terça-feira, 22 de maio de 2012

Maratona Copenhaga 20.05.2012



Com 14.000 participantes a maratona de Copenhaga apresenta como grande vantagem o facto de não colocar qualquer restrição ao número de participantes, i.e. é possível chegar na véspera, pagar a inscrição e levantar um dorsal. Foi assim que fiz. Tinha baterias apontadas para Edimburgo (27.05.2012), mas as inscrições tinham fechado há algumas semanas.

Na véspera do dia da maratona, sábado, esteve um dia fantástico para correr. Tempo fresco e nublado com máxima de 14ºC, uma brisa fria de norte, e alguma (pouca) chuva.

No dia seguinte nada disso aconteceu. O dia acordou claro, o sol estava forte, não havia pinga de vento e a temperatura subiu aos 25ºC. Nem parecia que estávamos na Dinamarca.

Depois do acidente do passado mês de Março em que fracturei o osso rádio nos dois antebraços, não consegui recuperar a forma com que estava para a Maratona de Barcelona onde queria ter participado, não fosse o malogrado acontecimento.

Mesmo assim sentia um apelo enorme em participar na grande festa que é correr uma maratona com a dimensão da de Copenhaga. Via o Verão a chegar, a época a acabar e esse desejo a gorar-se.

Mesmo sem estar em forma decidi avançar. Marquei voos e hotel e reservei uma horita do sábado 19.05.2012 para ir à Feira da Maratona inscrever-me e pagar a propina (90€).

Tinha-vos dito em ‘post’ anterior no FB que seria provável ficar-me pela meia-maratona. Sabia perfeitamente da minha impreparação, que provavelmente não aguentaria correr os 42K, mas havia uma frase dita por um colega nosso espanhol (atleta ocasional de maratonas) que faz parte dos meus conhecimentos profissionais que dizia mais ou menos isto “Medias son para los piés”.

Dito isto, chegámos às 09:30 do dia D. A essa hora já estava calor e antevia-se um domingo de muito sofrimento. Estava determinado a fazer os 42K, mesmo sabendo que só dificilmente os faria sempre a correr.

Cheguei à partida e lá estavam milhares como eu, ansiosos pelo tiro da partida.



Juntei-me aos pacemakers das 4:00. Decisão ambiciosa dada a minha condição. Havia mais de 2.000 corredores agrupados junto aos pacemakers das 4:00. Era o maior grupo (para terem uma ideia a maratona do Porto toda são 1.500 participantes). Só pacemakers com balão das 4:00 eram para aí uma dúzia e colocavam-se no princípio e no fim do grupo (ninguém escapava às palavras de incentivo dos pacemakers).

Havia pacemakers de 10 em 10 minutos desde as 3:30 até às 4:30. Ou seja, atrás do grupo das 4:00 ainda havia o grupo das 4:10 e depois o das 4:20 e depois o das 4:30…..

O grupo das 4:00 partiu rápido com os primeiros 5km a serem corridos ligeiramente acima de 5’30’’ (5’32’’ marcava o meu GPS). Cedo percebi que não aguentaria o grupo das 4:00 e quando passei os 18K decidi abrandar para ritmos mais lentos. Corria a 5’45’’ por essa altura e comecei a ver os balões das 4:00 a afastarem-se.

Aos 30K o calor trouxe ao de cima a minha impreparação e entrei em run/walk. Caminhava 3min e corria 4min para fazer aproximadamente 1km a cada 7min.

Logo depois passou por mim o balão das 4:10 e eu nem esbocei qualquer tentativa de os acompanhar. Faltavam-me claramente pernas. Estava bem do ponto de vista cardio-respiratório, mas as pernas pesavam chumbo.

Ao longo do percurso o calor fazia imensos estragos nos escandinavos. Caiam que nem tordos e só espero que não tenha havido problemas graves. Por todo o lado ouviam-se ambulâncias em auxílio dos que não aguentavam aquelas temperaturas.

Ao 38K vejo aproximar-se o grupo das 4:20 e pensei que seria a minha oportunidade para seguir até à meta. Acompanhei o grupo mais 1,5k e depois abrandei ligeiramente. Nos últimos 700/800m ainda tentei sprintar para os apanhar, mas nada. Cheguei com 4:22.

Incrível apoio popular. As ruas estavam cheias de pessoas a incentivar todos os corredores, mesmo os mais atrasados. No último km o apoio era tanto que corríamos num estreito carreiro que não devia ter mais que 3m de largura ladeados por milhares de pessoas que gritavam palavras de incentivo. Arrepiante! Estava de rastos mas o último km fi-lo em 5’20’’ (o mais rápido de toda a prova).

Grande participação feminina e de grande qualidade ;-). Relativamente poucos corredores do sul da Europa. Alguns italianos, quase nenhuns espanhóis e, que eu tivesse visto, nenhum português. Muitos suecos, bastantes alemães, os ingleses marcaram presença assim como os noruegueses.

Uma grande maratona numa cidade fantástica que merece um fim-de-semana de passeio.

Um dia de festa inesquecível e muito, muito FUN nesta corrida. Acabei por sofrer pouco porque não tive 'cabedal' para mais.

Uma última dica: tal como alguns de vós eu suo muito durante as provas. Se tiver calor então suo imenso. Com o suor perco muitos sais. Com essa perda de sais acontece um fenómeno chamado hiponatremia. Com a falta de sais o sistema nervoso deixa de conseguir comunicar com as células musculares e daí as dolorosas cãibras. Outra consequência da hiponatremia é a incapacidade de absorver líquidos. Já vos deve ter acontecido beberem muito durante a maratona e ficarem com a barriga cheia de água e continuarem com sede. Isto acontece porque o corpo não consegue absorver mais líquidos que não contenham sais, i.e. que não contribuam para a recuperação do balanço electrolítico. Uma das formas de resolver isto é ingerir sal durante a prova e há quem o faça. Outra é tomar um comprimido de potássio e outro de magnésio todos os dias na última semana antes da prova. Na maratona do Porto até cãibras nos braços eu tive. Nesta faltaram-me as forças para correr, mas cãibras nem as vi. O potássio e o magnésio foram comprados numa vulgar loja de produtos dietéticos.

11 comentários:

Joao Fialho disse...

Muitos parabéns Luís, por mais esta maratona!

Tu demonstras que no que depender apenas de ti, basta quereres e serás um vencedor!

Obrigado Luís pelo teu testemunho, e pelo útil conselho.

Nuno Sentieiro Marques disse...

Belo relato Luis.

É bom ver-te sem gesso, é bom ter-te de volta :).

Obrigado pela partilha e muitos parabens.

Runabraços

Orlando Ferreira disse...

Parabéns Luís.
Mesmo com ausência ou menor quantidade/qualidade de treinos achamos sempre que no dia D conseguimo-nos superar. O importante é que conseguiste... e já podes escrever mais uma linha na camisola.

João Ralha disse...

Parabéns Luís,

Escolheste uma Maratona numa cidade muito bonita e com um ambiente fantástico. Os "pacemakers" são do melhor que já vi. Um entusiasmo e uma animação enormes...cheios de FUN.

Os 25º foram obra, quando nós aí estivemos em 2010 estavam para aí uns 15º.

Mas o que interessa é chegar ao fim em boas condições, o que conseguiste.

Para o ano, aconselho-te Estocolmo. Mas aí terás que reservar com antecedência pois as inscrições e os hotéis esgotam vários meses antes. Aproveita, se puderes, para passares uma semana. Um fim de semana é pouco.

Runabraços

Francisco Sanches Osório disse...

Amigo Luis,

Muitos parabéns por teres vencido mais um desafio! E duas maratonas já estão feitas...

Admiro a tua vontade de ir mais longe e de te superares apesar de reconheceres que não estavas preparado, foste lá. Muitos, nas mesmas condições, ficavam em casa!!

Grande abraço e até breve em Cascais ou em Luanda é sempre um prazer correr na tua companhia!

Ana Lúcia do Vale disse...

Muitos Parabéns Luis!

Depois de todo ocorrido.. admiro tua força!!
quando fores correr por cascais apita!!
Vou providênciar repelentes para cães :)

Grande abraço!
Ana Lúcia

Miguel San-Payo disse...

Parabéns,

agora já és um MARATONISTA (duas ou mais Maratonas)

RunAbraços

Miguel San-Payo disse...

Parabéns,

agora já és um MARATONISTA (duas ou mais Maratonas)

RunAbraços

Ndda disse...

Parabéns Luis,

Grande feito com muito querer...

'No pain no gain...' - mostras-te a raça lusitana.

Ainda bem que andas por Luanda, sempre tens uma preparação melhor ao calor.

Com calor é essencial a gestão da prova e demonstras-te inteligência.

Até á proxima...

RunAbraço,
NDA

Teodoro Trindade disse...

Parabéns Luis, bela vitória.

Muito obrigado pelo Relato e também pela Dica. É sempre bom saber (e partilhar) estas coisas.

Abraço

Jorge Duarte Pinheiro disse...

Grande Luís! Levantado do chão, após aquela quebra de membros superiores,e a ocupar um lugar consolidado de maratonista. Parabéns!
Runabraços