quarta-feira, 21 de março de 2012

I Trail de Penafirme - Estreia no Trail running

Andava num sobressalto para correr um Trail. Sempre achei que, nesta coisa do correr, os trails representam a vertente mais pura da corrida, a da verdadeira comunhão com a natureza ou o que resta dela. Ainda assim, hesitei imenso antes de me inscrever nos 30 kms do I Trail de Penafirme, por duas razoes: a falta de experiência e o facto de me encontrar na fase final do treino para a minha primeira maratona. Mesmo assim, inscrevi-me, motivado pelos relatos que ouvira, bem como pelo treino de força e de foco mental que tal prova traria.

Acordei cedo e, devidamente equipado, apresentei-me no local de partida onde me juntei aos restantes companheiros do Run 4 Fun, divididos pelo Trail de 30 kms, o Mini-Trail de 12 kms ou a caminhada, na qual participaram membros da família dos corredores. O dia apresentava-se bonito, com uma brisa ligeira, algumas nuvens e óptima temperatura. Primeira decisão: não iria correr com o camelback, pois a organização previa quatro abastecimentos no percurso. Alem disso, os companheiros com experiência na matéria foram peremptórios: não era necessário. Um alivio, pois correr com aquele apêndice é um incomodo, ainda por cima com água a saber a plástico...

As 9:30 partimos do centro hipico em bom ritmo, direitos a arriba sobre o mar, nas cercanias do Hotel Golfmar. Pouco depois o grupo separou-se, e aí senti que se iniciava o teste!

O percurso da prova, desenhado na orla marítima e zonas circundantes, era de uma beleza rara. Desde trilhos em cascalho e em terra batida, desde pequenos bosques e zona de dunas, alem de vista fabulosas sobre o mar, tinha umas subidas valentes. Os single track, no meio da vegetação e pequenas rochas, eram um permanente desafio. O meu objectivo era de imprimir um ritmo vivo, mas prudente. Não me podia lesionar. Deste modo, passei os 10 kms com 1 hora e picos.
Depois, resolvi gozar o momento. Os mais puristas que me perdoem, mas apesar de levar o garmin, esqueci-me de desligar o auto pause e só tenho o tempo do que efectivamente corri. Nas rampas, embora em movimento, o relógio parava, pois subia na vertical! Tambem fiz quatro paragens nos abastecimentos, para beber (muita) agua e comer um pouco de fruta.

Ao arrancar novamente, a barriga parecia um camelback, a chocalhar. O ultimo era particularmente bonito, nas ruínas de um convento. De resto, adorei a experiência. Correr por montes, vales, quintais de casas, veredas e bosques é extraordinário. Todos os nossos sentidos estão alerta, e ouvimos o som da nossa respiração, dos nossos passos e de quem nos acompanha. Nada como o cheiro a terra, a rosmaninho ou a mar para nos motivar. Ate gostei do cheiro a bosta de animais!
Quanto à prova em si, e entretido com isto tudo, correu muito bem ate ao km. 20. Seguia muito concentrado e focado, sempre a ver onde punha os pés. Nessa altura, ja ia acompanhado pelo Nuno Tempera, e seguimos juntos ate ao final. O seu apoio foi fundamental para ultrapassar os momentos de cansaço extremo e a corrida em areia nos ultimos kms, que foi um verdadeiro massacre. Depois de uma breve paragem para tirar os kilos de areia que tínhamos nos ténis, corremos em bom ritmo ate ao final, com passagem pela praia de Porto Novo, antes da entrada no centro hípico, para a volta de consagração. Foi muito giro, pois alguém chamava o Nuno para
o almoço no microfone. Rimo-nos e até nos esquecemos das pernas, que já diziam basta.

Malcheiroso e cansado, cortei a meta por volta da uma da tarde. Tinha 3:08m no garmin, mas lembrem- se que ele parava quando o dono maçarico parava. Como diz o outro, é só fazer as contas.

Seguiu-se um almoço no hotel, acompanhado da minha mulher e deste fantástico grupo que tanto corre e apoia. Uma palavra para a organização, com reabastecimentos muito razoáveis, percurso bem sinalizado e lindíssimo!

Agora, segue-se uma maratona e ate breve no próximo Trail. Run for Fun!
Abraços.

Gonçalo Fontes de Melo
março de 2012

PS

"post" colocado a pedido do Gonçalo

4 comentários:

Jorge Duarte Pinheiro disse...

Parabéns, Gonçalo, pela prova e pelo relato! E, de facto, pelo que percebi dos meus apenas 12 km, é uma prova que apela a todos os sentidos. Runabraços

Orlando Ferreira disse...

Bela estreia Gonçalo. Parabéns!
O cheiro de bosta era realmente muito, muito intenso... mas daí até gostar...

Nuno Sentieiro Marques disse...

Parabéns Gonçalo, grande estreia nos Trilhos e uma vez mais a prometer uma fantástica Maratona em Madrid...vai ser fenomenal.

Isto realmente dos trilhos, tem outro "cheiro" :).
E o relato está Runtástico.

Parabéns a todos uma vez mais, pela diversão, esforço, coragem´, partilha, apoio e por aí fora...

Runabraços

Nota : a foto com o tipo das "Tainhas" ao lado era evitavel....terias seguramente muitas mais opções, qualquer uma delas mais interesante :)

Teodoro Trindade disse...

Parabéns Gonçalo, foi uma estreia de grande nível. Fico muito contente por teres gostado.

Na verdade quase tudo decorreu pelo melhor. Excepto talvez a prolongada espera pelos mais lentos (são as desvantagens de quem está em boa forma física, hehehe).

Quero deixar um cumprimento especial aos meus companheiros de prova Jorge Paulo e Jorge Cancela. E um grande abraço ao João Veiga que valentemente se aguentou até ao fim. Bravo.

Muito obrigado a todos pela simpatia e espirito solidário. Sem dúvida que com a vossa presença os trilhos nunca mais serão os mesmos.

Até Almourol.


Aqui
está o link para algumas fotos que tirei durante a prova.