segunda-feira, 18 de junho de 2012

Run 4 Fun no Trip Trail Monte da Lua


Em trilhos tenho para mim que "Não é preciso ser rápido. Mas é preciso ser destemido." in Nascidos para Correr.

O desafio chegou sem me dar conta que seria a maior distância que já percorri e creio que só tive essa consciência na véspera. Se é verdade que a mudança de ritmos fazem com que os trilhos não sejam tão cansativos, as subidas e as descidas podem tornar a prova esgotante. Mas até consegui terminar bem.

Este trail tinha 4 categorias e a familia Run 4 Fun esteve muitissimo bem representada, como sempre, em todas as categorias: Os manos Raúl e Rogério Matos em 10K, nos 20k eu, o José Bagina e o Paulo Raposo, a Ana Groznik e o Jorge Cancela nos 42K e last but no least o José Carlos Melo nos 60K.



Eu o Zé e a Ana chegamos cedo para levantar os dorsais no Parque de Campismo da Orbirur e logo depois chegou o Jorge Cancela. Dirigimo-nos logo para a Praia do Abano onde já estavam os manos Matos, o Paulo Raposo e o José Carlos Melo e onde teve inicio a aventura.

Com o atraso na entrega de dorsais a outros atletas (os Run 4 Fun estavam equipadissimos a tempo e horas :-) ) o inicio das provas foi adiado para as 9h e partimos todos ao mesmo tempo. Os mais rápidos depressa desapareceram no meio da vegetação. Ao longe consegui ver uns pontos laranja que agora acho que eram os manos Matos :-). A Ana e o Zé Carlos também fugiram para não mais serem vistos...

Os primeiros 5km foram longos porém daí para a frente tudo foi mais rápido... O pequeno percurso de estrada a descer, após o abastecimento de água aos 4,7km, deu-nos ânimo para regressar às pedras rolantes, à terra solta, às subidas impiedosas e à paisagem magnifica que só a bonita Serra de Sintra nos dá.


Apanhamos o Jorge Cancela no abastecimento de água e fomos juntos até ao posto de controlo e abastecimento de sólidos seguinte. O Zé que ia bem à frente foi apanhado aqui e em breve ficaria para trás.


O abastecimento de sólidos aconteceu quase aos 18km e aí eu e o Paulo Raposo, que fizemos a prova juntos, resolvemos esperar pelo Zé que se via a "pes" com a sua fascite plantar. Uns cubos de marmelada, coca cola com água e umas batatas fritos eram mesmo o que estava a precisar pois senti alguma fraqueza na subida para a Peninha. O Jorge Cancela abasteceu-se e apressou-se a retomar a prova pois estava ainda a menos de metade do seu percurso. Desde então não mais lhe pusemos a vista em cima.

Após uma paragem longa, cerca de 16m, retomamos a prova que seria quase sempre a descer em pedras e areia solta. E, como não sou destemida, acabei por escorregar e cair mas apenas um arranhão e um Garmin que ficou sem bracelete. Valeu-me a ajuda de outros corredores que pararam para me levantar do chão. Há descidas que também se fazem a andar e, para mim, a rastejar :-).

Mas o saldo é sempre positivo, pelo desafio, por me por à prova fisica e psicologicamente, porque desfrutei da paisagem e do ar puro, porque fiz desporto, porque me esforcei e gosto de me sentir deliciosamente cansada. Até ao próximo desafio :-)

Trip Trail by Ana Groznik (1º lugar em 42K)



I did a fair amount of trekking and bicycling in the area so I had high expectations from this trail, and it was still surprisingly beautiful. Very idyllic and picturesque passages of the country side, at some sections it seemed we were far far away of civilization, often having vast views of the ocean or forest. The course was very dynamic and varying, parts of the trail were literally below and among tree branches and bushes, some challenging rolling stone downhills, we climbed masses of rocks first up and then down on all four... Luckily the weather played along, sunny and getting hot only in the last part. The announced fuel station on 24th kilometer was missing, plus I haven't seen a soul at least one hour before the next fuel station at 32nd kilometer, so I was getting seriously worried - luckily this was also the most beautiful and engaging terrain that I also enjoyed very much. Certainly glad I did not register for the longer distance, although I was contemplating it for a few moments, because I would be really frustrated being exhausted while getting or even just feeling lost. I was tired more than enough, but even more happy - with the day and the trail and myself :-))

Trip Trail by José Carlos Melo


Eu tinha grande expetativa neste trail. Nunca tinha participado num prova com esta distância e com este declive e queria ver como eu me comportava. Queria conhecer novos percursos na Serra de Sintra. Objetivos que tiveram resultado positivo, não obstante o tempo extenso de mais que fiz nos 66 kms. Conheci locais e percursos diferentes do habitual, alguns deles surpreenderam-me.
Bom desafio num trail com um grau de dificuldade significativo. A parte que achei mais dificil foi passar sobre as pedras grandes (após o km 20). Gostei de conhecer o percurso das 13 pontes de btt (após o km 30).
Pontos negativos:
- Deficiente marcação do percurso após o km 30;
- Perigosas descidas downhill de btt, com falta de integridade dos participantes no trail;
- O levantamento dos dorsais na manhã da prova longe da partida.

Trip Trail by Paulo Raposo


Até nem estava para fazer nenhuma prova neste fim de semana.
Mas quis o destino que me oferececem dois dorsais para a marginal à noite, e nesse mesmo dia em conversa com a Ana e o José Carlos tomei conhecimento do Trail Monte da Lua.
Os 60 Kms não me passavam pela cabeça sequer, os 40 Kms talvez um dia, e estava na dúvida entre os 20 e os 10 Kms.
Os 10 Kms pareciam-me pouco e os 20 Kms, tendo em conta a corrida ao final do dia, pareciam-me muito.  Com este dilema na minha cabeça resolvi NÃO seguir os conselhos da Ana e José Carlos e inscrever-me no último minuto na prova 20K.
Só depois me apercebi que os 20K significavam 22 Kms, e quando terminei a prova o meu GPS marcava 25 Kms!  A corrida decorreu dentro de uma temperatura bastante aceitavél e só no fim o céu limpou totalmente e o sol começou em força.
A paisagem linda e o contacto com a natureza fez-me esquecer do tempo e kms percorridos. Pensava que tinha sido muito menos.  No entanto, isto foi uma corrida, e para quem goste deste contacto é de aconselhar uma caminhada sem limites de tempo para saborear.
Isso já está na minha lista de coisas a fazer.
Se é para continuar nos trilhos? É certamente, mas continuo a fazer estrada. Penso que ambos os tipos de corrida se complementam e ajudam.
Parabéns aos laureados: à Ana que terminou em 1º dos 42 Kms e aos irmãos Raúl e Rogério Matos pelos 2º e 3º lugar no 10K.  Um abraço especial ao "maluco" José Carlos dos 66 Kms. Continua assim como fonte de inspirição que talvez um dia chegue lá.
E um muito obrigado à Mónica, ao José Bagina e ao Jorge Cancela que me aturaram durante a corrida, uns mais que outros.
Até à próxima corrida. E que seja para breve!

Trip Trail by Raúl Matos (3º lugar em 10k)


Devido á conjugação favorável de diversos factores consegui subir ao pódio na 3 posição pela primeira vez e com a camisola que muito me orgulho de representar dos RUN 4 FUN. Esteve um boa manhã para participar numa prova deste tipo, tempo nebulado e com o sol a aparecer poucas vezes durante a 1 hora do percurso.

Arrancamos no grupo da frente e fomos ultrapassados na subida ao 1,5 Km pela Ana Groznik (esta mulher só nos faz passar vergonha nós com alguma dificuldade e ela que nem uma gazela passa por nós a fugir) rapidamente deixamos de a ver. À passagem do 4 Km em os do 10K tomavam uma diferente direcção ficamos a saberia que apenas 2 atletas tinham tomado a mesma direcção ficamos entusiasmados com a perspectiva de pelo menos um de nós subir ao pódio.

Hoje o Rogério esta imparável nas descidas só o consegui acompanhar até ao 6 Km depois conforme fomos descendo a serra ele foi se distanciando cada vez mais e nem com a subida no 7 Km eu consegui recuperar. Os treinos mais exigentes desta semana não permitiram melhor. Á chegada constatamos que dos dois atletas que tinham chegado um tinha o dorsal do K20 e por isso chegamos na 2 e 3 posição.

Trip Trail by Rogério Matos (3º lugar em 10k)


Antes da inscrição para o Trail Monte da Lua, ainda pensei em inscrever-me nos 20k. Mas o Raúl, também a braços com a sua lesão, lá me pôs juízo na cabeça (costuma ser ao contrário!) ao lembrar-me, “e o teu joelho, pá?”. Iríamos então para os 10 km e desse modo sempre garantíamos que a Run 4 Fun ficaria representada nas 4 distâncias. Como este Trail tem poucos  inscritos, até pelas limitações impostas pelo Parque Natural, sempre íamos brincando entre nós, os manos, dizendo que mesmo que se fossemos os últimos seria sempre uma classificação de 2 dígitos apenas! A minutos da partida, perguntei em “pé de orelha” ao organizador da prova como se distinguiria o circuito dos 10K dos 20K e outras distâncias e informou-me ele que, mais ou menos a meio do percurso, um elemento da organização bifurcaria os mesmos. Assim, inspirado o ar daquela maravilhosa praia do Abano, pensei para os  meu botões: “ah, vou é desenfrear-me por aqui acima, e depois logo se vê. Só para experimentar”. E assim fiz! Coloquei-me praticamente à frente antes da partida (também não era difícil pois não chegávamos aos 300 atletas no total das provas) e arranquei o mais depressa possível.

Ao longo da  primeira metade, já com inúmeros atletas das outras distâncias à minha frente, e a tentar ultrapassar outros, procurava encontrar, olhando de  soslaio para as dorsais, outros companheiros de 10K. Nada!! Ainda  perguntei ao Raul se ele tinha visto já alguém dos 10K, mas ele disse-me
que era muito difícil, uma vez que as dorsais estão colocadas à frente, e olhar para trás com aquele tipo de terreno, só se nos apetecer mesmo muito experimentar uma aterragem às 4 rodas. Nisto, numa das inúmeras subidas que quase se fazem de gatas, passa por nós na bolina a Ana Goznik, a correr nos 40K. Olhei para ela para ver que motor usava, e incrédulo a seguir  pesquisei as minhas pernas pois até aí estava convencido que estava a  correr. No more comments!!! Dito isto chegámos, o Raul e eu, à bifurcação dos 10k, onde aproveitei para gritar ao elemento da organização quantos do
10K é que já tinham passado. Incrédulo, ouvi-o dizer-nos: “só passaram 2. Vocês estão neste momento em 3º e 4º”! Rapazes!!!! Nem queiram saber o que senti! Desculpem-me o francês, mas senti fogo no traseiro! Para além de ter sentido que voltava a ser uma criança (as partidas que a idade nos prega)  senti também que tinha mudado de 95 octanas para hidrogénio líquido! Um preâmbulo para dizer: gosto de me ver como 100% desportista, mas caramba,  se me dizem que posso ganhar ao berlinde com um puto de 8 anos, ganho  mesmo!

E no fim, desconfio que ainda sou capaz de enfiar os berlindes no bolso! Assim disse então para o Raul que era melhor desatarmos a abrir por  aí fora, não tanto para apanhar quem fosse à frente, mas para não “motivarmos” quem viesse atrás. E assim foi. O Raul disse que naquele dia estive imparável nas descidas. Gosto de pensar que sim, até porque foi  mesmo a fazer descidas à maluca que arranjei o problema que carrego no  joelho esquerdo, mas sinceramente, naquele momento não era eu com os meus  49 aninhos, mas o “Geroca” (como a minha mãe ainda me chama) com os seus 10 anos, e a pensar em levar os berlindes para casa. E confesso que comecei à procura dos 2 “desgraçados” que tinham tido a veleidade de ir na minha frente. Já vos apanho! Ao descer para a praia, já a umas centenas de metros da meta, o jovem da organização confirmava, “força que é você já está no podium, é o 3º”! É aqui que reparo que estão pelo menos 60.000 pessoas no estádio olímpico a aplaudir a minha entrada. Memorável! Uma “recontagem de última hora” permitiu-nos ainda saber que afinal tínhamos feito o 2º e 3º lugares. Uau!!


 PS as fotos são minhas, do Zé Carlos Melo, do Paulo e do Raúl
O depoimento do Jorge Cancela deve estar a caminho :)
O Zé vai publicar algo mais detalhado no seu blogue Uma Perna Atrás da Outra

8 comentários:

Nuno Sentieiro Marques disse...

Fantástica ideia esta de um relato conjunto.

Ficou muito giro e está muito interessante e bem escrito.

Belas fotos que relatam igualmente o espirito vivido.

Muitos parabéns a todos, que grande representação tivemos e que grande aventura superaram (principalmente os estreantes).

E com a Mónica escreveu e muito bem, desde que ninguém se lesione, o resultado final é sempre positivo.

Uma vez mais parabéns a todos.

Runabraços

João Ralha disse...

Mais uma grande inovação de escrita conjunta de um "post" no nosso blogue que é, por definição, colectivo. Para quem não saiba, temos cerca de 80 autores.

Parabéns pela ideia e pelos excelentes resultados, nomeadamente a extraordinária Ana Grosnik, os irmãos Rogério e Raúl Matos, o Zé Carlos Melo que não pára de aumentar os desafios, a Mónica e o Paulo Raposo acima dos 20 km em trails e também ao divertido Jorge Cancela e ao entusiasta José Bagina.

Runabraços

João Ralha disse...

E saudação especial à "escritora" Mónica Miguéis pelo belo relato.
Aqui se revela mais uma das nossas atletas, com jeito para a escrita.

Runbeijos

Jorge Esteves disse...

Parabéns a todos especialmente aos medalhados e aos estreantes.

Os trail permitem um convívio e uma entreajuda que são valores dos Run 4 Fun.

Este relato conjunto é também a prova do espírito que partilhamos.

Runabraços

Jorge Duarte Pinheiro disse...

Excelente representação, a muitos pés,a que se soma esta bela ideia de escrita, a muitas mãos. Parabéns a todos!

Orlando Ferreira disse...

Se a participação em si já tinha sido muito boa, estes sucessivos posts só têm aumentado a qualidade dos seus intervenientes.
Ler as diversas percepções das diferentes provas é sempre muito interessante para quem não esteve presente.
Obrigado e parabéns.

Alfredo Falcão disse...

Parabéns aos autores deste magnifico relato pela originalidade e por permitirem a quem não foi viver um pouco dos trilhos do Monte da Lua e ainda me fartei de rir.

jamp disse...

Parabéns pela descrição do evento.
Também lá estive e achei fantástico.