sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Um dia que começou muito bem e acabou menos bem


Um dia que começou muito bem e acabou menos bem
ou
Como é bom sentir os amigos quando deles precisamos

 3 de agosto 2013, estava um dia lindo. Há muito que eu e o Paulo Fernandes nos tínhamos inscrito no Trail Noturno da Lagoa de Óbidos (25km). Há muito que tínhamos decidido passar o dia na Feira Medieval de Óbidos…  Tudo parecia ir correr bem!

À chegada ao castelo recebemos as boas vindas como atletas do Trail.
Entramos, assistimos ao cortejo, aos espectáculos que pululavam pelo recinto, interagimos sempre que para tal eramos convidados (ou provocados), fomos teatralmente ameaçados por um bárbaro, almoçamos sem garfos, facas ou colheres, (que naquele tempo a plebe não usava essas coisas) mas estava delicioso! Um dia muito bem passado!
 


Ao cair da tarde fomos buscar os dorsais e juntamo-nos no habitual ponto de encontro.

Fotos da praxe… sai o UltraTrail de 50km… saímos nós às 9:45 para os 25km. Já estávamos avisados sobre um descida perigosa por volta do Km6. Descemo-la com cuidado e tudo correu bem! Relaxei… aliviei a carga de atenção e num trilho estreito, sem dificuldade, a subir ligeiramente… ponho um pé em falso, torço o pé, resvalo pela encosta(uns 2metros, só) e o pé fica ao lado da perna  (em vez de ficar por baixo da perna). Diagnóstico rápido:Luxação! Solução: Toca o colocar o pé no sítio, por baixo da perna! Surpresa: não doeu, mas também não encaixou, nem se segurou… Diagnóstico provável: grande chatice, com fraturas mais que prováveis…

- Paulo… acho que já não consigo fazer os 25km… (ele estava em pânico… tinha descido a encosta  e estava ao pé de mim…) Segundos depois oiço umas vozes cá em cima:

- Manela! O que aconteceu? Precisas ajuda? Que bom ter ouvido aquelas vozes! Já não estávamos sozinhos no meio do nada!! Era a Rute Fernandes, o Pedro Pinto e a Ana Marques. A Rute tinha caído na tal descida, magoado as mãos e tinham parado na ambulância para fazer o curativo e pôr ligaduras nas mãos.  Desceram até mim, e após se inteirarem da minha situação, o Pedro pega-me ao colo com a ajuda dos restantes e consegue sentar-me cá em cima no trilho. E agora…

- Eu levo-te às cavalitas até ao abastecimento, diz o Pedro Pinto, a ambulância seguiu para lá…

- A mim? Com o meu peso?... E, sem dar por isso, já estava às cavalitas dele e lá íamos em fila indiana pelo trilho, com o meu pé a baloiçar perdidamente… (obrigada Pedro Pinto!!) Nisto avistou-se a estrada (alcatrão!!!) mas era preciso lá chegar em corta mato…

- Vão lá ver se eu consigo lá chegar! Diz o Pedro. Podes sim, vem!! Disse o resto do grupo. E lá fomos. Sentei-me numa pedra, a agarrar o pé à perna, telefonou-se para a organização a pedir a ambulância… mas esta não dava sinais de vir!!!

Decisão: - Vamos nós andando até ao abastecimento e de lá mandamos vir a ambulância! disseram os três.
OK, parece melhor!
Fiquei com o Paulo do meu lado. Voltou a telefonar para a organização  da prova, que estranhou a ambulância ainda não ter chegado… (houve algures uma pequena falha da organização… não só a grande dificuldade em se conseguir telefonar mas também a demora da ambulância... enfim…) Minutos depois telefona o Pedro: “a ambulância já vai a caminho!” e lá chegou. Talas no tornozelo, ligadura de imobilização, ala para o Hospital das Caldas da Rainha.  Estava cheio de gente… mas lá acabei por ir fazer o RX.

O técnico: - Isto não está bonito! (pudera … isso sabia eu…) Duas fraturas nos maléolos (tíbia e perónio) e luxação da articulação tibio-társica… isto só lá vai com cirurgia (pois… bolas… Mas quando a ortopedista me mostrou o RX no ecrã do computador… que horror… aí eu vi que a coisa era mesmo grave…) Fez a redução da luxação (doeu mesmo!!!) pôs gesso provisório…e … ambulância para o HSMaria, onde cheguei por volta das 4horas da noite. Fui operada às 4horas da tarde desse mesmo dia e às 4h da tarde do dia seguinte estava a vir para casa.

E desde então só tenho recebido mimos, manifestações de carinho, SMS, Mensagens e telefonemas que me têm feito tão bem!!! Claro que me doi…(mas é suportável). Custa-me mais ter a mobilidade tão francamente diminuída, estar tão dependente (é que não é só não poder andar, o facto é que quando me desloco com umas canadianas que a minha filha conseguiu encontrar na 3ª farmácia onde foi (era o último par, estavam na montra, são amarelo fosforescente) pois, quando me desloco com elas, as mãos ficam ocupadas!! Não posso fazer mais nada!!!

Mas que interessa, tenho as minhas filhas a prestar-me uma atenção redobrada, tenho o Paulo Fernandes comigo a mimar-me o mais possível e tenho o apoio, o carinho, os votos sentidos de rápidas melhoras de tantos dos meus amigos!!!!

Obrigada!!! Assim, é muito mais fácil superar estes percalços, afinal, foi só uma perna partida… :)

Como é bom sentir os amigos quando deles precisamos!!!

Beijinhos a todos

Manuela Cruz

13 comentários:

Nuno Sentieiro Marques disse...

Grande Manuela.

Obrigado pela "dramática" partilha...acompanhei a Tua descrição ao detalhe e eu próprio já estava a desesperar.

A Tua atitude perante a vida, é fantástica.
Simpatia e boa disposição, até nestes momentos.

Bj grande carregado de rápidas melhoras.

João Ralha disse...

Manuela,

Mais uma prova da tua grande capacidade de resistência à dor e à adversidade. E um belo relato de uma situação tão difícil.

E como é bom ter companheiros e amigos que nos ajudam nos momentos em que mais deles necessitamos.

Agora é melhorar que as próximas provas esperam por ti.

Beijinhos e abraços

46 disse...

Manuela,

desconhecia o facto relatado. Que grande chatice.

Agora que aconteceu, é olhar para a frente. O importante é ficares com a perna em perfeitas condições. Têm paciência.

Se for necessário alguma coisa é só dizeres.

Beijinhos e as melhoras.

AC

Luis Correia disse...

Devíamos criar um sub-clube dentro dos R4F. O clube dos que já partiram alguma coisa nestas andanças. À minha conta foram os dois antebraços duma só vez.

As melhoras Manuela e que este contra-tempo não te faça desistir do estilo que vida que queres para ti.

Luísa Ralha disse...

Manuela
Que grande chatice, mas espero que recuperes bem e depressa. Nós precisamos de ti!
Só agora soubemos do teu acidente pois estivemos 6 dias isolados do mundo no meio das montanhas à beira de um lago, sem TV, sem internet e quase sem rede de telemovel.
Beijinhos e FORÇA!!!

Alfredo Falcão disse...

Manuela, sabia que alguma coisa tinha acontecido mas não sabia que tinha sido tão mau. Espero que recuperes bem e depressa.

Bjs
Alfredo

Orlando Ferreira disse...

Manuela, votos sinceros de rápida e boa recuperação (e aproveita os mimos...).
Infelizmente do que tenho lido, a "dificuldade" dos trails tem vindo a aumentar sendo que em muitas ocasiões me parece que nem parecem ser feitos para o são "convívio" dos participantes.
Beijinhos de todos os Ferreiras.

nemagiev disse...

Se fosse eu tinha-me posto no minimo aos berros no meio da mata.

Espero que isso agora esteja melhor e que a recuperação seja curta e boa.

As melhoras e lá te esperamos nas provas

Teodoro Trindade disse...

Estou impressionado com o relato Manuela. No teu lugar eu ainda "berraria" mais do que o João.

Lamento o que te aconteceu e ainda mais por ter sido a ti. Votos de rápida e completa recuperação.

Cesar Moreira disse...

Eu no meu caso, berrava mais que o João e o Teodoro juntos.... :)

Força Manuela, sabemos que vais voltar, e nós estaremos aqui à tua espera. Apesar de estares impedida de fazer umas corridas, dos convívios não te livras...

bjinhos e as melhoras

Miguel San-Payo disse...

Olá Manuela,
eu só comecei a correr depois de partir a perna num acidente de mota. Andei com uma cavilha e dois parafusos durante mais de 1 ano. E olha que não me fez mal. Descobri o prazer de correr...
Recupera rapidamente pois as corridas andam por aí.

Rute Fernandes disse...

Grande Manuela, a tua força e simpatia são uma inspiração para todos nós. As melhoras rápidas
Bjs

Joao Fialho disse...

Olá Manuela

só agora tomei conhecimento do teu "percalço"!

Como estás?

Como evoluíu?

Beijinho e rápidas melhoras!