sábado, 29 de dezembro de 2012

A ultra maratona e o corredor...desafio?obstinação?

"Vómito, alucinações, sangue...Porque será que alguém no seu perfeito juízo correrá a Spartathlon?"

(The Economist, December 22, 2012)

De Atenas a Esparta, 245 km (sim, quase seis maratonas consecutivas...) em 36 horas (tempo máximo).

Nas pegadas do mais famoso maratonista da História, Filipíades, que no ano 490 A.C. fez a viagem, correndo desde Atenas, para ir solicitar ajuda aos Espartanos visando combater os persas. Conta o historiador Herodotus que o nosso primeiro maratonista da História terá chegado a Esparta no dia seguinte ao ter saído de Atenas.

A Spartathon moderna começa por iniciativa de John Foden, um oficial da Força Aérea Britânica e um corredor amador de longas distâncias. Depois de ter feito a distância em 1982 com quatro outros amigos, lançou-se na empreitada de organizar a primeira prova da era moderna, em 1983.

Trinta e seis horas de tempo máximo...com setenta e cinco pontos de fiscalização ao longo do percurso, cada um deles com um tempo limite....

Trezentos e dez atletas iniciaram a prova este ano...menos de 100 acabaram...a distância, o calor grego (sem Setembro) durante o dia, a quebra abrupta de temperatura durante a noite, uma ultrapassagem de montanha com mais de 1.200 metros de altitude, em plena noite...e acima de tudo o relógio e os míticos 75 pontos de "controlo"...

Para todos os que vão a Ronda ou a Portalegre este ano, testar as suas capacidades mentais e físicas, em 100 km, aqui fica um repto...

Runbraços
Paulo Marcos

4 comentários:

José Carlos Melo disse...

É uma autentica Odisseia.
Para quem tiver condições, também existe o Tor
de Geants, 330 km nos Alpes.

JCM

Nuno Sentieiro Marques disse...

Brutal.

Obrigado pela partilha Paulo...quem sabe um dia :)

Runabraços

Paulo Marcos disse...

Quem sabe, Nuno, quem sabe...!

José Carlos, prometo publicar sobre Badwater...e uma outra no Tennessee que também é fantástica!

João Ralha disse...

E existe uma nos Himalaias com 800 km, em altitudes acima de 3.000 m.

Mas isso são extremos! É preciso ir com calma, um degrau de cada vez e certamente que algum um dia teremos um ou mais nossos companheiros numa dessas provas, ultra difíceis.

Runabraços