (os abutres-do-novo-mundo), mas estes pertencem à família Cathartidae. Os abutres são aves de grande envergadura, usando correntes de ar quente para planar, têm cauda pequena e geralmente são desprovidos de penas na cabeça.

Os abutres são mais longevos em relação a outros pássaros, chegando a viver 30 anos em cativeiro

Os cientistas ainda não desvendaram este mistério, mas acreditam que os abutres se deliciam com comida estragada sem passar mal graças ao seu sistema imunológico e ao potente suco gástrico secretado por seu estômago. Mas isso não significa que eles prefiram carne podre à fresquinha.

Os Abutres são feios e sujos, mas cheios de truques para sobreviver ao cardápio nojento

 

2013-01-26, o Dia

Prova na linda Serra da Lousã, apesar de não ter a preparado bem (poucos kms) devido á lesão que não me larga desde Novembro, estive num dia Sim e tive a sorte de encontrar um atleta com um andamento muito semelhante.

Os R4F em grande estilo á partida, deixam a sua marca pela boa disposição...




A organização avisou que esta prova seria disputada em condições especialmente difíceis devido ao temporal do fim-de-semana anterior com quedas de árvores e chuvas intensas deixando o terreno especialmente escorregadio e perigoso.



A composição dos trajeto:

Trilhos Técnicos: 90%; Estradão ou Caminhos Florestais: 8% e Alcatrão: 2% A organização fala em 45300m e desnível Acumulado de 4640 Mts, o meu Garmin de 47470m e 4402Mts.

Nesta III edição da prova percurso diferente e um grau de dificuldade consideravelmente superior.

O desnível positivo de mais de 2300 metros para uma distância de 45 Km significa que se esteja permanente a subir e a descer pela serra o que coloca os atletas em permanente mudança.

Nas quotas elevadas temos dois pontos mais altos da prova, são 900 metros aos Kms 19 e Km 33 com paisagens deslumbrantes, nas quotas mais baixas temos de tudo um pouco, rios, riachos, cascatas naturais, descidas e subidas com lama permanente, passagens apoiadas por correntes e cabos e calhaus deambulantes.



A travessia de riachos com correntes fortes foi uma permanente o que tornou a prova especialmente perigosa, era preciso ter precisão na forma de abordar estas passagens e na colocação dos pés para não entrar em falso nos riachos sujeitos a quedas complicadas.

A organização dos Abutres esteve muito bem na sinalização, abastecimentos, socorros e disponibilidade…

 

A prova

Iniciada com 10m de atraso, às 8H40 com engarrafamento no primeiro km que separou logo muitos atletas á saída.

Entrámos no parque biológico – quinta da Paiva e depois entramos em floresta cerrada para alguns Kms depois começar a primeira verdadeira subida - são 530 metros desde o Km 10 e o Km 15.

Nesta fase já deu para perceber o que nos esperava, já tínhamos passado por ribeiras, trilhos técnicos, parque biológico, o florestal, locais de grande beleza, até ao primeiro pico da prova - o parque eólico ao Km 19 chegando aos 900 metros de altitude.

Após a chegada ao parque eólico deslumbramo-nos com uma paisagem para norte, Coimbra, Vale do Mondego até á Figueira da Foz, e no horizonte as Serras da Boa Viagem, Buçaco, e Caramulo.

A seguir a grande descida em corta-fogo com seu desnível negativo, mas era o que nos esperava lá em baixo, percursos muito técnicos até chegar à pista de downhill ao Km 25.

Esta descida é em single-track com a inclinação a ultrapassar os 30% até chegar ao Santuário da Sra. da Piedade de Tábuas, o local do 3º abastecimento, aqui tivemos direito a sopa quente caseira retemperante…

Na segunda parte da prova, o pior estava a chegar… do Km 25 ao 29 o percurso é muito técnico com escalada, temos que nos agarrar às rochas e após cascatas naturais e barulhentas com muita água.

Chegamos ao 27, começámos a subida para o segundo pico da prova, o parque eólico, mas agora a subida é feita pelo lado oposto e chegamos aos 900 metros de altitude, aqui já começa a fazer frio.

Perto do Km 35 iniciamos uma subida intensa ao Penedo dos Corvos para chegarmos à Aldeia de Gondramaz - muito tradicional e única, tem apenas quatro habitantes permanentes e as restantes habitações para férias.

No 40, o ultimo posto de controlo e sabíamos que seria mais fácil e rolante até ao final, embora 8Km com 40 nas pernas, não sejam bem 8…

Tive uma grande ajuda, o Manuel Rodrigues, que nesta minha segunda edição com muita lama, quedas, silvas, passagens de rio, rampas, descidas, escaladas, sangue e suor, me ajudou a completar os quase 48Kms em durante 7h 58m, mais 38min que em 2012.

Heróis, não existem mas se tiver que mencioná-los:

Estreante e mais Imparável:

Dorsal 413 JOSÉ CARLOS MELO RUN 4 FUN M50 11:10:12, no dia seguinte GP Fim da Europa

Dorsal 412 JORGE ESTEVES RUN 4 FUN M40 11:10:11

Dorsal 418 TEODORO TRINDADE RUN 4 FUN M50 11:10:10, no dia seguinte GP Fim da Europa

Estreante e melhor Abastecido:

Dorsal 416 NUNO MIGUEL MATIAS TEMPERA RUN 4 FUN M40 11:10:03

Estreante e o mais bem disposto

Dorsal 410 GONÇALO MELO RUN 4 FUN M40 09:16:05

Dorsal 415 MIGUEL SERRADAS DUARTE RUN 4 FUN SM 09:05:27

Dorsal 411 JOAO GUERRA RUN 4 FUN SM 08:15:43

Estreante e companhia de todo o percurso

Dorsal 108 MANUEL JOAQUIM NEVES RODRI CLUBE MILLENIUM BCP M40 07:58:51

 

Parabéns a Todos os que e os que não terminaram esta prova, pois só Esses entendem verdadeiramente o orgulho daquela peça de barro...

Os meus 478 minutos e cinquenta segundos de prova foram inesquecíveis, todos os filmes são uma curta imagem gravada na memória, se pudesse revive-los todos, fá-lo-ia, por isso para o ano espero percorrer e concluir esta emblemática prova…

Deixo aqui um pequeno filme de 9 minutos, mas prometo um muito maior, sei que parecem uma eternidade mas para quem lá esteve parece apenas um piscar de olhos...

 

Até 2014.

 

RunAbraços,
NDA

4 comentários:

João Ralha disse...

Nuno

Excelente e bem humorado relato de uma prova que deve ter sido duríssima.E com uma interessante descrição sobre os Abutres.

Julgo que não dá para perceber bem as dificuldades por que passaram os bravos participantes nesta emblemática prova.

As fotografias e mesmo os filmes são geralmente aproximações muito afastadas da realidade.

Parabéns aos estreantes e aos repetentes pela coragem de enfrentar e ultrapassar tamanho desafio, só ao alcance dos verdadeiros "ultras".

Runabraços

Runabraços

Jorge Branco disse...

Parabéns a todos!

Nuno Sentieiro Marques disse...

Belo e divertido relato Nuno.
Muito obrigado pela partilha.

Muitos parabéns a todos sem excepção.
O simples facto de nos apresentar-mos à partida já é só por si seguramente um grande desafio.

Talvez um dia quem saiba...pode ser que a minha "loucura" me dê coragem para atacar este evento fantástico.

Runabraços

Orlando Ferreira disse...

Excelente Nuno e obrigado pela partilha.
Parabéns a todos os que realizaram tamanha façanha com tão exigentes condições que ficaram bem demonstradas no filme.
A subida quase no final e as escadarias devem ter sido nada agradáveis com uns 45K já nas pernas...