quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Correr para emagrecer? Comer para correr?

Caros amigos,

São muitas as vezes, em que em conversa com alguns corredores do club me dou conta de que muitos correm para poder comer e beber, tudo o que aparece à frente!

Eu acho sempre uma certa piada ao conceito, até certo ponto real, mas não muito correcto.
Para mim, por motivos profissionais e pelo que tenho estudado há vários anos, defendo que tanto o exercicio como a alimentação saudavel e regrada, são extremamente importantes para o controlo do peso e dos vários parametros de saúde. 

Recebi hoje um artigo que achei interessante partilhar convosco, numa tentativa de que este conceito comece a mudar, e uma vez que como se diz em bom português "santos da casa não fazem milagres"...

"O último «round» da disputa científica entre dieta e exercício físico (qual emagrece mais?) foi vencido pela mudança alimentar.

A actividade física até ajuda a perder uns quilos, mas quem está acima do peso, segundo o Ministério da Saúde brasileiro, precisa de «fechar a boca» para obter resultados, de acordo com pesquisas recentes.

Uma delas, publicada em Outubro último no Obesity Reviews, analisou os resultados de 15 trabalhos. Todos mediram o efeito de actividades físicas, como caminhada ou corrida, em pessoas que não fizeram mudanças na dieta.

As conclusões não animam. Na maioria dos estudos (que envolveram 657 pessoas e duraram de três a 64 semanas), a perda de peso foi menor do que a esperada.

«Algumas pessoas conseguem emagrecer bastante, mas, em geral, a prática de actividade física resulta numa perda de apenas dois ou três quilos», disse Timothy Church, um dos coordenadores do trabalho. Ele é médico do Centro Pennington de Pesquisa Biomédica, em Louisiana (EUA).

Se toda a actividade física causa queima energética e se para emagrecer basta ter um saldo negativo (gastar mais do que ingerir), por que é que a conta nem sempre fecha?

O trabalho de Church levanta algumas hipóteses. Segundo a principal delas, quem faz exercício acaba por compensar a perda de calorias comendo mais. Isso aconteceu em pelo menos dois artigos analisados.

«Não sabemos por que isso ocorre, estamos a estudar melhor agora», afirma.

Para o médico do exercício Marcelo Leitão, da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Desporto, é comum as pessoas sobrestimarem os efeitos da actividade física.

«As pessoas têm uma noção errada de que se fazem exercícios podem comer o que quiserem. Se fizer uma hora de actividade e depois beber uma cerveja, já recuperou o que perdeu.»

Para gastar 500 calorias (meta diária de quem quer perder meio quilo por semana) é preciso fazer uma hora de actividade de alto impacto, como uma aula de jump. O esforço pode ser «estragado» apenas com duas fatias de pizza.

«Uma hora de caminhada por dia muda indicadores de saúde, mas não necessariamente faz perder peso», acrescenta Leitão.

«É muito mais fácil cortar calorias do que gastar. As dietas, em geral, têm excesso de calorias», afirma Julio Tirapegui, bioquímico e investigador da Universidade de São Paulo.

Uma pessoa com excesso de peso pode consumir mais de 3.000 calorias por dia e um obeso chega a 5.000, segundo o médico argentino Máximo Ravenna, autor de «A Teia de Aranha Alimentar». «Não há como compensar isso com exercício. É preciso reduzir pelo menos 40% da ingestão de alimentos.»

Outro ponto a considerar é que o gasto de energia resultante do exercício não é exacto: varia segundo o condicionamento físico e as características pessoais (altura, peso, idade). Na dieta, dá para fazer as contas com precisão e cortar calorias."

6 comentários:

Joao Fialho disse...

Obrigado Inês pelo interessante artigo!

Muito pertinente!

Nuno Sentieiro Marques disse...

Obrigado Inês pela partilha.

Sou seguramente daqueles que mais "peca" nesta matéria.

Sei o que devo fazer, como devo fazer e o que ingerir, quer em quantidade quer em qualidade....

O meu problema Inês é meramente de controlo mental...não consigo controlar a alimentação.
Força de vontade? estado de espirito? tensão e pressão do dia a dia?

Enfim, diria que como na corrida, desculpas para fazer asneiradas a comer posso arranjar muitas, motivos para controlar a alimentação basta um...querer.
É fácil de dizer, mas não é assim tão fácil a aplicar, mas lá chegarei.

Runabraços

José Carlos Melo disse...

Interessante artigo Inês.
Bem difícil é concretizar de forma continuada. Para além da tomada de consciência, é precisa muita força de vontade.
Com as devidas diferenças, é como deixar de fumar, não basta querer.

Muito Cuidado agora no período festivo que se avizinha.

Nutricionista Inês Gil Forte disse...

Nuno...
Penso que muitas vezes o apoio externo é muito importante...e aqui nao falo do apoio ao pais...esse deixa-nos mais magros...mas de pessoas que nos rodeiam...
Zé Carlos, tu és um grande exemplo do que aqui é tratado...caso para dizer...quem te viu e quem te vê...

Pequeno esforços por vezes fazem maravilhas!

Sandro Pinto disse...

Eu revejo-me mais no grupo de pessoas que para correr necessita de comer :) ou um dia destes ainda "corro" o risco de desaparecer...

João Ralha disse...

Obrigado Inês, pela boa informação.

Pois é! Exercício dá fome.

Emagrecer, dá-me ideia que só se consegue com controlo. E há uma maneira muito simples de controlar, pesar-se todos os dias. É o que eu faço, seguindo o exemplo do António Cruz, o nosso famoso "46".

Ele é que pode dar uma contribuição com o seu caso pessoal, que considero extraordinário. Agora anda numa de "Paleo Food", com bons
resultados.

Informem-se!!!!

Runabraços