terça-feira, 20 de novembro de 2012

Maratona Divina Pastora Valência


Porquê Valência? Talvez por influência de recordações, mas as imagens da prova ajudaram muito, e foi uma boa escolha esta cidade mediterrânica. O dispositivo logístico da prova está centrado na bonita e moderna Cidade da Ciências e das Artes construída recentemente sobre o antigo leito do rio Turia. Foi uma decisão estratégica muito bem sucedida, Valência desviou o rio que desde sempre passou pelo centro da cidade e no seu leito e margens estão hoje espaços de qualidade para exercício físico e lazer.

Na véspera, a ExpoDeporte no Museu das Ciências, estava bem composta com expositores e atividades, quase todos de Espanha. Após levantar o dorsal "Valiente" nº 2295, levantei a bolsa com a t-shirt "Correr es de valientes" no Hemisférico. De tarde, a Paella Party, em vez da tradicional massa, aqui era o prato tradicional da cozinha valenciana, quase todo arroz, e as clementinas valencianas.
Muito bem organizado, logística e divulgação, incluindo 1 revista de 16 páginas com as "Últimas instruções".

Prova praticamente plana (só se notam 2 túneis rodoviários), em Valência é fácil obter um percurso plano. Muito participada, esta Maratona é uma das maiores da Península Ibérica, com 9200 inscritos e quase 8000 finalistas. Cerca de 1500 participantes finhishers estrangeiros de 47 países, dos quais 29 portugueses.
Em paralelo decorria a prova de cadeiras de rodas e a corrida de 10 kms.
Particularidade organizativa: A Maratona e a prova de 10kms eram simultâneas, fazendo percursos próximos, mas os participantes nunca se misturavam. Ao longo do percurso, fora das zonas centrais, haviam poucos apoiantes, mas as zonas centrais estavam cheias de apoiantes, incluindo muitos estrangeiros que se deslocaram a Valência.
Felizmente, a meteo enganou-se. Previa todo o fim de semana de chuva. Esteve enevoado, mas não choveu quase nada.

Imediatamente antes da partida, assisti a uma coisa fora do vulgar: 1 minuto antes da Maratona, partiu a prova de cadeira de rodas. Passado algum tempo, começamos todos a correr. A organização percebeu que havia algo errado, e anunciou que não valia, era falsa partida geral. Pediu a todos para voltarem para trás para o ponto da partida, umas dezenas de metros.Se virem bem, fazer retroceder aquela gente toda foi uma coisa nada fácil, mas lá voltou ao normal. Passados uns 8 minutos, foi então a partida oficial das provas.

A minha corrida foi feita sem stress, dada a minha instabilidade física e ausência de treino (nas últimas semanas só treinei no Monte Trapalhão e fiz a Nazaré), fui a monitorizar o corpo com calma até ao km 10, depois moderado e sempre atento aos joelhos e pés até ao km 30.
Entretanto passamos pelo centro histórico, do antigo Reino de Valência.
A meio da prova, não gostei de cerca de 1/2 km de transito não cortado que fluía na mesma faixa, ao nosso lado.
Bons abastecimentos de 5 em 5 km, incluindo gel "GU" nos kms 20 e 30. Muitos pontos de animação. Seja com música, seja com percussões, percebi que boa parte dos grupos são das "Comissões Falleras" (da famosa festa tradicional valenciana).
Cerca do km 27, uma parte espetacular: Corremos por túneis rodoviários cheios de música, mais parecia uma discoteca. Na parte final da Maratona sentia-me muito bem. Seria aquilo que desse, mas já dava pra muito pouco.

Os últimos 2 kms a parte mais bonita do percurso: A quantidade de apoiantes, o moderno percurso no antigo leito do rio, pelo interior da Cidade das Artes e Ciências, com os lagos e as pessoas. A reta final no estrado de madeira montado para esta prova sobre o lago em frente ao Museu das Ciências até à Meta.
Depois as lembranças, cevejinha e água do mar (sim! água do mar para repor os sais...), haviam massagens mas muito concorridas e puffs p/ descansar. Encontrar companheiros portugueses.

E as recordações que ficam desta bela Maratona.

RunAbraços.

5 comentários:

Nuno Sentieiro Marques disse...

Mais uma grande aventura Zé Carlos.

Obrigado por mais um fantástico texto e parabéns por mais uma grande conquista.

Deve ter sido mais uma experiência única, a juntar ás muitas com que nos tens brindado.

Fiquei muito curioso, de como se consegue em apenas 8 minutos, voltar a colocar toda aquela massa humana na linha de partida :-) .

Runabraço

Ndda disse...

Parabéns Grande Melo!

O mais Imparável corredor que conheço.

Muito obrigado pelo texto e pela detalhada experiência.

Este ano foram 4 Maratonas em Espanha ? Só mesmo ao alcance de um enorme atleta...

Orgulho de ser laranja.

E o tempo?

RunAbraço,
NDA

José Carlos Melo disse...

Obrigado. O tempo não foi nada especial, cerca de 3:28, o mais importante é que correu bem.

João Ralha disse...

José Carlos Melo,

Nada de especial, 3:28. Há um ano, na Maratona de Lisboa, estavas tão contente com 3:30 de tal modo que até mandaste parte da bebida que tinhas na mão, em comemoração, para cima de umas quantas pessoas que estavam ao teu lado!! Como o tempo muda a nossa perceção das coisas!!

Parabéns por mais uma Maratona e pelo belo relato

Runabraço

Miguel San-Payo disse...

Parabéns
mais um grande resultado.