terça-feira, 26 de março de 2013

Manuela Cruz - uma das nossas fundadoras

Caros amigos,

Eu já tinha intenção de realçar aqui o feito da nossa fundadora e  amiga Manuela Cruz, não se trata de nenhuma retribuição.

Há pessoas que têm um trajeto extraordinário e conseguem coisas que antes pensavam impossíveis: a Manuela  Cruz é um bom exemplo. Conheço a Manuela desde os primórdios do Run 4 Fun e ela sempre nos apoiou, com a sua grande simpatia. Algumas vezes participava nas caminhadas. Há relativamente pouco tempo começou a correr, pouco de cada vez, até conseguir em janeiro passado, concluir a "Corrida do Fim da Europa".

Agora concluiu  a meia maratona em menos de 3 horas o que é um feito que, sinceramente, já não me espanta pois estamos na presença de uma pessoa singular. De realçar o contributo fundamental do nosso atleta "honorário" o Paulo Fernandes, um ultra atleta que em breve fará a UTMB e que teve uma enorme paciência e capacidade de apoio para que a Manuela obtivesse estes excelentes resultados. Não há dúvida que sendo a atletismo um desporto individual, a "equipa" leva-nos a feitos quase impensáveis.
Manuela e Paulo na "viagem de retorno"
Por isso,em homenagem aos dois, não resisto a colocar aqui, o comentário que o Paulo Fernandes fez ao post anterior:

Todo o grupo R4F está de Parabéns por mais uma bela jornada desportiva!

A motivação e a energia que se transmite em plena prova aos companheiros que avançam no máximo esforço físico são Enormes e valem Ouro!
Só por isso é fantástico "também" fazer parte da família laranja...
... mas o que aqui me traz é o testemunho em primeira pessoa do grande objetivo que foi concretizado pela atleta Manuela Cruz.
O seu objetivo de baixar as 3 horas para a estreia nos 21.097 metros foi alcançado, com um tempo final de 2h53m23s a uma média de 8,21min/km.

O nosso primeiro objetivo seria o de terminar mais este desafio e conquistar a bonita medalha da meia-maratona mais bonita de Lisboa... mas queríamos mais!
Fizeram-se os treinos possíveis, com algum sangue, suor e lágrimas à mistura. Eu próprio admitia que não seria fácil baixar as 3 horas, pelo que tentei motivar para a grandiosidade da conquista da distância e não tanto para um melhor tempo final ou uma boa média.

No entanto o dia de prova correu de feição, o amanhecer trouxe um sol ameno, a bela viagem no comboio da ponte iniciou a aventura que terminou também com agradáveis viagens de comboio até ao Cais do Sodré e de Metro.
Pelo meio a enorme massa humana de Atletas e Caminheiros, as bandas de música, a espetacular passagem pelo tabuleiro superior da ponte 25 de Abril, o apoio dos elementos da organização, os Amigos que aqui e ali nos iam cumprimentando, com destaque para os companheiros Laranjinhas, fizeram com que tudo parecesse mais fácil e o desafio fosse superado como quem dá um passeio pelos jardins da avenida num final de tarde, com a enorme naturalidade e simplicidade de quem já conhece os cantos à casa, ou seja, os buracos do alcatrão e do paralelo, as táticas dos abastecimentos de água, isotónico, gel e bananas e o tique-taque de um relógio suíço no controlo das distâncias e do ritmo de prova…

O grupo R4F pode-se orgulhar de possuir mais uma atleta meio-maratonista nos seus quadros.
Pessoalmente, estou muito feliz pelo desempenho da minha Princesa!

Os objetivos servem para se alcançarem e serem superados e este foi largamente conquistado.
Venha o próximo!


Saudações Desportivas,
Paulo Fernandes


E agora..........talvez a ..............................Maratona!!????

Runabraços



segunda-feira, 25 de março de 2013

23ª Meia Maratona de Lisboa

Foi uma corrida especial para mim. Fez 20 anos desde que, em 1993, fiz  a minha primeira meia maratona, na ponte 25 de abril. E consegui, com a ajuda do Vítor Aguilar, bater o meu PBT por 6 segundos de diferença, face ao que tinha conseguido em 2009, último ano em que tinha participado.

Muito mais relevante que a minha corrida foi a grande participação dos nossos companheiros Run 4 Fun. Consegui identificar 92 atletas e provavelmente ainda me faltarão alguns. Segue a lista, por ordem alfabética, na qual estão incluídos alguns companheiros que por lesão, ou por outra razão, não puderam correr mas que não deixaram de aparecer para fotografar, apoiar ou incentivar os companheiros.

Na ponte, uma parte dos nossos companheiros - foto Nuno Marques
 Uma verdadeira chuva de PBT´s a começar pelo mais rápido, o Carlos Martins, que desta vez conseguiu chegar antes do notável Luís Matos Ferreira, o Jorge Caldeira, o Teodoro Trindade, a Patrícia Calado (que conseguiu os "boost" à borla" com uma notável "corte" de "rebocadores" liderada pelo César Moreira, a Inês Fil Forte "rebocada" pelo marido, o nosso Paulo Marcos, e muitos outros que agora não consigo recordar e a quem peço antecipadamente desculpa.

Saliência ainda para algumas estreias na meia maratona, como  o José Manuel Veiga, "rebocado" pelo filho e nosso mais jovem maratonista, o João Veiga, a Sandra Simões sempre na companhia do "padrinho" Gonçalo Fontes de Melo, a nossa querida Manuela Cruz na companhia do grande atleta, Paulo Fernandes, a Sandra Lopes Luís, que passou desde ontem, a pertencer à nossa equipa e que, na sua 1ª corrida, conseguiu fazer abaixo das 2 horas e recuperar o investimento nos "boost". A propósito de "boost" (passe a publicidade), de salientar a fantástica corrida da Cristina Marques Caldeira, que na companhia do Nuno Sentieiro Marques, conseguiu correr descalça nos últimos 10 km da prova, para acabar abaixo das 2 horas.
Depois da prova, alguns dos participantes - foto Nuno Marques

Depois das fotos, lá seguimos para casa e, cerca de trinta de nós, para um excelente almoço tardio de cozido à portuguesa, na Malveira da Serra em mais uma organização de alto nível da Patrícia Calado, a quem  agradecemos a iniciativa.

E assim se passou mais um domingo atlético ,a  que se seguirá um sábado desportivo em Constância, que mete corrida e descida de canoas no Zêzere, numa original organização dos nossos "Constantinos". A não perder.......

Runabraços

sábado, 23 de março de 2013

Maratona de Roma














No dia 17 de Março tal como milhares de outras pessoas, também eu movido por mais um desafio, rumei a Roma para participar num dos maiores eventos da cidade, a sua Maratona.
A prova deste ano dedicada ao novo Papa Francisco , teve partida e chegada na Via dei Fori Imperiali, junto ao Coliseu, um dos simbolos mais importantes da Cidade Eterna.  Os 42,195Km ofereceram aos participantes um cenário único uma vez que a cada passo cada um dos monumentos nos ía contando um pouco da sua história.

















Reconhecida desde 2011 como IAAF - Road Race Gold Label, esta prova tem vindo a receber ano após ano cada vez mais participantes nas diversas provas do dia ultrapassando já os 100.000.
Uma excelente organização a começar pelos mais de 20 camiões Tir onde de uma forma organizada cada mochila  era guardada e pendurada para que no final a distribuição por todos os atletas fosse feita de forma rápida e sem filas. Muitos e bons abastecimentos e um público que ao longo de todo o percurso não se cansava de dar apoio.
















Quanto à minha prestação, tinha como objectivo repetir as 3H48 da maratona do Porto mas não consegui.
Fiquei-me pelas 4H02 mas atendendo que não treinei como habitualmente devido a uma lesão no joelho que teima em não desaparecer e a uma gripe que me atormentou por mais de uma semana , tenho de concluir que não foi mau. Consegui fazer a primeira parte da prova em 1H55 mas o Km  27 com a sua subida quebrou-me o ritmo.
Por volta do Km 30 consegui novamente rolar a 5;31 mas aos 37 Km baixei para 6;13 e ao Km 40 já rolava a 7;07. Faltou preparação para os últimos 5 Km!
Fica para a Maratona de Lisboa baixar novamente das 4H00.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Atleta em destaque

Miguel Serradas Duarte



23out2011, primeira prova de trilhos – 20k
  


Miguel Serradas Duarte
38 anos, Fotógrafo










O Miguel é um apaixonado por corrida em trilhos, a foto não engana!! Para além de ter um sentido de humor fantástico, é um atleta de alto nível para quem os desafios são cada vez maiores. Basta ver por onde começou a correr.

      1.       Há quanto tempo corres?

O Runkeeper diz que foi a 1 de Abril de 2011. Não devo ter começado muito antes disso.

      2.       Porque corres?
Porque não ? Dediquei bastantes (e bons) anos ao vólei, mas os desportos de conjunto são demasiado rígidos em relação a horários e planos de treino. Depois de um pico de peso e de muita falta de disponibilidade física mesmo para as tarefas mais simples, decidi experimentar correr – algo que 90% dos voleibolistas abomina. É tempo que arranjo quando me dá jeito e posso, e um pretexto para estar sozinho, algo que também me faz falta.
      
      3.       Quantas vezes treinas por semana?
Normalmente 3 a 4 vezes, antes de provas mais exigentes chego aos 4 a 5 treinos semanais. Tudo muito errático e aleatório porque entre o trabalho e a família, planear o que quer que seja nem sempre é fácil.

      4.       Qual a prova que mais gostas? E a que te marcou mais?
Serra d’Arga. Estou emocionalmente ligado a ela, foi onde me estreei no trail running (2011 20k) e onde me estreei também nas distâncias superiores à maratona (2012 45k). Antes mesmo de experimentar uma maratona. Foi lá que descobri o prazer de correr na natureza e fiquei viciado. E que percebi que o nosso corpo dá sempre um bocadinho mais do que julgamos, assim a cabeça acredite. Correr na serra e preparar aqueles "empenos" é como um paradigma de vida – ser paciente, perspectivar o médio e longo prazo, e aprender a não desanimar perante os obstáculos.

      5.       Quais os teus próximos objectivos?
Sobreviver à Troika e ao desgoverno, educar os meus filhos como pessoas trabalhadoras, honestas e solidárias (e do Sporting também lhes ficava bem), comer bem e beber ainda melhor.
Desportivamente? Como diz o Grande Carlos Sá, procurar os meus limites e tentar superá-los. Rápido nunca serei, por isso resta-me perceber quantos kms é que aguenta o meu depósito. 2013 promete.

       6.       Já fizeste a Maratona? A tua opinião sobre a Maratona
A de Lisboa. Mesmo sentindo-me mais atraído pelas provas de trilhos, a maratona é um desafio muito grande e terminar a distância motivo de muita satisfação. Ainda por cima na minha cidade, de que gosto muito. E terminei a bom ritmo, sem dar por muros ou quebras muito grandes. É o tipo de prova que me vejo a repetir como pretexto para descobrir outras cidades e países, e onde acredito que o ambiente seja sempre especial.

      7.       O que é para ti o Run 4 Fun? Que benefícios retiras de pertencer ao Clube?
Os R4F são pessoas que correm por prazer e diversão, e onde a solidariedade é norma de referência. Não me canso de referir e apreciar a forma como, num grupo tão heterogéneo de homens e mulheres, os resultados de todos são celebrados. Sejam 100 milhas em montanha, ou a estreia numa caminhada de 5k. Mas só quem calça os ténis e se apresenta na linha de partida de uma prova é que pode perceber isso. É difícil para todos, e a todos atinge a euforia de terminar. Ou de pelo menos tentar.

      8.       Uma mensagem aos novos membros do Clube
Boa disposição é garantida. E temos sempre quem nos aconselhe bem e nos dê uma palavra de ânimo. Lembro-me da primeira meia maratona que corri, das cautelas com que abordei a distância e do admirado que fiquei com a minha conquista. O que evolui desde então deve-se em parte ao que aprendi com todos os membros da armada laranja, e da boa disposição e ambiente que encontro nas provas a que vou. Vale a pena, e a única coisa que é pedida é que se responda na mesma moeda. Nada mais fácil!

quarta-feira, 20 de março de 2013

Os Run 4 Fun em Badajoz


Maratona de Badajoz

A cidade de Badajoz foi fundada no ano de 875 pelos mouros e tornou-se na capital do reino de al-Batalyaws. Passou para a soberania de Leão em 1230. Foi ocupada pelos portugueses em 1386 e foi quase completamente destruída num cerco em 1705.
Hoje é um importante centro económico e tem cerca de 150.000 habitantes.


O percurso da maratona passa pela ponte de “Las Palmas” que é um dos postais da cidade. Construída no século XVI, atravessa o rio Guadiana, com os seus 32 arcos e 582 m de comprimento.


A ideia de fazer uma maratona perto de Lisboa tinha surgido no início de Fevereiro e rapidamente tomou forma. A viagem desde Lisboa demora apenas 2 horas, o que permitiu sair de Lisboa no sábado 16 de Março a seguir ao almoço e chegar a Badajoz a tempo de levantar os dorsais. Depois de uma “caña” o grupo reuniu-se todo em Elvas onde jantámos no restaurante “O Lagar” que está localizado na muralha da cidade. Foi uma agradável refeição e um bom momento de convívio.


Os Run 4 Fun estiveram na maratona com António Cruz, Miguel San-Payo, José Carlos Melo, César Moreira, Teodoro Trindade e Jorge Esteves. E também estiveram em Badajoz, a Luísa, a Guida, a Elsa e a Patrícia Esteves.


A maratona de Badajoz consiste em duas voltas num circuito que passa pelas duas margens do Guadiana. Passa por uma zona mais nova dos arredores e também passa pela zona histórica, nomeadamente a referida ponte. Não é propriamente plana mas também não será das mais difíceis.
Na partida alinharam cerca de 650 atletas, dos quais quase 200 só fizeram metade da prova, pelo que a certa altura a corrida era feita de uma forma muito solitária e a distância entre corredores era muito grande. Também o facto de os abastecimentos serem apenas de líquidos deveria ser corrigido, visto tratar-se de uma prova longa.


Quando foi dada a partida o António Cruz, o Zé Carlos e o César arrancaram rapidamente e formou-se um grupo constituído por mim, o Teodoro e o Miguel que fizemos em conjunto mais de metade da prova. A partir daí cada um foi com o seu ritmo.


A nossa ideia consistia em fazer a prova a um ritmo de treino, mas como todos sabemos a adrenalina e o entusiasmo fazem com que o ritmo facilmente seja superior ao inicialmente estimado. E claro quando a fasquia das 4h00 parece ali tão perto é difícil recusar o desafio.




No entanto o saldo desta prova é positivo: é a maratona mais perto de quem vive em Lisboa, a deslocação não é cara e o preço de inscrição foi de apenas €15. É uma opção a ter em conta.
Na parte final da prova fomos brindados por chuva intensa de forma que no final não tirámos a foto de grupo.
E claro depois da corrida foi o almoço de recuperação/comemoração/convívio que teve lugar no restaurante “A Bolota” na Terrugem perto de Elvas.


Após um retemperador repasto rumámos a Lisboa onde chegámos no final da tarde. Foi mais um bom fim-de-semana entre amigos.






segunda-feira, 18 de março de 2013

Trilhos da Arruda dos Vinhos

Arruda dos Vinhos, vista do Forte da Carvalha, foto Irene Boavida
Uma prova surpreendente.

Por caminhos, estradões, trilhos, subida a fortes, atravessamento de um rio com um caudal razoável, paisagens fantásticas, nomeadamente a que se vê do alto do Forte da Carvalha.

E sempre na companhia, muito simpática, do José Maria Conchinha, um companheiro do Clube do Stress que já tinha visto em muitas provas,  mas que ainda não tinha tido oportunidade de conhecer. Curiosamente, trabalhou numa fábrica antes chamada Sotancro, que era na mesma rua da fábrica onde tive o meu 2º emprego, na Venda Nova, na Amadora, na Rua Latino Coelho. Fomos contemporâneos, na mesma rua, no início dos anos 1980.

Forte da Carvalha, foto Irene Boavida
A Luísa estava cheia de força pelo que a deixei ir e fui aproveitando as muito interessantes histórias que o José Conchinha tinha para contar. Aqui estamos nós, no forte da Carvalha, numa foto tirada pela simpática Irene Boavida que fez a prova na companhia do marido, o Luís.






No final, tínhamos um enorme tanque no Chafariz Pombalino, datado de 1789, para lavar as pernas, os pés e os sapatos, bem no centro da simpática vila Arruda dos Vinhos em cujo concelho há paisagens fabulosas e que fica tão perto de Lisboa, mesmo ao lado de Vila Franca de Xira.


Chafariz Pombalino, 1789, no centro da Arruda dos Vinhos

O Raúl Matos e a Fernandinha também participaram nesta muito bonita e bem organizada prova, pelo Pedro Ferreira, um nosso companheiro Run 4 Fun, a  quem dou os parabéns pela qualidade da prova.  E tivemos ainda, cada um, direito a uma camisola técnica e a uma garrafa de vinho branco.

A repetir......

Runabraços

domingo, 17 de março de 2013

12 Km Salvaterra de Magos

Após alguns meses afastado das provas de estrada, decidi fazer os 12Km de Salvaterra de Magos, prova que me foi dada a conhecer pelo meu Amigo Paulo Canário, grande Triatleta com quem tenho treinado muito e que mais uma vez me acompanhou nesta viagem ao Ribatejo.

O intuito desta prova era essencialmente aferir o estado da preparação da corrida para o Ironman de Nice que se realizará a 23/06 em França.

Fizémos a viagem debaixo de uma chuva forte e constante, mas ao chegarmos a Salvaterra de Magos a chuva parou e o Sol começou a espreitar timidamente e assim se manteve durante toda a prova.


Chegámos cedo e fomos levantar os dorsais no pavilhão desportivo onde tudo estava impecavelmente organizado. Cumpridas as formalidade, fomos ao "obrigatório" café, entrámos num establecimento onde o tempo parecia ter parado...o balcão, as cadeiras, a decoração, o cartaz dos Parodiantes de Lisboa, tudo era nostálgico...estávamos na Cabana dos Parodiantes, que pertence a familiares dos saudosos Parodiantes de Lisboa, fomos mesmo atendidos pela Sobrinha de um deles que sugeriu que provássemos uma doçaria local: os Barretes, não vos digo nada...

Tinha também como objectivo encontrar e conhecer o nosso companheiro Run 4 Fun Vitor Aguilar e calculei que não fosse difícil, pois eramos os únicos dois representantes R4F. Embora haja cada vez mais t-shirts laranjas nas provas, as nossas são diferentes e foi assim que tive o prazer de encontrar e conhecer o Vitor enquanto faziamos o aquecimento, infelizmente não tirámos nenhuma foto.

A prova foi muito bem organizada, partiu a horas, o percurso estava perfeitamente indicado, o piso era maioritariamente alcantrão em muito bom estado (excepto 500m de empredado). A prova partiu no Largo do Lopes junto aos Bombeiros Voluntários, por onde passámos uma segunda vez após uma volta de 1Km na cidade e seguiu para uma zona de lezírias naturalmente plana. "Menos bom" foi o facto do percurso ser ida e volta exactamente pelo mesmo caminho, gosto sempre mais quando passamos por zonas diferentes, mas desta vez não houve monotonia, pois a paisagem era muito diversificada e as vistas muito amplas.

Do ponto de vista desportivo, a avaliar pela nossa boa disposição no final, julgo que foi uma boa prova para qualquer um dos três.

Uma última palavra para a simpatia e disponibilidade generalizadas dos Ribatejanos, mais especificamente para os "netos de D. Miguel", apelido pelo qual são conhecidos os habitantes de Salvaterra de Magos, dada a sua tendência absolutista no século XIX aquando das guerras entre absolutistas e liberais.

Uma prova a repetir sem dúvida! e se tivermos uma comitiva maior as enguias não escapam!

Runbraços

Domingo preenchido

Hoje é dia de muitas provas e de participações diversas dos Run 4 Fun:

Maratona de Badajoz
Maratona de Barcelona
Maratona de Roma
XII 12 km de Salvaterra de Magos
10º Corrida de Solidariedade ISCPSI / APAV
Ultra Trilho Paleozóico (Valongo - Serra de Santa Justa e Serra da Pia)

Espero que tenha corrido tudo bem e que depois os participantes nos contem como foi!!

Runabraços

João Ralha

PS

E se me esqueci de alguma outra prova, hoje,  com participantes Run 4 Fun, façam favor de mencionar

domingo, 10 de março de 2013

Corrida das Lezírias 2013

 
 
 
 
Na manhã do dia 10 de Março, perto de 30 atletas da equipa Run 4 Fun, sem receio de chuva ou lama,  "pegaram de caras" uma bela corrida ribatejana.
 
E, na terra do Colete Encarnado, os Laranjas tiveram a sorte dos audazes: afinal não choveu e não havia assim tanta lama.
 
Nem só os campinos cuidam do que vestem! Observem a foto que se segue e pasmem perante tanta arte no traje de algumas das nossas corredoras:
 

Fitas cor-de-laranja que coroam os cabelos, calções repletos de cores e quilometragens, meias cor-de-rosa que põem um coração nas pernas.
 
Pernas que todas e todos tiveram, diga-se.
 
Helena Telino concluiu a sua primeira prova lusitana com distância superior a 10 km.
 
Três A's (Aníbal Lopes, que comandou com 1h06,54; António Cruz; António Arede) e o Nuno Dias de Almeida fizeram menos de 1h10.
 
A também de Amélia Gonçalves (com 1h24,34). A segunda chegada feminina coube a I, Isabel Oliveira. E pouco depois foi a vez de Luísa Ralha, que ocupou o 16º lugar no respectivo escalão.
 
Mas mais importante foi o sorriso no final (captado pela máquina do incansável fotoatleta, José Carlos Melo)
 
 
 


sexta-feira, 8 de março de 2013

Atleta em destaque

Patrícia Calado


Treino em Monsanto 2012



Patrícia Calado

38 anos, Investigadora











A Patrícia  é uma das nossas grandes "aquisições", colheita 2012. Uma rapariga fantástica, sempre bem disposta, que anima qualquer corrida  com uma energia tal que contagia conhecidos e desconhecidos. Ainda por cima, grande atleta com enorme potencial, que diz que não gosta de "trails", mas que gosta muito do antes (o jantar)  e do depois (celebrar os que completam a prova). Grande sortudo, o César!! :)




1. Há quanto tempo corres?
De forma “regular”, corro desde Março de 2011, logo, há cerca de 2 anos.

2. Porque corres?
Corro porque gosto de modalidades desportivas com um forte componente cardiovascular. Porque posso correr em qualquer sítio do mundo, a qualquer hora, necessitando apenas de levar os ténis comigo. E porque correr é a melhor forma de “purgar” todos os meus problemas! Adoro correr distâncias “razoáveis”, a um ritmo confortável, enquanto tudo na minha mente se “arruma” e ganha uma nova perspectiva. Correr é a minha terapia!

3. Quantas vezes treinas por semana?
Treino várias vezes por semana, pois faço outras modalidades. Corro 2 vezes por semana.

4. Qual a prova de que  mais gostas? E a que te marcou mais?
Só participo em provas regularmente desde que me juntei ao Run 4 Fun, há um ano atrás. Desde então, a prova de que mais GOSTEI foi a Family Race, na Maratona do Porto. Foi uma prova pequena, 16 km. Mas estava um dia de sol lindíssimo, o Porto estava iluminado! E, sobretudo, viveu-se um espírito de companheirismo único no grupo, de uma enorme entreajuda e amizade. Foi uma prova que me deixou uma recordação muito feliz! É por estes momentos que vale a pena pertencer ao Run 4 Fun! No entanto, a prova que me MARCOU mais foi a primeira em que participei: o Trail Nocturno da Lagoa de Óbidos, 25 km em 2011. Eu não sabia o que era um trail.... pensava que iríamos correr em alcatrão! Acabei a prova, fiz um bom tempo, mas sofri muito! E perdi 7 unhas dos pés! J

5. Quais os teus próximos objectivos?
Neste momento não estou muito ambiciosa em termos desportivos! Só desejo não me voltar a lesionar (o último ano foi complicado)e poder participar nos treinos e provas que vão surgindo, tirando o máximo prazer da corrida e da companhia dos que correm comigo!

6. Já fizeste a maratona? A tua opinião sobre a maratona?
Não. É uma prova mítica, todos os que correm pensam em faze-la, suponho. Como costumo dizer, ainda não senti esse “chamamento”. Mas um dia, muito provavelmente, lá correrei os 42, 195 km!

7. O que é para ti o Run 4 Fun? Que benefícios tiras de pertencer ao Clube?
Actualmente, o Run 4 Fun representa para mim um grande grupo de amigos, sendo que alguns dos membros me são particularmente próximos e “especiais”. O Clube surgiu num momento chave da minha vida, foi um balão de oxigénio numa fase complicada. Para além de me ter permitido uma grande evolução em termos desportivos, o Clube trouxe-me pessoas novas, com as quais me identifico, com quem tenho interesses comuns além da corrida, e com as quais me relaciono com regularidade. Deu-me a possibilidade de aliar o desporto a um convívio salutar, que se estende às relações pessoais e familiares, proporcionando momentos de partilha excepcionais!

8. Uma mensagem aos novos membros do clube?
Corram e divirtam-se! Ou, se preferirem, Run 4 Fun!!

domingo, 3 de março de 2013

Corrida da Árvore 2013


 Às oito um quarto da manhã mais uma vez uma vez estou acordado, mas desta vez não é para ir para escola, nem para ir estudar, nem para nenhuma chatice daquelas que assolam as pessoas da minha idade. Desta vez era para ir para uma corrida, aquela que é uma das minhas preferidas, não só percurso, mas também pelo ambiente que nos envolve, no chamado “Pulmão de Lisboa”.

 A corrida estava marcada para às dez, mas eu e o meu pai chegámos por volta das nove, para podermos fazer tudo com calma (levantar dorsais, aquecer, conviver…). Depois de arrumar o carro fomos para a fila dos dorsais na esperança de termos sido os primeiros a chegar, mas já lá estava o Jorge Pinheiro com os dorsais da nossa equipa (e não só, dentro desse envelope estavam também os dorsais de 4 desconhecidos, que deram o nome Run Four Fun à sua equipa).

O vencedor da prova, Miguel Silva equipa "individual", 
terminou a prova em  33 minutos e 34 segundos.
Às dez foi a partida. Pela primeira vez não parti da frente nesta corrida, e notou-se uma maior aderência que nas edições anteriores. Até à primeira rotunda estava complicado ganhar-se algum ritmo, pois a estrada era estreita para a quantidade de pessoas e tive dificuldade em furar lá pelo meio, pelo que tive de esperar pela chegada à ponte para correr no meu passo. A partir daí já não houve mais complicações em termos de falta de espaço. Chegou a grande descida e tal como os outros corredores, tentei tirar o máximo partido dela, estando ao mesmo tempo sempre de olho no António Cruz, que era a minha grande referência para esta corrida. No entanto, após o 4ºkm perdi-o, mas não foi só a ele, as minhas pernas rebentaram nessa altura (resultado da falta de treino, para a próximo oiço o meu pai). A partir daí foram 6km numa guerra mental: paro/não paro, abrando/acelero entre muitas outras coisas que me passam pela cabeça enquanto corro. Faço questão de destacar o facto da t-shirt laranja ser sinónimo de apoio durante a corrida.

 Aos 42 minutos de corrida apercebi-me que já não ia bater o meu recorde pessoal, mas mesmo assim passei a meta com um bom tempo, 44 minutos (uma melhoria em relação à edição anterior). Após passar a meta, ainda tive direito a uma água e a uma amostra fantástica de champô, que diz ser milagroso.

No fim da prova
Com isto, foi uma prova agradável com uma temperatura quase ideal e muito ar fresco, que com a companhia dos Run 4 Fun se tornou ainda melhor. Obrigado a todos os que estiveram presentes, e a quem não foi, recomendo fortemente que participem para o ano.




Texto de Bernardo Falcão

sábado, 2 de março de 2013

Aniversariantes de Março

Os nossos atletas aniversariantes do mês de Março.


Para todos, um feliz aniversário.

E o nosso habitual bolo....