terça-feira, 12 de junho de 2012

6ª Meia Maratona Figueira da Foz

10 de Junho. Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas e que até à revolução do 25 de Abril de 1974 era celebrado como o dia da raça. Foi a 10 de Junho de 1580 que morreu Luís Vaz de Camões, e foi a 10 de Junho de 2012 que se realizou a 6ª Meia Maratona da Figueira da Foz.
O percurso era anunciado como uma meia maratona da praxe, com 21,0975 Kms mas… parece que tinha 21,8 Kms. Todos os atletas com GPS tinham medido distâncias desta natureza. O meu Android / Adidas Micoach mediu 21,89 Kms e os garmin dos outros R4F mediram cerca de 21,8 Kms. No site do Facebook desta Meia Maratona existem muitas queixas desta natureza. Alguns mediram 22 Kms!!!
Posto isto, caros atletas que fizeram esta prova, não fiquem tristes porque pioraram os tempos. Fiquem contentes porque correram mais pelo mesmo preço.
Falando da corrida propriamente dita, começou com uma chuvinha refrescante até cerca do Km 7 e a partir daí não choveu mas o céu permaneceu encoberto até ao fim. Depois, sim, o sol brilhou. Quando íamos em direcção ao Norte apanhávamos um vento frontal refrescante que nos atrasava ligeiramente e quando vínhamos em direcção ao Sul, e como corríamos com à mesma velocidade do vento, não o sentíamos pelas costas mas sim um calor que incomodava ligeiramente.
De cada vez que passávamos uns pelos outros saudávamo-nos efusivamente causando temor e perturbação na concorrência. Que pensariam eles? “Que atletas estes que gritam quando quase não respiramos”? E tivemos muitas oportunidades para isso, como o percurso era de 2 voltas ainda passámos 3 vezes uns pelos outros.
Como parágrafo pessoal deste post, fiz uma prova de trás para frente. Fui dos últimos a partir juntamente com o Nuno Simão, e ao Km 7 apanhámos o Pedro. Coloquei-me como lebre a puxar pelos 2. Sempre a um ritmo entre os 5:15 a 5:30 por Km o que daria um tempo final bem abaixo das 2:00:00. O Nuno não aguentou o ritmo e ficou para trás no Km 10. Fui com o Pedro até ao Km 16 e a partir daí fui-me embora. No final fui apanhado muito “simpaticamente” por um atleta de quem tinha ido à boleia durante alguns Kms e resolvemos fazer os últimos 300 metros ao ritmo de 3:15 por Km, só para ultrapassar dois outros que estavam a cerca de metade da distância meta. Alucinante! Nem nas séries faço isto. Só estou à espera dos vídeos da prova. Mal o cameraman se apercebeu do nosso sprint final começou a filmar tudo.
Quanto à melhor equipa de atletismo do mundo, e arredores, fez-se representar por 6 fantásticos atletas e 1 “convidado”, também fantástico. Por ordem de tempos oficiais, foram eles:
127 – José Carlos Melo 1:42:24
149 – Miguel San-Payo 1:44:27
155 – Ana Groznik 1:44:42 (4ª das mulheres)
210 – Manuel Romano 1:51:31
256 – Paulo Raposo 1:57:16
286 – Pedro Silva 2:01:25
323 – Nuno Simão 2:10:59 (o “convidado”)
Como referência para a posteridade, terminaram esta prova 369 atletas, o primeiro classificado fez 1:14:42 e o último 3:02:12.
No final havia balneários para quem quisesse tomar banho e recebemos os prémios que foram uma t-shirt, uma sacola, uma medalha, uma laranja e uma garrafa de água. Só não tirei foto à garrafa de água porque o meu organismo implorava por líquidos mal terminei a prova tal foi o esforço nos últimos metros.
Mas pensam que a história terminou por aqui? A da corrida sim, mas a da boa disposição continuou.
Consegui convencer o pessoal que foi comigo no carro a não irem para casa sem primeiro passarem no arraial da recriação da Praça da Figueira que se estava a passar em Aruil (Vá lá! Vão à procura no Google Maps onde fica esta aldeia).
Começamos com caracóis cozidos, muito bem temperados, acompanhados por imperiais e minis. A Ana levada pela festa desatou a tirar fotografias a tudo! E chamou logo a atenção. De notar que esta festita é mais para o pessoal da terra, e quando aparece alguém de fora com o ar dela (manifestamente não portuguesa) a tirar fotos, dá logo nas vistas. Ainda lhe perguntaram se “É americana?”. Tinham uma pequena percentagem de razão.
O José Carlos arriscou-se a ficar com um leitão, pelo menos andou a comprar rifas para isso, mas falta a foto do dito. Ainda tentamos fotografá-lo mas já tinha saído a outro. Ainda falámos com a organização para ir buscar outro leitão, ao qual acederam prontamente, mas a cerveja no sangue em conjunto com a vontade dos porcos fugirem não ajudou em nada. Os organizadores sofreram quedas e nódoas negras sem bons resultados. Foi pena, porque um leitão era tudo o que o José Carlos precisava.
Terminámos o dia a ver o jogo do Euro 2012 Espanha vs. Itália, em que terminou 1-1. Em simultâneo, a Ana estreou-se no maravilhoso paladar da caracoleta assada. Resta saber se aquele molho de mostarda, alho e manteiga não lhe deu a volta à barriga.

Conclusão: uma prova engraçada, mas não a façam passar várias vezes no mesmo sítio. Torna-se cansativo. E como dizia o Pedro, o nosso representante na Figueira da Foz, têm uma ponte tão linda ali ao lado a pedir para ser atravessada a correr! Fica o repto.
Runabraços
Paulo Raposo

8 comentários:

João Ralha disse...

Paulo Raposo,

Que divertido relato. Parabéns a todos pela participação.

Fico com "água na boca" pelas caracoletas que estão nessa "apetitosa" foto.

Runabraços

Nuno Sentieiro Marques disse...

Grande Paulo belo relato.

Esta era das provas que tinha planeado fazer este ano...mas o aniversário dos 73 anos do meu pai, são obvimente prioritários.

Parabéns a todos, belissimas performances.

E depois...depois lá vem a habitual "diferença", animação, diversão, convivio...é o espirito R4F no seu melhor.

Sábado lá estaremos por Oeiras.
Runabraços

Manuel Romano disse...

Excelente relato Paulo. A julgar pelo que acabo de ver, perdi o melhor! Não vos acompanhei porque fui almoçar com a minha mãe a Vieira de Leiria, cerca de 50 Km do local da prova, fica para a próxima!

anci disse...

It was a great day, thank you all for the company! I decided to do this half marathon in the last moment, but was thinking about it since Filipa told me she was registered because I like Figueira da Foz and its north cost very much – unfortunately Filipa was not able to participate, but thank you for the idea :-))
I did not mind the rain and the wind – running against the wind even gives me a false powerful feeling of super speed through the air, almost flying. I only learned about the two loops course there in the morning, and I admit that I was a little disappointed about that – I am glad I did not know about that before because probably I would have not decided to participate. But constantly meeting known faces and observing other runners was actually very interesting and fun – I had so much respect for the fastest ones but admired those at the end just as much.
The afternoon was unforgettable, thank you, Paulo, for inviting us. I hope the “Americana” did not embarrass you too much, she definitively liked caracois e caracolada - and besides food and beer enjoyed very much the whole indescribable atmosphere of the event...

Paulo Raposo disse...

E pronto, é oficial: a prova teve mais 800 metros.

"Em relação ao que é evidente e que tem que ver com a distância da prova, esse é um erro que de facto existiu. A meia maratona, este ano, teve de facto uma distância a mais que poderá ter chegado aos 800 metros. Pelo facto pedimos as nossas desculpas. Detectámos isso na madrugada de domingo, mas pensámos inicialmente que seria um erro do GPS que estava a ser utilizado."
Fonte: site oficial no Facebook.

Sendo assim, fiz PBT!!
Devo ter feito 21,1 Kms em 1:53:00

Orlando Ferreira disse...

Muito bom Paulo e restantes R4F.
Gostei particularmente da parte do: "...não fiquem tristes porque pioraram os tempos. Fiquem contentes porque correram mais pelo mesmo preço..."
Estive a ver e Aruil só fica a uns "míseros" 12Kms de minha casa. Qualquer dia combinamos e vou ter contigo para fazermos uma corridinha por essas bandas.

Paulo Marcos disse...

Gostei do relato, do pormenor de correr mais distância pelo mesmo preço! Da prosa inspirada, do relato, do enquadramento histórico, tudo!
E claro que com uma máquina em punho, a Ana era claramente uma agente estrangeira infiltrada em busca dos segredos da Meia Maratona da Figueira!

afca disse...

uma boa prestação e excelente relato mesmo com o que de desagrado, que subscrevo, se passou...ainda assim não deixem de estar presentes no próximo ano, saudações!