quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Run 4 Fun tem perfil no G+

Tinha que ser....estava na calha...só faltava esta.... Agora o Run 4 Fun tem uma presença no G+, a rede social do Google.

E com uma excelente integração quer com o Picasa quer com este blogue, a nossa comunicação vai ser mais fácil!
https://plus.google.com/u/0/108109105383203840720/about Ligue-se!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

domingo, 27 de novembro de 2011

VI Grande Prémio da Arrábida 27/11/2011


Nesta soalheira e belíssima manhã de domingo a armada R4F avançou sobre Setúbal para o VI Grande Prémio da Arrábida. Cerca de uma trintena de representantes entre os 12,5 km da corrida e os 7 da caminhada.

Dada a partida, Luís "Lebre" Ferreira disparou e só se voltou a por-lhe a vista em cima já depois da meta. Atrás dele, o omnipresente Zé Carlos "fast & foto" Melo e todos os restantes "galgos". Sim, que galgar aqueles 2 km até Palmela não era pêra doce. Doce foi em contrapartida o Moscatel e as línguas de gato com que nos presentearam já a meio da descida de volta a Setúbal.

De realçar a presença feminina que contou com um grande contingente (6 salvo erro, algumas em estreia absoluta) que se saúda e que vem tornar o nosso clube cada vez mais abrangente e... bonito.

Na meta todos se regozijaram com o percurso e a simpatia da organização, comentando recordes e PBT's e prometendo voltar. A amena cavaqueira prolongou-se almoço adentro, num excelente e abundante repasto, onde o choco frito foi vítima e vedeta.

Mais uma enorme demonstração do companheirismo e vitalidade que anima este grupo. Pelo prazer de correr! Run 4 Fun

sábado, 26 de novembro de 2011

Grande Prémio da Arrábida...eu vou!

Cinco meses depois, 29 meses de tormenta chamada metatarsalgia, amanhã vou ao Grande Prémio da Arrábida! Corrida fantástica, serra acima, durinha....paisagem grandiosa, gentes e organização acolhedoras (Lebres do Sado)! Um must! E o contigente Run 4 Fun vai ser imenso! Mais ainda com uma escolta em BTT serra abaixo por parte do Bruno, António e Renato! Run...and Bike For Fun!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Entrega novas camisolas Run 4 Fun


Caros amigos,

Pelas 10:00 horas, da próxima 5ª feira , dia 1 de Dezembro, feriado, pela última vez (parece....) vamos organizar um treino leve entre 5 a 10 km, na Expo Zona Norte, no local (mapa) de início dos treinos.

Antes do treino, iremos distribuir as 100 novas camisolas que iremos ter disponíveis, com os nossos agradecimentos ao nosso CIO (Chief Information Officer), João Fialho, pela gestão de todo o processo de informação e comunicação, gestão do blogue e base de dados e ao nosso CMO (Chief Merchandising Officer), Miguel Correia, que tratou da impressão das camisolas e da logística associada.

Não se esqueçam de levar 10 euros que é o custo de cada camisola e já agora confirmem aqui, em comentários, a vossa presença, ou ausência.

Vamos pintar a Expo de laranja.

Runabraços

PS

Os nossos chiefs são quem imaginam e fazem o trabalho todo. São, simultaneamente "generais" e soldados a quem agradecemos a dedicação e empenho

G.P. Arrábida: dorsais extra disponíveis

A Rita Felizol e a Ana Grosnik têm, respectivamente, um e três dorsais disponíveis para o Grande Prémio da Arrábida. Prova belíssima, dura, desafiante...daquelas que nos fazem sair da cama cedo e ficar reconfortados depois! Se algúem estiver interessado, envie-me um sms.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Maratona de Lisboa - Estafetas

Ficaram inscritas as seguintes equipas:

Feminina 1
Cristina Marques Caldeira
Helena Durão
Rosa Vasconcelos
Sandra Correia

Feminina 2
Camila Wudich
Enia Ornelas
Luísa Ralha
Paula Carvalho

Feminina 3
Elsa Mota
Joana Peralta
Maria João Coutinho Rebelo
Rita Felizol

Masculina 1
Cláudio Monteiro
Domingos Miguel Soares Farinho
Luís David
Nelson Alves
___________________________________________________________________
Mista 1
Ana Lúcia do Vale
David Duarte
Fernanda Moura
Rui Raposo
__________________________________________________________________

Grande superioridade na participação feminina, prova da nossa grande vitalidade na atração de atletas femininas, que já são 38% do número de atletas Run 4 Fun.

Boa prova para todos

Runabraços

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Alimentos alternativos durante a corrida


Encontrei este artigo na Runner's World e achei que valia a pena partilhar convosco.
O artigo sugere alternativas caseiras às barras energéticas, geles e bebidas isotónicas.
Tomei a liberdade de traduzir partes do artigo, mas aconselho a ler o original na integra aqui:
Performance Training Foods for Runners at Runner's World

Podem ser boas dicas para as provas que se avizinham (Maratona de Lisboa) :)

Bebidas Desportivas
Produtos como o Gatorade fornecem cerca de 14-18 gramas de hidratos de carbono por 250 ml e muitas vezes contêm outros tipos de hidratos de carbono, tais como glicose e frutose, que aceleram a absorção da energia. A maioria também tem eletrólitos para ajudar a manter o equilíbrio hídrico.
Faça o seu
Misture 8 colheres de chá de açúcar, 2 colheres de chá de mel, 1/3 colher de chá de sal e 1 colher de chá de sumo de limão em 250 ml de água.

Geles Energéticos
Um gel tem 22-29 gramas de hidratos de carbono, geralmente a partir de múltiplas fontes, juntamente com eletrólitos. Tome estes com água para acelerar a entrada de energia no seu sistema.
Faça o seu
Embalagens de doce com sabor suave e fácil de engolir (aquelas mini-compotas que se encontram nos hotéis) contêm 13 gramas de hidratos de carbono e fornecem dois tipos de açúcar. Outra sugestão são os cubos de marmelada tipo Odivelas que se podem encontrar nos supermercados (o Continente tem).

Runabraços

VI Grande Prémio da Arrábida

É já no próximo Domingo. Como de costume, iremos estar bem representados nesta prova simpática organizada pelos nossos amigos das Lebres do Sado. Preparem-se para o moscatel, oferecido num dos reabastecimentos.............

Após a corrida, haverá duches disponíveis, a que se seguirá o almoço num dos muitos bons restaurantes que há em Setúbal. Já temos 6 para o almoço, mas suponho que haverá uns quantos mais interessados.

Quem quer dar sugestões para o restaurante?

Runabraços

domingo, 20 de novembro de 2011

1ª Corrida D. Dinis - Odivelas


Aproveitando o facto da corrida ter sido "na minha terra" aqui fica outra informação além da corrida. E eu digo "minha terra" porque nasci mesmo em Odivelas (na casa dos meus pais) e porque lá morei durante 26 anos.

"A origem do nome Odivelas está, como o nome de tantas outras freguesias e concelhos de Portugal, envolto numa lenda que perdura pelos séculos.
A propósito do nome desta cidade, conta-se que D. Dinis tinha o hábito de deslocar-se à noite a Odivelas onde se encontrava regularmente com raparigas do seu agrado. Certa noite, sabendo a rainha do que se passava resolveu esperá-lo e quando o rei fazia o seu percurso para o encontro, a rainha interpelou-o e eis que proferiu as seguintes palavras:
"- Ide vê-las senhor....."
Afirma-se que de "Ide vê-las", por evolução, teria surgido o nome Odivelas."

Para quem quiser saber um pouco mais sobre Odivelas: http://www.cm-odivelas.pt/Concelho/Historia/index.htm

O trajecto da corrida, com várias subidas e descidas, passou mesmo ao lado do Mosteiro de Odivelas, também denominado de mosteiro das Bernardas e também conhecido pelas "meninas de Odivelas" que até têm direito a música (com uma letra algo "sui generis"), mas não passou junto ao Cruzeiro de Odivelas.

Tendo em conta a localização da corrida e também a forma física actual, fui a correr de casa, fiz a corrida e voltei para casa a correr.
Assim, fiz um aquecimento inicial (que era suposto ser lento) de 5,85K em 30'36 (média 5'13); depois fiz os 10K e o regresso foi em 32' (média de 5'28).

Depois do treino de 6ª feira à noite em S. João das Lampas (meia maratona com muita chuva à mistura), hoje, para variar, seria dia para séries... por isso resolvi fazer apenas uma série de 10K.
Como fiquei bem colocado na partida, fui logo num andamento bastante rápido e depois fui mantendo o ritmo possível, com os desníveis que se verificavam. Como também conheço bastante bem todo o percurso, fui gerindo os esforços sabendo que os últimos 3K seriam quase sempre a descer.

Resultado final, dos 759 que terminaram, fiquei em 208 da geral e 38º do meu escalão. Tempo de 45'29 (média de 4'32)

Para os que foram à corrida, espero que gostem da famosa, e deliciosa, marmelada branca de Odivelas.

Como o José Carlos Melo já colocou a fotografia do grupo Run 4 Fun, fica a recordação dos meus “mais que tudo” que me aguardavam à chegada.

Treino de Domingo

O objectivo era realizar um treino de cerca de 2 horas e percorrer o equivalente a uma meia maratona. Prova superada!

Percorremos cerca de 24 Km em 2H10. Aproveito para dar as boas vindas ao Fabio Varanda (de preto à esquerda) que hoje se iniciou na nossa companhia, pedir desculpa ao Gonçalo Melo (ao lado do Fábio, de azul), por não percorrer apenas 18  mas sim 24 Km e agradecer ao Jorge Paulo que embora fosse realizar um treino de 35 Km, se juntou a nós durante parte do percurso.

Aos restantes colegas quero pedir desculpa pela "subidita" e agradecer por mais esta manhã de alegre convivio.

Mais fotos aqui.

Corrida D. Dinis, Odivelas


Hoje o Run 4 Fun correu em Odivelas, na 1ª Corrida D. Dinis, integrada nas comemorações do 13º aniversário do município.

Com início e termo em "Rio da Costa" percorreu um percurso urbano maioritáriamente em subidas e descidas.

Pelo Run 4 Fun concluíram os 6 participantes que estão na foto, 3 homens e 3 mulheres, estas em preparação para a Maratona por estafetas de 4 de Dezembro.
Em manhã de temperatura agradável para esta actividade, prova bem organizada com muitos declives mas pouco acentuados, constituiu uma boa manhã de actividade física. Não terá sido esta a conclusão da Rosa Vasconcelos, que se ressentiu físicamente nas descidas e com persistência terminou já em dificuldade. Desejo uma boa recuperação à valente atleta e que regresse quando estiver 100%.

Mais Fotos no Álbum do Grupo Run 4 Fun > Aqui.

RunAbraços.

sábado, 19 de novembro de 2011

Maratona de Lisboa - Estafetas‏

Mais uma equipa estafeta para a Maratona!?!

Eu e o Nelson Alves queremos arranjar companhia para a estafeta da Maratona de Lisboa. Temos vários "runners" que julgo poderão estar interessados.

Já temos equipas femininas inscritas na prova de estafetas.
Vamos fazer uma equipa masculina?

Runabraços

O futuro do Run 4 Fun

Está assegurado. Quando temos jovens membros da equipa, como a Rita Raposo e o Guilherme Candelária, na foto, orgulhosos das suas camisolas Run 4 Fun, podemos estar tranquilos.


Aqui estão , em grande estilo, hoje de manhã no final do seu treino na Expo.

A Rita e o Guilherme são, respetivamente, filha e sobrinho do nosso companheiro Rui Raposo.

Runabraços

PS

Fotos tiradas a seguir ao nosso treino de hoje de manhã, organizado pelo João Veiga, 17,5 km para alguns e 21,5 km para três, tiradas pelo grande Zé Carlos Melo, que podem ver aqui.

Nada de confusões: a Rita e o Guilherme fizeram um treino à parte. Eles são bons corredores , mas ainda muito jovens para treinos tão extensos.

3ª MMSJL – Treino Pirata "3ª edição da Meia das Lampas by Night"

Caros Amigos,

Que noite fantástica que tivemos ontem...apesar do dilúvio com que fomos brindados.

O Fernando Andrade e o Nuno Tempera, tiveram a brilhante ideia de nos convidar a participar neste treino/convivio em São João das Lampas.
Muito obrigado pelo convite e fantástica sugestão

Aqui está a representação R4F presente (apesar do temporal, estivemos muito bem representados) :



A "noitada" tinha como previsto ter inicio por volta das 21:00.

Devido às condições climatéricas, que provocaram algum atraso na chegado de parte dos atletas, o arranque teve inicio apenas por volta das 21:30.
A primeira parte consistia num "passeio" de 21Km (exactamente identico ao percurso da meia maratona de S.J. das "Rampas").

A organização (com o Fernando Andrade à cabeça) esteve soberba...o Núcleo de Sintra dos R4F vai aproveitar algumas ideias para próximas organizações de treinos na Serra :-).

Vou apenas salientar alguns dos pontos que foram muito bem cuidados, dos muitos que foram tidos em atenção durante a "corrida" :
- Público em grande presença à partida, passagem por SJL e chegada a dar o devido apoio e incentivo;
- Apito de arranque, como de prova se tratasse;
- 3 viaturas de apoio. Uma à cabeça, outra no meio e outra ao final;
- Pontos de abastecimento, similares ao da prova !!!! fantástico;
- Permanente cuidado em manter a rapaziada devidamente organizada e encostada à berma.

Aqui está uma foto de grupo antes do arranque :


Arrancámos de uma forma equilibrada e a ritmo similar.

Chegádos à primeira "rampa", e como já seria de esperar, o pelotão partiu completamente.

Verifiquei que estavam presentes muitos atletas que não conheciam o local nem o trajecto e como tal não faziam ideia do que os esperava...penso que à passagem do 5º Km já estava muita gente a dizer mal da vida.

O Jorge Pinheiro, seguiu na cabeça do pelotão, e os restantes R4F mantiveram-se mais ou menos no meio, mantendo um belissimo ritmo para treino.

Até essa altura tentei substituir o insubstituivel, Zé Carlos Melo, dando uns arranques para a frente e sacar fotos....desisti após o 5º Km (primeira subida).

E o resultado foi muito pobre...com tantos frontais e reflectores, a maioria das fotos não se conseguem aproveitar e muitas outras pouco ou nada se percebem :-( .

Eu e o Franco, já tinhamos compromissos familiares assumidos e tivemos que terminar a aventura após os 13 Km na 1ª passagem em SJL (houve mais alguns dos atletas que o fizeram).

Sei que os últimos 7Km foram efectuados sob autentico temporal, mas que o repasto final valeu a pena (deixo esta parte do relato para quem esteve presente até final).

Eu gostei muito, e desde que me seja possivel, estarei seguramente presente no próximo e aconselho vivamente a quem puder estar, que também o faça.

Boa organização, grupo muito simpático, óptimo convivio e belissimo treino.

Deixo aqui o link para as (desastrosa e minimanente aproveitaveis fotos) :
https://picasaweb.google.com/112976930207525010610/SaoJoaoDasLampasByNight?authkey=Gv1sRgCP2egfn2z56VCw#

Runabraços

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

LunaRun


Nesta Quinta Feira, o Run 4 Fun participou na LunaRun, actividade urbana muito divertida na noite de Lisboa, que é "uma espécie" de Orientação pedestre, pelas ruas ddo centro da cidade.
A noite de ontem foi a segunda de uma série de 4 LunaRun's.
As próximas são em 24 e 30 de Novembro.
Inicia-se no Largo de Camões, no Bairro Alto, às 20:30.

Antes do início, cada participante recebe um mapa, com 5 pontos marcados, que são as "balizas" que o participante tem que encontrar. Nesse ponto está um elemento da organização que coloca uma marca no mapa. Dos 5 pontos identificados no mapa, 1 é obrigatório e 1 deles à escolha é opcional.
Com este enquadramento, os participantes fazem um percurso à sua escolha, individualmente ou em grupo, numa actividade diferente do habitual que é muito divertida, pelas colinas de Lisboa.
Nesta última LunaRun houveram algumas novidades: era obrigatório fazermos o 1º ponto no Marquês do Pombal e entravamos no metro, tendo vários participantes feito opcionalmente parte do percurso de metro.
No final, a organização tem proporcionado aos participantes um convívio final com fatia de pizza e bebida para repor energias.

Na foto estão alguns participantes R4F na última LunaRun.
Mais Fotos no Facebook, no Álbum do Grupo Run 4 Fun > Aqui.

RunAbraços.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

S. Silvestres


Já estão abertas as inscrições para a S. Silvestre de Lisboa, cuja partida foi antecipada para as 16:00. Assim já dá para ir à da Amadora, que começa às 18:00. No final da corrida de Lisboa, apanha-se o Metro...."et voilá"..... estará quase a começar a da Amadora. A estãção do Metro, na Venda Nova, é quase na partida.

Eu e a Luísa vamos fazer três S. Silvestres: Olivais, Lisboa e Amadora, no espaço de 2 dias. Nada mau... Inscrevemo-nos hoje para a de Lisboa, as outras ainda não têm inscrições abertas, na Xistarca. O Serafim , o Zé Magalhães e o "papa-maratonas" Zé Carlos Melo, também já estão inscritos.

Esta ano devemos ser muitos mais..... :). Uma grande onda laranja.......

Runabraços

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Meia Nocturna de São João das Lampas...próxima sexta!

Recebido do Nuno Tempera (R4F) e do Fernando Andrade (Banif) deixo-vos com a perspectiva de algo saboroso para esta sexta-feira à noite.

Nada mais, nada menos, que um treino nocturno! Vistam a camisola Run 4 Fun e apareçam! "A 3ª MMSJL – Versão Nocturna ou, para quem gosta de designações mais finas “Meia das Lampas by Night” na sua 3ª Edição, vai ter lugar no próximo dia 18 de Novembro, 6ª Feira, às 21h. Trata-se de um treino de 21,097Km, no percurso exacto da MMSJL, destinado às pessoas amigas (e amigos dos amigos) numa iniciativa que se enquadra na promoção da 36ª MMSJL a realizar em Setembro de 2012. Pede-se aos participantes que tragam colete reflector. Haverá postos de abastecimento nos locais do costume (ou próximo). Os andamentos a seguir, que são recomendados, serão na base dos 5,30/Km o que há-de dar para 2h ou cerca disso, no total. Se houver um grupo que pretenda ir mais rápido, pois que vá.
No final, quem quiser poderá tomar banho (mas a água é que me parece que é fria, brrrr). No final haverá um convívio, à volta de uma churrascada, nas instalações da Sociedade Recreativa. Já temos voluntários que se responsabilizam por isso.

Será um grande prazer, se o pessoal dos R4F estivere presente neste treino-convívio.

Ah… esqueci-me de dizer: é tudo gratuito. As inscrições podem ser feitas por simples contacto para este mail (ferandra04@gmail.com), por exemplo. Já vai em perto de 70 inscritos...

Para quem quiser ver como foi da última vez, tem aqui: http://cidadaodecorrida.blogspot.com/2010/11/meia-das-lampas-nocturna.html
http://cidadaodecorrida.blogspot.com/2010/11/ainda-noite.html.

Obrigado Fernando e Nuno, estaremos presentes em número assinalável!

De Tróia a Sagres....202 kms

Um desafio brutal. Uma coisa de amadores empenhados. Para todos os ciclistas amadores, sejam de estrada ou de BTT. Para os corredores de endurance, versão maratona...Para os "Runners" que também nadam e andam de bicla (pena não existir o verbo biciclar...!). Já no próximo dia 10 de Dezembro. Partida do cais do ferry em Tróia pelas 08h. Em bicicleta. Fabuloso desafio! Digno também de aspirantes a IronMan ou qualquer outra designação que entendam dar-lhe (full triathlon, enduroman, triatlo ultra longo). Will you join me and my orange team? We will colour the prairies of Alentejo... Juntas-te a mim e ao grupo laranja que me acompanhará? Vamos colorir (de laranja) as planícies do Alentejo! For those about to run (and cycle) we salut you!

Treino Domingo

Como o dia de sábado é para uns, dia de compromissos profissionais e para outros como eu, dia de compromissos com os filhos, organizamos para Domingo 20 Novembro um treino de 2 horas a ritmo para a maratona.
O inicio está marcado para as 9 horas da manhã na zona norte da expo e conta com a presença, para já, do José Magalhães, Serafim e Manuel Romano. Se houver mais interessados agradeço que deixem aqui a informação.

Treino para a Meia

Para quem segue o nosso grupo no Facebook isto já não será novidade mas vamos informar aqui também para todos os interessados.

Sábado dia 19 de Novembro às 9h, vamos começar um treino de 18 Km com vista a treinar para a Meia Maratona de Lisboa.
O treino começará da zona habitual do Parque das Nações e, tal como nos foi aconselhado porque quem corre há mais tempo, a ideia é ir até Santa Apolónia e voltar
O ritmo será perto dos 6'00"/Km visto termos quem vá treinar e quem ainda esteja a testar se aguenta e que portanto não pode esticar. Claro que há sempre a possibilidade de se virmos ritmos muito diferentes tentar criar grupos mais lentos ou mais rápidos mas com intenção de que ninguém fique sozinho nem para trás.

As dicas a transmitir, principalmente a quem como eu não está habituado a estas distâncias, é levar água (cerca de  1/2 litro deve chegar) porque temos bastante distância sem abastecimentos e algo sólido (gel ou barras).

A ideia para além de treinar ou testar para quem ainda não sabe se aguenta, é também talvez alguém descobrir outro corredor que tenham o mesmo ritmo e que se possam apoiar e motivar durante a corrida de dia 4 de Dezembro.

Qualquer dúvida transmitam
Agradeço já quem já tem outra experiência e se vai disbonibilizar para ajudar e apoiar os estreantes
Abraço, boas Corridas e até Sábado

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Run 4 Fun®, R4F®, Run For Fun®...marca registada!

As três expressões e o logotipo são desde hoje marca registada, com protecção legal em Portugal! Talvez seja precaução...mas com aquilo que nos é querido não podemos facilitar! Run...for Fun!!!!

Rumo aos 200 membros activos (corredores!) Paulo Marcos

For the Unknown Runner

For the Unknown Runner uma figura entre um super-atleta e um ser mítico, em sprint passando por uma multidão a assistir.

A figura é emoldurada por um vaso - uma referência para os antigos Jogos Olímpicos, o que proporciona uma arena para a expressão artística e cultural, bem como para a excelência desportiva.

Poderosa mensagem dedicada à história dos Jogos Olímpicos e aos próximos jogos Londres 2012.

"You inspire me with your determination!"

domingo, 13 de novembro de 2011

Um fim de semana na Nazaré com muito FUN e algum RUN

Caros Amigos,

No seguimento da fantástica experiencia do ano passado, passar o fim-de-semana da meia maratona na Nazaré, este ano resolvemos repetir o mesmo programa.

Saímos de Lisboa por volta das 19Horas e 2 horas depois estávamos com o carro estacionado na Nazaré, a jantar num dos restaurantes da praça principal.
Comemos muito bem e a um preço surpreendentemente barato...época baixa :-).

Após o jantar dirigimo-nos aos apartamentos Quico, que aconselho vivamente a quem quiser ir passar um fim de semana (em época baixa...no verão não se consegue lá andar), a esta típica Vila piscatória, com um encanto "diferente e muito especial".

Ainda na sexta-feira, a minha irmã e cunhado juntaram-se a nós e chegaram a tempo de irmos comer uma sobremesa à “afamada” pastelaria “Batel”.

No sábado, optámos por uma pequena volta turística por terras de São Martinho do Porto, onde após tranquilo passeio pela praia, almoçámos num dos restaurantes locais.




Entretanto, já de volta à Nazaré, juntaram-se-nos o Jorge Pinheiro e respectivos filhos.

Enquanto aguardámos a chegada à Nazaré do Francisco Osório e família para o respectivo jantar em grupo, fomos até ao local da organização e rapidamente levantámos todos os dorsais (a organização tinha tudo muito bem preparado, como já é hábito).

Após uma bela jantarada, animada, farta e saborosa..estávamos preparados para ir descansar e preparar a meia maratona do dia seguinte.



Tinha acordado com o resto dos companheiros de equipa, por volta das 9:45 junto aos apartamentos ou por volta das 10:00 na praça principal.

A rapaziada cumpriu com os horários e nada melhor para iniciar o aquecimento, que o aparecimento da grande campeã Rosa Mota.
Campeã, porque realmente foi uma atleta única na história do atletismo Português, mas acima de tudo pela simpatia, disponibilidade, animação e humildade que permanentemente apresenta.
Muitas das nossas “pseudo estrelas” têm muito que aprender com esta grande senhora…provavelmente não têm é capacidade para isso.
Relativamente à prova o Nuno Almeida já deixou um óptimo relato, apenas não referiu que ele próprio fez um tempo canhão e PBT, numas condições que não foram as mais fáceis.

O São Pedro desta vez trocou as Horas e permitiu o “temporal” uma hora antes do devido…alguns problemas de entendimento e comunicação que espero que não voltem a suceder :-).

Tenho muita pena de não ter ficado para o almoço, mas pelas fotos que vi, seguiram o nosso conselho e “atiraram-se ao Terra e Mar”…espero que tenham gostado.

Para o ano, se tudo correr bem, lá voltaremos.
É uma prova com um ambiente muito especial e com um apoio permanente do público, onde na minha opinião só encontra semelhanças na das “fogueiras de Peniche” ou na “São Silvestre da Amadora”.

Espero que a Logistica tenha estado à altura do esperado e que a banhoca ao final Vos tenha sabido bem :-).

As fotos estão já disponíveis no link :
https://picasaweb.google.com/112976930207525010610/MeiaMaratonaDaNazare2011?authkey=Gv1sRgCICC-6y-mv79jQE#

Um agradecimento especial à Cristina que “aguentou” o temporal até à passagem do último R4F…bjs e obrigado.

Runabraços

37ª Meia Maratona Internacional da Nazaré

Ilustres Runners,

Mais um Fantástico dia de prova na companhia da família R4F, com outra perfeita recepção do homem da Logística (Obrigado Nuno SMarques), com direito a Fim de semana na Nazaré para alguns e final com almoço regional.

Iniciamos o dia com a excelente companhia da Nossa grande atleta e Madrinha da Prova a Rosa Mota que tirou todas as fotos que lhe pedimos… Obrigado Rosa (as fotos virão depois)

Estreia no percurso para alguns elementos que se revelou não muito plano, com algum vento e uma óptima temperatura para correr e com deliciosa chuva no final.

Alguns PBT’s em destaque e a provar que há atletas em grande crescendo de forma e em revelação caso do Francisco Osório, Miguel Dias, António Serafim e o José Magalhães…

O Luis Matos Ferreira claro que teve outra prestação do outro mundo…

Para outros foi mais um treino a caminho da grande prova em 4 Dezembro.

No final a Fotografa oficial que mesmo a chover a baldes não abandonou a meta.
Obrigado Cristina Sentieiro Marques.
Junto os tempos:

No final um reconfortante duche quente e um agradável e almoço em grupo, com o prato regional, que recomendo: Prato Mar e terra (Lagosta e bife)...
Um dia de vento e chuva que apesar de tudo em muito Boa companhia.

Obrigado a Todos e ate á próxima,
RunAbraço,
NDA

III Trilhos de Casainhos

Presenças Run 4 Fun
  • Gerardo Atienza
  • Hilário Torres
  • César Moreira
  • Ruben Silva
  • Teodoro Trindade
  • Jorge Esteves
  • Joao Ralha
  • Alfredo Falcão
Hoje houve festa em Casaínhos e 8 de nós estiveram lá. A prova chama-se Trilhos de Casaínhos e vai na sua terceira edição. É uma prova de montanha, vertente da corrida que tenho experimentado sempre que surgem oportunidades e quando considero as distancias ao meu alcance. Já há um grupinho dos Run 4 Fun que frequenta estas provas, e eu que antes das corridas praticava BTT, fiquei sempre com o gosto de andar pelos trilhos.

Quando cheguei a Casaínhos parecia que estava no campo, mas na verdade andei calmamente cerca de meia hora de carro (25km). É por isso o campo mesmo às portas de Lisboa.

O dia estava sombrio ameaçando chover, mas a temperatura estava agradável.

A partida era no campo de futebol do Sporting Clube de Casainhos (gostei deste toque verde da prova!). Os carros arrumavam-se facilmente dentro do recinto. Ao meu lado arrumou o Jorge Esteves que trazia o carro cheio. Quando saímos dos carros e nos preparávamos o João Ralha, que vinha com o Teodoro,cumprimentou a Célia Azenha, que nos contou um bocadinho das suas aventuras de 333 quilómetros em 147 horas a mais de 2500 metros de altitude (espero não estar a cometer nenhuma incorrecção nos detalhes, mas estou a dizer de memória). Claro que tirámos umas fotografias com tão extraordinária atleta.

Enquanto esperávamos pela partida, que foi pontual, começou a chover, mas não foi mais do que umas gotas grossas que pararam em poucos minutos. Dada a partida, o grupo de 120 corredores saiu ordeiramente do campo e num instante entrámos nos trilhos. Sendo uma prova de montanha, começámos logo a subir. Ainda íamos todos juntos mas a subida encarregou-se de ir dilatando a dimensão do pelotão. Desta parte lembro-me que os 3 primeiros quilómetros demoraram muito a passar, talvez por serem sempre a subir. Quando entro nestas subidas esforço-me por não olhar para a sua dimensão, para não ter nenhum momento de fraqueza e começar a andar, até porque quanto mais andar mais tempo demoro a chegar ao fim e eu quero é chegar ao fim. Mas nestas provas há subidas com grande declive e essas são obrigatoriamente feitas a andar, mas não é por isso que a prova fica mais fácil, até fica mais difícil, é melhor correr a direito do que andar a subir.


Fiz a corrida sempre com pessoas atrás ou à frente. Tive as minhas disputas, a primeira adversária que identifiquei no meu andamento não consegui acompanhar, passei uma vez e depois fui passado, durante muito tempo não vi esta senhora de cabelo curto grisalho, mais ou menos da minha idade.Passados uns quilómetros (não sei quantos foram) voltei a avistá-la. Íamos a descer e eu estava com alguma velocidade e fui-me aproximando. Enquanto isto acontecia passou-me pela cabeça que na corrida as ultrapassagens nunca surpreendem, são sempre momentos lentos e consentidos ou conquistados, dá sempre tempo para reagir, haja pernas! E assim foi, lentamente aproximei-me e ultrapassei. Entretanto tinha sentido nas costas uma outra atleta, que se aproximou. Tive tempo para reagir, apanhei uma descida e acelerei, devíamos estar no quilómetro 10. Assim fui até que, no quilometro 12, nos aproximamos de uma parede com 150 metros de altura. O piso estava empapado e escorregadio. Nem queria acreditar, os atletas que conseguia avistar perto do topo pareciam uns bonecos, de tão pequenos que a distancia os fazia. Procurei afastar a realidade dos meus pensamentos e atirei-me à subida, naturalmente foi toda feita a andar,à velocidade que se conseguia, mas fui-me aproximando do grupo de meia dúzia de atletas que seguiam à minha frente. Mesmo atrás vinha a senhora que haveria de me passar a meio da subida. Mas quando chegámos ao topo, bebi dois golos de água e puxei pelas pernas, voltei a ultrapassar a senhora mas passados poucos metros ela retomou a sua passada, mais certa e mais rápida que a minha e deixei de a conseguir acompanhar, fui vendo à distancia a atleta a aproximar-se de outros e a ultrapassar, que ritmo! A minha primeira rival vinha mesmo atrás de mim. Ainda me apanhou e ameaçou deixar-me para trás. Quando tentei reagir senti uma caimbra e dei um grito. Consegui controlar e mantive o andamento, tentando mentalmente descontrair o gémeo direito, enquanto alongava o passo reforçar o efeito. Funcionou, lentamente o músculo foi deixando de ameaçar contracções involuntárias e eu consegui manter a minha posição, não fui ultrapassado. Não é que os lugares sejam muito importantes, mas para mim estas pequenas disputas são uma forma de motivação. Perco umas e ganho outras, mas acabo sempre acorrer melhor.

Enquanto geria o meu esforço fui-me afastando da minha rival, apesar de a sentir sempre nas minhas costas, ainda subimos e descemos,ainda enfiei as sapatilhas na lama mais mole até que começamos a descer para Casainhos, já com mais do que os anunciados 14kms. A prova terminou no ponto de partida e o meu GPS marcava 15,5kms que percorri em 1h44m. Fiquei classificado no 72º lugar da classificação masculina, com 103 atletas a terminar a prova.Em termos relativos já tenho feito melhor mas fiquei satisfeito com o resultado.

Depois fui ver chegar os outros corredores e tirar a fotografia da praxe, antes de ir para o banho. Como não preparei convenientemente as coisas nem gel trouxe, que alguém me emprestou a custo, porque estava a acabar (hehehe). Seguiu-se o almoço, bem servido e saboroso e a entrega dos prémios.

Sem dúvida que foi uma das manhãs mais bem passadas a correr dos últimos tempos.

Mais fotografias tiradas pelo João Ralha e Teodoro Trindade aqui e aqui.

1ª Corrida da Ajuda, Lisboa

Neste Domingo a prometer que ía chover mas não choveu, o Run 4 Fun foi à 1ª Corrida da Ajuda, corrida de estrada em Monsanto que terminou junto à Igreja da Memória, na Ajuda.

Prova quase toda nas estradas do pulmão da capital, o belo Parque Florestal de Monsanto. Com partida na Alameda Kiel do Amaral, encontrámos ao km 5 a descida para o Estádio Pina Manique e ao km 7 a subida para a Rotunda dos Montes Claros, para no final descermos para a Ajuda, onde nos esperava a t-shirt, a medalha e um magusto de castanhas e água pé, como é hábito pelo São Martinho, para retemperar energias.
Prova muito agradável ou não fosse ela em Monsanto.

O Run 4 Fun muito bem representado pelas atletas Rosa Vasconcelos e Helena Durão que em Dezembro vão representar as nossas cores na Maratona por estafetas, por João Veiga a preparar a Meia Maratona, por Gonçalo Fontes de Melo com vontade de tentar a Maratona, acompanhado do amigo Afonso Silva, e por este escriba que tirou uns segundos ao melhor tempo.

Ao aproximar-se a Maratona de Dezembro, os atletas Run 4 Fun efectuam as últimas preparações para esta prova, com muitas estreias na mítica distância, bem como na distância da Meia Maratona.

Bons treinos a todos.
RunAbraços.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

III Trilhos de Casainhos

A prova terá início às 10:45.

Algumas sugestões para quem vai participar, pela 1ª vez, numa prova de trilhos.

Tem chovido muito e provavelmente o terreno vai estar muito enlameado, por isso convém levar outro par de ténis para calçar após a prova, bem como "equipamento" para o duche (chinelos, sabonete, toalha), antes do reconfortante almoço.

É aconselhável utilizar ténis adequados para trilhos, que se devem ter experimentado em alguns treinos, antes da prova. Mais necessários ainda, num terreno que se prevê esteja "escorregadio".

Não convém gastar demasiadas energias nas subidas com alguma inclinação, onde o mais eficiente (excepto para os atletas mais rápidos) será fazer a maior parte, a andar.

Aproveitem para desfrutar da paisagem sem se distraírem demasiado do caminho, pois poderão, por isso, tropeçar em obstáculos inesperados, tipo raízes ou pedras.

Runabraços

...Antes da Maratona...

Numa fase em que são vários os atletas do Run 4 Fun, que se preparam para correr uma das várias, mini, meias ou até mesmo maratonas, não chega treinar as melhores formas para correr.

É também necessário preparar o corpo utilizando os melhores alimentos, na quantidade adequada a cada um.

Assim, deixo o link para um artigo, sobre a melhor forma para preparar um óptimo pequeno-almoço:
http://inesgilforte.blogspot.com/2009/11/pequeno-almoco-fantastico-para-uma-boa.html

É importante não esquecer que, convém comer pelo menos 1h30 antes do treino (melhor ainda serão 2h).
O ideal será sempre testar nas saídas longas e para que no dia da prova corra tudo como previsto!

Boas corridas e excelentes treinos...da alimentação também!

8ª Maratona do Porto


Desde sempre que gosto de correr. É uma paixão antiga, vivida com maior ou menor intensidade ao longo dos anos, em ocasiões esquecida, noutras reacendida, consoante os caminhos da vida e os desejos do coração.

A minha recordação mais antiga do acto de correr reporta-se aos meus 10 anos quando frequentava o 6º ano e nas aulas de educação física o “stor” nos fazia dar voltas à pista. Depois voltei a correr no 12º ano, quando fiz um programa de intercâmbio nos EUA e me inscrevi na equipa de atletismo onde corria a milha e as duas milhas. Foi nesse longínquo ano de 1985 que corri a minha primeira prova de 10 km, da qual já não recordo o percurso ou o resultado, mas lembro-me vivamente do prazer de competir e da agonia extrema do esforço físico.

Depois disso ainda corri ocasionalmente apenas pelo prazer de correr, mas nunca mais competi em provas de pista ou de estrada. Isto até um ano depois de me nascer o primeiro filho, quando, incentivado por amigos, resolvi inscrever-me numa meia maratona.
Nessa altura essa distância parecia-me imensa e não sabia como haveria de a completar. No entanto como na altura fazia natação todos os dias no Estádio Universitário, já tinha uma preparação física razoável, bastou-me treinar algumas semanas para cumprir o objectivo dos 21,1 km até à meta, em 2h00’, isto em Março de 2002.
Depois disso ainda participei mais algumas vezes nas duas meias maratonas das pontes, e apenas nestas provas, com resultados que oscilavam entre as 1h44’ e as 2h22’ consoante a maior ou menor preparação efectuada especificamente para essas provas.

Em 2009, em resultado da carga de trabalho e stress do MBA que estava a concluir em part-time, acumulando com uma actividade profissional exigente, tinha atingido um peso para mim impensável de 90 kg e um nível de sedentarismo muito pouco saudável. Entrementes, o meu irmão, Jorge Ferreira, já tinha completado a sua primeira Maratona e incitado pelo seu exemplo, em Agosto, tomei a firme decisão de que teria que correr uma Maratona até ao fim do ano.

Preparei-me e em Novembro, juntei-me a um grupo de corredores fantásticos, os Run 4 Fun, de que já devem ter ouvido falar :-), e que muito me têm ajudado a superar-me.
Em Dezembro lá corri a 24ª Maratona de Lisboa, apadrinhado e auxiliado pelo João Ralha, excelente companheiro, que me rebocou durante boa parte da prova. E consegui chegar ao fim, em 4h10, apesar de ter levado em cheio com o “muro” aos 30 e picos kms.

Nos 2 anos que decorreram desde então, já completei 9 maratonas, 7 de estrada e 2 de montanha, e preparo-me agora para completar a 10ª em Dezembro, na 26ª edição da Maratona de Lisboa. Os resultados foram (quase) sempre melhorando desde Dezembro de 2009, na seguinte progressão (em estrada): Lisboa 2009 – 4h10’; Sevilha 2010 – 3h35’; Berlim 2010 – 3h25’, Algarve 2010 – 3h19’; Porto 2010 – 3h09’; Lisboa 2010 – 3h13’ e da mais recente, a do Porto 2011, falarei em seguida.


Percurso da Maratona

Este ano, nesta distância tinha nos meus planos apenas o AXtrail K42 e as maratonas do Porto e Lisboa. O objectivo traçado era baixar das 3 horas, algo que, com o devido treino, considerava ao meu alcance. Contudo como tanto faço provas de estrada como de trail, não me foi possível fazer um treino específico para esta corrida. Assim, parti para o Porto com a noção clara que teria que arriscar.

No dia da prova acordei bem cedo, às 5 horas, e tomei um pequeno-almoço abundante às 6 horas. Às 8 horas estava na rua a aquecer e a dirigir-me para o local da partida, junto ao Palácio de Cristal. O tempo estava fresco e ensolarado, óptimo para correr.
Lá reencontrei os bravos companheiros da camisola laranja, o António Cruz, o José Carlos Melo, o Luís Correia, o Miguel San-Payo e o Orlando Ferreira, e depois, ao longo da prova tive a felicidade de me cruzar ainda o Carlos Brazão, o Jorge Esteves e o Teodoro Trindade.

Eu e o António ainda fizemos mais um curto aquecimento e dirigimo-nos de imediato para a partida, a fim de ficarmos bem posicionados e não sermos submergidos na habitual atrapalhação das partidas (mas há que reconhecer que a partida da Maratona do Porto é uma das mais ordeiras das provas que conheço).
Deu-se o tiro de partida e eu arranquei rápido para tentar ultrapassar a malta mais lenta e assim entrar no meu “ritmo de cruzeiro” o mais cedo possível. Tivemos um 1º km a subir, onde o meu coração atingiu os 152 bpm e depois começámos uma descida de vários quilómetros pela Avenida da Boavista, em direcção ao Castelo do Queijo e depois a Foz.

Antes do tiro de partida, tinha trocado impressões com o António e concluímos que tínhamos estratégias muito semelhantes para abordar esta corrida.
Como ele já soberbamente descreveu no seu post (os post do António são sempre uma fonte única de útil informação científica e inspiradora experiência pessoal), pretendíamos começar com uma intensidade cardíaca menor e subir de intensidade ao longo da prova. E uma vez que o perfil altimétrico da prova começa a descer e acaba a subir, resolvemos também fazer a 1ª metade mais rápida do que a 2ª, o que não é contraditório com aquilo que afirmámos acerca da intensidade cardíaca. Para mim esta estratégia fazia sentido pois, baseado na experiência do ano anterior, parecia-me que precisaria de atingir a marca dos 21,1 km em menos de 1h28’30’’ se queria ter tempo para completar os últimos kms, a subir (mesmo que ligeiramente) e provavelmente contra o vento do norte.
Enfim, queria ter uma folga razoável, pois bem sei que a Maratona começa a doer a sério a partir do 2º terço.

Os primeiros 10 kms foram completados muito rapidamente, com ritmos entre os 4’00’’/km e os 4’13’’/km. Passei a marca dos 10 km em cerca de 41’15’’, dentro do plano. Desde cedo me adiantei do balão das 3h, a fim de cumprir o meu plano, mas agora corria isolado e começava a sentir a falta de companhia e de alguma protecção contra o vento ligeiro que se fazia sentir.
Acelerei um pouco para tentar apanhar os atletas que corriam algumas dezenas de metros à minha frente. Corríamos agora junto ao rio, num passeio lindíssimo que enchia a alma de júbilo. Os populares incentivavam-nos alegremente, com regionalismos típicos do norte. Fui-me hidratando e ingerindo os meus géis, regularmente de 7 em 7 kms, a fim de não exaurir as reservas de hidratos de carbono, estratégia imprescindível para não esbarrar com o famoso “muro”.

Em breve atravessei o túnel, onde o meu Garmin se baralhou um pouco, e cheguei à ponte de D. Luís. Depois, em Gaia, colei-me a dois atletas que progrediam a bom ritmo, até chegar ao pórtico da meia-maratona na Afurada. Passei este marco em 1h28’54’’ ainda razoavelmente dentro do plano.
No sentido oposto passei por todos os atletas do Run 4 Fun, com o António sempre à frente do balão das 3h15’. Voltei a passar a ponte D. Luís e foi pouco depois, cerca do quilómetro 28, que o meu verdadeiro sofrimento teve início. As pernas já começavam a dar sinais claros do esforço acumulado, e a ameaçar com a assustadora perspectiva de debilitantes cãibras. Fui forçando o ritmo, concentrando-me nos quilómetros que faltavam: “já só falta um terço da prova… 10 kms… 9 kms…”
Tive várias variações de ritmo, resultado de uma luta constante entre os dois hemisférios do cérebro, um que me mandava abrandar e outro que me ordenava para acelerar.
No regresso da viragem dos 28 km passei pelo António que ainda ia à frente do balão das 3h15’. Pensei, “o António vai em grande ritmo” e mal sabia eu que esse ritmo elevado já só era mantido à custa de uma enorme capacidade de sofrimento.

Ritmo Cardíaco em várias provas (Max 175)

Passei a marca dos 30 km em 2h06’57’’, ainda com uma margem de 25 segundos para atingir o meu objectivo. Aguentei-me num ritmo de cerca de 4’17’’/km (o necessário para conseguir menos de 3 horas dada a margem de que dispunha) até aos 36 kms, procurando apanhar boleia com alguns atletas que me iam ultrapassando.

Quando chegámos à Foz estava estoirado e ainda me faltavam os tão temidos 6 quilómetros finais. Apercebi-me que iria ser muito complicado manter os 4’17’’/km até ao fim. Colei-me a dois atletas dos Falcões Selvagens e esforcei-me por me manter a seu lado. No entanto também eles sentiam o desgaste da prova. Baixei para 4’23’’/km, depois para 4’27’’/km e ainda para 4’29’’/km. Os últimos 2 kms foram feitos em enorme esforço em 4’33’’/km e lá consegui chegar à meta, ao fim de 3h00’53’’.



Assim que parei apercebi-me que não conseguiria correr nem mais 10 metros. Estava exausto, mas feliz apesar de não ter cumprido o objectivo. É como escreveu o António: só se falha quando não tentamos um objectivo suficientemente ambicioso.

Maratona do Porto 2011


Depois fui tratar de beber uma cervejinha e esperar pelos companheiros. Lá vi o António chegar às 3h15’ bastante combalido, mas com um excelente resultado que só o pode alegrar. Não pude esperar pelos restantes companheiros, pois tinha que fazer o checkout do Hotel, mas pelos seus relatos pude mais tarde verificar que todos tiraram grande proveito desta excelente 8ª Maratona do Porto.


Recentemente li um livro fascinante, “O filósofo e o lobo”, onde, à luz do que aprendeu com a convivência com um lobo, o autor, Mark Rowlands, se questiona, entre outras coisas, acerca da natureza da felicidade.
Segundo ele, o homo sapiens não vive de forma absoluta o momento presente, mas antes imerso num contínuo que nos mergulha no passado e nos projecta no futuro. O lobo é mais um ser do presente, o qual vive de forma completa e inteira.
Essa imersão no tempo leva-nos muitas vezes a esquecer o valor do processo e focamo-nos apenas no objectivo, que está sempre diferido. No próprio instante em que o cumprimos, esgota-se.
O lobo vive o processo. E os processos mais vitais são os mais viscerais, aqueles que envolvem a maior dose de êxtase, ligada inextrincavelmente com extremos de agonia e desconforto. Por exemplo, quando corremos e damos o nosso máximo, durante várias horas de esforço ininterrupto e esgotante, o que é que sentimos? Sobretudo desconforto, mas também uma enorme exaltação. E sentimos isso tudo em simultâneo. São duas faces da mesma moeda que não são separáveis, experienciadas em uníssono. O que é que fica depois de acabarmos? O principal não é com certeza a marca atingida, mas antes a memória indelével e física do processo de correr.


Adidas Adizero Pro 4


Esta semana já recomecei os treinos a pensar já na Maratona de Lisboa. A do Porto corri com os meus velhinhos e gastos Adidas Adizero Adios, que me puxaram sobremaneira pelos gémeos (são levezinhos e relativamente planos). Entretanto recebi pelo correio o meu novo modelo, os Adidas Adizero Pro 4, que são ainda mais leves e ainda mais planos. Mal posso esperar para os experimentar!



Passeio de São Martinho em BTT - Domingo, dia 13 às 8h00m

Caríssimos,

Devido às condições climatéricas previstas para Domingo, que serão de alguma (não muita) chuva, decidimos manter o treino de bicicleta, mas mudar o "veículo" e o percurso.

Assim, faremos entre 50 a 60 Km de BTT essencialmente por estradões, no percurso Aroeira, Apostiça (onde já fizémos um treino de corrida), Azeitão (com paragem técnica para umas tortas e moscatel), Moínhos de Palmela e regresso ao ponto de partida por alguns caminhos diferentes dos iniciais, passando perto da Lagoa de Albufeira.

Em Azeitão avaliaremos o estado do grupo e do tempo e decidiremos se fazemos os Moínhos de Palmela ou se invertemos a marcha. Este percurso tem uma vista lindíssima sobre Setúbal, Arrábida e Mar e tem um single-track que tem tanto de técnico como de delicioso. Ainda neste troço existe a famosa subida "cai de costas", que pelo nome, dispensa mais comentários...

O percurso é na sua grande maioria plano ou com inclinações ligeiras, bom portanto para rolar e ganhar endurance, mas haverá algumas súbidas e um pouco de areia de pinhal para "moermos o nervo". Diria que qualquer pessoa com actividade fisica regular (corrida ou bicicleta) pode fazer este passeio sem grandes problemas.

No final (12h00m/12h30m) está já combinada uma sessão de alongamentos, imersão de água fria (para os corajosos, mas muito bom para regenerar os músculos), banho de água quente, lavagens de bicicletas e como estamos no São Martinho, não faltaram umas castanhas e água pé.

Fico a aguardar as Vossas confirmações!

Runbraços

Bruno Bastos da Silva

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Superámos os 125.000 pagesviews!

Poucos grupos se podem orgulhar de terem uma dedicação, uma paixão, uma missão tão generosamente perseguida como aquelas que o nosso grupo demonstra à saciedade.

 Um reflexo disso, a preferência dos leitores na net....125.000 pagesviews, em cerca de três anos, é obra!

Damos um "bigode" a muito respeitável orgão de comunicação social....! E com mais de 400 visualizações por dia....e a crescer...começamos a olhar para o top da blogosfera lusófona e a ver que está tão perto...!

Um abraço especial aos blogues e aos amigos que nos encaminham tráfego, comentários e nos recomendam com leitura. Sem ser exaustivo, um nosso obrigado a: - MariaSemfrionemcasa - Palavrasdecorredor -Revista Atletismo - Revista e site Sport Lide - Carlos Fonseca - O mundo da corrida - Emrodadamesa - Photo4ever - Antonuco (este é suspeito...) - Entrocamento Runners e a todos, a muitos mais, OBRIGADO!!!

37º meia maratona da Nazaré - Logistica

Caros Amigos,

Aproxima-se o dia 13 de Novembro, dia da mais antiga meia maratona…a da Nazaré.

À semelhança do ano passado, vou estar a passar o fim-de-semana em família nesta bela vila, balnear, piscatória e agora altamente reconhecida como um paraíso para os “surfistas” pelas suas grandes ondas, graças ao fantástico acontecimento desta semana que penso ser do conhecimento de todos.

Imagino que à conta deste grande acontecimento, o próximo fim-de-semana, além de estar como habitual, repleto de atletas e Suas famílias devido à meia maratona, estará igualmente muito concorrido de “surfistas” e de simples curiosos o que fará certamente que a manhã de domingo seja muito mais confusa que o habitual.

Primeiro e único conselho…tentem chegar mais cedo que o habitual.

Desta vez, terei a simpática companhia na noite de sábado na Nazaré do Jorge Pinheiro e do Francisco Osório e Suas família (Jorge e Francisco, caso vos pareça bem, podemos jantar em conjunto no Sábado…depois logo nos sintonizamos).

A minha ideia e sugestão são idênticas ao que fizemos o ano passado.

- Levanto os dorsais de todos os R4F inscritos, quer para a meia, quer para as marchas.
Se puderem enviar por email ( nmarques@totalstor.com )o comprovativo, agradeço.
O ano passado não foi preciso, mas….”por si acaso” é melhor.

A lista “oficial” que temos de inscritos neste momento é a seguinte (todos para a meia maratona) :

António Serafim Desidério
Vitor Manuel Reis Gonçalves Lopes
Luis Silva
Nuno Sentieiro de Oliveira Marques
José Manuel Marques Magalhães
Miguel Lemos Dias
Francisco Xavier Serra de Sanches Osório
Nuno Dias Almeida
Jorge Duarte Pinheiro
Gonçalo Fontes de Melo
Luís Miguel Matos Ferreira

- Caso alguém esteja inscrito, não o esteja via R4F (ou nesta lista) e pretenda que eu levante o dorsal, avise-me e envie o comprovativo por favor.

- Marcamos como ponto de encontro a praça principal (junto à geladaria Conchanata), às 9:30/9:45 da manhã, 1 hora e meia mais ou menos, antes do arranque (obrigado pela correcção Zé Magalhães).

- Como este ano, o apartamento onde vamos ficar, é muito perto do parque de estacionamento principal, se algum de vós preferir e ter antes ao pé do apartamento, tendo como hora limite as 9:20, avise-me (a vantagem é poder ir deixar de imediato os sacos dos brindes à viatura).

A morada é a seguinte :
Avenida de Olivença nº19
2450 Nazaré
Google Maps:
http://g.co/maps/22kcf

- Disponham de toda a logística necessária, antes ou depois da prova.

- Infelizmente este ano, não me vai ser possível ficar para o almoço (já tenho um compromisso “intocável” de almoço em Riachos…o festejo do 30º Aniversário de um dos meus irmão), de qualquer modo, terei todo o gosto, caso pretendam, em preparar algo idêntico ao ano passado (efectuo uma reserva num restaurante o mais “perto” possível dos 3 B’s :-) ).

- Para finalizar e apenas para os descansar, já cheguei quase ao meu acordo habitual com S.Pedro…diria que teoricamente está tudo “controlado” :-) .

Continuação de bons treinos e até domingo.

Runabraços

Nota : caso algum de vós ainda esteja a ponderar a possibilidade de ir de véspera, posso deixar como sugestão os apartamentos onde vamos ficar.
Têm T1s ao preço aprox de 40€ noite (por apartamento) e sei que ainda têm disponíveis 3 ou 4.

http://apartamentosquico.blogspot.com/

Contactos :

Célia Quico
96 99 466 43
celia.quico@gmail.com
Ou
Joaquim e Carolina Quico
262 56 28 44
apartamentosquico@gmail.com




Vamos ter bicicleta próximo Domingo...!

Pois é, somos ecléticos! Para além de uma fabulosa meia Maratona na Nazaré, recomendável a todos os títulos, o nosso grupo continua, lenta mas seguramente, a desenvolver o seu ecletismo tendo como base a corrida. De facto, conforme discutido na "Assembleia Geral" (Jantar de Natal de 2009!!!!), continuamos a desenvolver a vertente triatlo. E já este Domingo de manhã estaremos vários de nós para uma voltita de quase 90 km da Aroeira a Setúbal-Figueirinha-Azeitão-Aroeira. E tu, ficas em casa ou vais biciclar (ou correr)? Runbraços

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Novas camisolas Run 4 Fun

Caros amigos,

Todos os companheiros Run 4 Fun ( dos quais temos o respetivo e-mail) receberam um e-mail a pedir para nos informarem do número e do tamanho das novas camisolas Run 4 Fun que desejam, através de um questionário, aqui no blogue no canto superior direito.

Agradecemos nos respondas até ao próximo dia 18 de Novembro. Procuraremos entregar as camisolas até 10 de Dezembro, o mais tardar, até à data do jantar, a 17 de Dezembro.

A mudança é na parte da frente da camisola que tem o novo logotipo concebido pelo nosso companheiro Jorge Simões, a quem agradecemos o contributo. Foram distribuídas antecipadamente 10 camisolas com o novo logotipo, algumas das quais foram utilizadas na recente maratona do Porto.

Na foto, temos a Claire Monroy, no final da corrida do Monge, com o novo "equipamento"

Runabraços

14 Kms no Porto

Na ausência de um relato para os 14 Kms Family Race venho prestar o meu contributo.

Esta prova no Porto foi a melhor das poucas em que já participei. As razões já aqui foram mencionadas: a boa organização, o percurso rápido e lindíssimo e como corolário um dia de sol incrível.

A partida, animada e colorida, numa zona separada da maratona fez-se com um quilómetro a subir. Tal permitiu algum ânimo (não desapareceram todos à minha frente) e a partir daí foram 7 km, em grande parte a descer, até à Foz. Passei os 5 km a 26’ (foi para mim um feito!) e tudo correu bem até ao décimo quilómetro. A partir do Castelo de S. João da Foz, no retorno, a “coisa” complicou-se. O troço de empedrado fez das suas e o meu joelho esquerdo começou a dar sinal. Ao 12 km abrandei muito o ritmo, cerrei os dentes e apostei em tentar não andar até pelo menos o início da subida da Av. Boavista. Assim aconteceu e já na subida as dores no joelho tornaram-se insuportáveis e fui obrigada a caminhar 300 a 400 m. A frustração foi enorme. Tão próximo do parque da cidade estava a 1 km do objetivo pretendido, o de cumprir uma prova de mais de 10 k pela primeira vez. Aí a inspiração veio do lado e de corredores mais desgastados que eu. Voltei à corrida, ignorei a dor e passei o pórtico da chegada com um tempo de 1:39:22 (real).
Depois de um spray “milagroso” na zona de chegada e arrastando a perna na subida de 3,5 km da Av. Boavista já em direção ao hotel senti-me triunfante.

Correr para mim é sempre FUN. Voltarei seguramente ao Porto no próximo ano para tentar melhorar o tempo e realizar um percurso lindíssimo.

Elsa Mota

PS: A todos os atletas dos Run 4 Fun na maratona do Porto os meus parabéns! Não sei realmente como vocês conseguem… Um incentivo ao testemunho de outras atletas que participaram igualmente pelos R4F, neste percurso de 14 Kms. Espero poder reencontrá-las nos próximos desafios. Como diz habitualmente o Nuno Sentieiro, sempre for Fun.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

4.ª Corrida dos Advogados


No passado domingo, dia 6, eu e a Helena Durão participámos na 4.ª Corrida dos Advogados.
Embora ainda sem a ‘laranjinha’ vestida e inscritas a título individual, corremos orgulhosamente de Run 4 Fun no coração!
Com excelente organização da Xistarca, a prova tinha a extensão de 8k, sendo 3 deles percorridos na mata de Monsanto e os restantes em estrada.
Tínhamos como objectivo terminar a prova com um tempo inferior a 50 minutos, coisa que para nós, novatas nestas andanças, seria já motivo de grande satisfação.

Depois de uma partida algo ‘atabalhoada’, lá encontrámos o nosso ritmo. Mesmo conhecendo a altimetria da prova, ficámos surpreendidas com algumas das subidas que nos pediram maior esforço do que o esperado e, talvez por isso, em alguns momentos a prova até nos pareceu mais exigente do que a CorreJamor da semana anterior.
Ainda assim, conseguimos terminar dentro do nosso objectivo – eu com 00:48:20 e a Helena com 00:47:38.
Escusado será dizer que ficámos todas contentes e que passámos mais uma bela manhã!
O vício da corrida já se instalou e agora vai crescendo a vontade de ir sempre mais longe e de fazer sempre melhor!

Nos próximos três domingos, participaremos nas corridas da Ajuda, Odivelas e Mendiga, sempre com o olho posto na prova de Estafetas da Maratona de Lisboa, em que faremos equipa com a Sandra Correia e com a Cristina Marques Caldeira.
Runabraços!
Rosa Vasconcelos
Run 4 Fun, pelo prazer de correr

Décima Maratona, Centésima prova

Caros RunAtletas

a Maratona do Porto é claramente a melhor organizada em Portugal. Os abastecimentos são quase perfeitos, o percurso é lindo, o público fantástico e este ano uma temperatura e sol maravilhosos.

Fui para esta prova com 3 objectivos:
  1. completar a 10ª Maratona
  2. completar a 100ºprova
  3. ajudar dois novos amigos do Run 4 Fun
Apesar de ser a 10ºmaratona, com excepção da 1ª, era aquela em que a condição física estava pior. Uma bursite reactiva que me obrigou a correr de meia elástica no joelho e o dedo indicador esquerdo anestesiado por um problema a resolver nas cervicais. No entanto tinha uma motivação suplementar: ajudar o Francisco Figueiredo a realizar a sua primeira maratona e fazer do Jorge Cancela um maratonista (tinha realizado comigo a Maratona de Lisboa em 2010).
Estes dois atletas não realizam provas, apenas gostam de correr
pelo prazer e as suas primeiras e únicas provas foram esta maratona e uma ou duas meias-maratonas. Fizemos os primeiros 10km em ritmo lento (58min.), passámos à meia-maratona com 2:02h e aos 30km com 2:51h.

Entretanto já nos tínhamos cruzado com o Luís Ferreira que corria á frente do balão das 3h, do António Cruz também à frente do balão das 3:15h e um fantástico e surpreendente Carlos Melo à frente do balão das 3:30h.
Calmamente fomos fazendo a nossa prova (éramos os 3 últimos do R4F) apreciando a beleza do percurso até
encontramos o nosso internacional Maratonista Carlos Brazão que ía a correr tranquilamente.

Por volta do km32, o Jorge Cancela começou a acusar o desgaste e ficou ligeiramente para trás. Ao km 35 fiz umas contas de cabeça e alertei o Francisco Figueiredo que se queria completar a prova abaixo das 4h tínhamos de acelerar. E assim o fizemos até ao km 37 onde sentiu uma ligeira dor na coxa e resolveu abrandar.
Nessa altura decidi que tinha de completar a minha 10ªMaratona abaixo das 4h e comecei a subir o ritmo (não sei de onde vieram as forças). Apanhei o Jorge Esteves e depois a 1km do fim, o Teodoro Trindade. Ambos estão de parabéns.

Na subida final da Av.da Boavista concentrei-me totalmente e quando passei pelo pórtico da chegada marcada 3:59:58h (tempo real de 3:59:36). Fiquei felicíssimo por ter conseguido alcançar os meus 3 objectivos. Para o ano estarei de certeza na partida desta magnífica MARATONA.

Maratona do Porto

A Maratona do Porto

A Maratona do Porto está muito bem organizada e não é por acaso que tem registado um crescimento quase exponencial no número de participantes.

Existem aspectos a melhorar e por exemplo para levantar os dorsais é de evitar a hora de almoço; grande parte dos atletas chegam a essa hora para depois almoçarem na "Pasta Party". Em Lisboa deverá acontecer algo semelhante: no final da tarde já não está ninguém e é muito rápido.

A prova começa numa via bastante larga sem os atropelos que por vezes acontecem noutras provas. Após uma subida (a maior do percurso) segue-se uma descida de alguns km. A partir daí é praticamente sempre plana e acompanha o rio Douro. Percorrem-se alguns km no lado de Gaia e depois a partir da Alfândega o percurso é o mesmo da fase inicial. A corrida termina no Parque da cidade numa zona bastante ampla.

Foi a minha 2ª maratona e tinha pensado nas 4h00. Tal não foi possível porque nos últimos km baixei muito o ritmo: aos 10 km estava com 53:04, aos 20 km estava com 1:46:24, aos 30 km com 2:44:07 e ao km 40 com 3:46:56. Acabei com 4:06:16 e o meu Garmin marcava 42,8 km.

Nos meses anteriores corri aproximadamente 60 km por semana e penso que para além da preparação física é importante a componente psicológica. Deve-se estar preparado para algum sofrimento, principalmente nos últimos km.

Em todos os abastecimentos bebi um pouco de água e/ou Isostar e comi laranjas. Ao km 15 tomei um gel e ao km 25 comi uma barra. Penso que é muito importante comer durante a prova e deve-se levar algumas coisas como gel, marmelada e barras.

Os Run 4 Fun estiveram a seguinte representação:
Luís Ferreira,
António Cruz,
José Carlos Melo,
Orlando Ferreira,
Miguel San payo,
Teodoro Trindade,
Jorge Esteves,
Luís Correia,
Carlos Brazão.

E agora depois de algum descanso é tempo de pensar na próxima!

Runabraços

Maratona do Porto

Caros amigos recentes participantes na Maratona do Porto,

Até parece que não foram lá??? Então ninguém escreve um "post" no Blogue? Todos têm essa permissão e responsabilidade. tanto os que participaram pela 1ª vez numa Maratona, como os que participaram pela 2ª vez, como os que fizeram PBT´s, ou não!!!

Vamos lá a contar essas histórias!!!! :) Estão à espera de quê? ??

Runabraços

PS

Afinal já o Luís Correia e António Cruz, tinham escrito a sua experiência. Ficamos à espera dos restantes. E podem copiar do Facebook. É que aqui, qualquer pessoa vê, mas no Facebook o acesso é limitado.

Maratona do Porto–6-11-2011

Logotipo

A Maratona do Porto foi a escolha para a minha segunda maratona. A 1ª tinha sido a Maratona Carlos Lopes em Maio de 2009.
Diziam os mais entendidos que esta é a melhor Maratona realizada em Portugal. Excelente percurso, muita gente a assistir, boa organização…
Cheguei ao Porto uns minutos antes das 14h de Sábado, na expectativa de levantar o dorsal e comer uma pasta.
Quando entrei encontrei uma fila enorme para levantar os dorsais, e sem dorsal não podia haver pasta. Esta primeira impressão que me foi dada pela organização foi muito negativa, até pela expectativas levantadas. Não seria difícil prever, até para uma prova na sua 8ªa edição, que a maioria dos atletas se apresentaria entre as 13h e 16h de Sábado.
Encontrei nessa altura o Orlando, que também estava no final da fila. Não me pareceu boa ideia estar, talvez 1 hora, em pé para levantar o dorsal e decidi ir até ao Hotel e depois almoçar num restaurante próximo.
Fiquei na Rua de Santa Catarina em pleno centro do Porto, e fui almoçar num restaurante mesmo ao lado do Hotel com preços das doses entre os 3€ e 3,5€ J. Optei por uns filetes de pescada com arroz branco, para não inventar muito na alimentação.
clip_image002
Por volta das 17h horas voltei à Expo Maratona, na expectativa de levantar o dorsal com muito menos confusão. E assim foi, uma fila muito mais reduzida e despachei-me em 20 minutos. Ao estacionar o carro cruzei-me com o Teodoro e já dentro da Expo encontrei o Miguel San-payo, que já não via há uns bons meses.
Depois dei um passeio pela bel zona ribeirinha, que com o por do sol estava lindíssima.
No saco vinha uma camisa ASICS e uma garrafa do vinho do Porto personalizada.
DSC02343 2
Depois foi jantar uma coisa leve e regressar ao Hotel.
Preparar todo o material para o dia seguinte e estava na hora de dormir.
De manhã pelas 6h50 fui tomar o pequeno almoço, para surpresa do único funcionário do Hotel que me dizia que o pequeno almoço era só às 7h30. Eu avisei-o que tinha combinado na recepção tomar pelas 7h00 porque tinha uma maratona. Lá me arranjou pão, fiambre e queijo e pronto, já estava feito.
Às 7h25 sai para fazer o aquecimento, tomar contacto com a temperatura e a cidade. É sempre belo correr de manhã com as ruas desertas.
Foram apenas 15 minutos, pois ainda tinha previsto um segundo aquecimento até ao local de partida (cerca de 2km).
Voltar ao Hotel, vestir o equipamento de prova, dorsal, gels e ai fui eu para o local de partida. Lá chegado, ainda deu tempo de ir a tomar um café e voltar ao local de partida. Ai chegado, já estavam em amena conversa o Orlando Ferreira, o José Carlos Melo, o Luís Matos Ferreira, o Miguel com 2 amigos (peço desculpa mas esqueci-me dos nomes). Acho que não me esqueci de ninguém, mas se assim foi peço desculpa. A minha memória é uma lastima
Depois foi fazer o aquecimento com o Luís e colocarmo-nos bem cedo na zona de partida para evitarmos a confusão dos primeiros Kms. Ainda vimos o Carlos Brazão na Zona VIP a fazer o seu aquecimento.
A partida estava bem organizada, com duas zonas distintas para a Maratona e a Family Race (14Km).
Estava uma óptima temperatura, com um lindo dia de Sol. A partida estava bem animada (mas sem comparação com a Corrida do Tejo) e na hora certa foi dado o tiro de inicio.
O Luis meteu o turbo e lá foi ele. O primeiro Km sobe até à rotunda da Boavista e depois é sempre a descer até à Foz. Os primeiros 7,5Km são muito rápidos. Se fizessem um prova de 10km com o mesmo percurso da Maratona, eram só PBT.
Estava algum vento, que em determinadas zonas provocava o seu desgaste, mas nada de especial. Sempre muita gente a assistir, com varias bandas ao longo do percurso, cuja beleza é magnifica (embora não tenha a atenção merecida durante a prova).
Julgo que as dificuldades maiores do percurso são os variados troços de empedrado, que dificultam um pouco a progressão e requerem uma atenção especial para evitar entorses (Como fez questão de me chamar a atenção o Luís M Ferreira antes do inicio da prova).
O desenho do percurso permite que os atletas se cruzem al longo da prova por 3 vezes. Entre o Km 7 e 8, entre os Km 20 e 21 e entre os Km 27 e 28.
Nesses 3 momento cruzei-me com o Luís e com o José Carlos: um ia à minha frente e outro atrás. Cruzei-me igualmente com o Miguel, Orlando, Teodoro e Carlos Brazão entre o Km 20 e 21.
Vários balões de grandes dimensão a acompanhar os Pacers das 3h00, 3h15, 3h30 e 3h45. Julgo no entanto que eles não iam com ritmos muito certos.
A chegada estava bem organizada, onde no final estavam disponíveis frutas, bebidas isotónicas e cerveja.
Esta é seguramente uma excelente Maratona, que recomendo a todos.
A minha prova.
O meu objectivo era conseguir fazer 3h10e para alcançar esse objectivo segui o meu plano de preparação que considerou 18 semanas.
Este objectivo era bastante ambicioso e já tinha comentado com o João Ralha que para o alcançar as estrelas tinham de estar todas alinhadas “Danger 4 most of us lies not in setting our aim too high & falling short; but in setting our aim 2 low &achieving our mark. –Michaelangelo”.
Mas com o evoluir dos treinos, estava convencido que o iria conseguir.
A preparação correu muito bem, sem grandes problemas físicos e consegui executar mais de 90% dos treinos previstos.
Na ultima semana, constipei-me ai falhei o plano e a condição física não era muito favorável. Como quase não treinei nessa semana, engordei 2Kg J. No entanto, no Sábado já me senti muito melhor e no Domingo de manhã sentia-me bem. Não sabia no entanto até que ponto essa semana afectaria a minha prova.
Aliás, tanto quanto sei também o José Carlos Melo, o Luís Matos Ferreira e o Teodoro Trindade, sofreram todos do mesmo mal.
Ainda pensei em alterar o plano e ir para 3h20 ou 3h30, mas já que tinha treinado tanto decidi cumprir o meu plano à risca e depois logo se via.
Em conversa com o Luís Ferreira no inicio da prova (e depois pelo post dele no final do prova no facebook), verifiquei que tínhamos estratégias parecidas (embora a ritmos diferentes J).
A primeira metade seria a uma intensidade de 151 a 154 bpm e depois essa intensidade subiria até as 163 bpm na segunda metade.
Numa prova plana eu optaria por parciais iguais ou negativos (segunda aparte mas rápida que a primeira). Mas com o perfil da Maratona do Porto, a estratégia que me pareceu correcta foi fazer a primeira meia um pouco mais rápida (estratégia também adoptada pelo Luís – é sempre um exemplo a seguir).
A ideia era virar à meia entre 1h32’’30’’ e 1h33’’00 (ritmos testados com sucesso nas meias da Moita e de Almeirim), cumprindo sempre os limites da intensidade definida. Eu faço sempre a gestão das provas pela intensidade.
Logo nos primeiros Kms, sentia uma ligeira dor nos músculos superiores traseiros das pernas, mas nada de especial. A prova decorria com muita facilidade a um ritmo elevado com o balão das 3h00 sempre uma centena de metros à minha frente.
A prova decorria com toda a normalidade e facilidade (virei aos 10Km abaixo dos 43’’ e na meia ligeiramente abaixo da 1h33’’).
Mas uma coisa estranha se passava e que comecei a reparar a partir dos 15Km: a pulsação em vez de subir ligeiramente começava a baixar. E as dores nas pernas começavam a aumentar.
Na meia maratona sentia já que iria pagar um elevado preço no final. Não sentia dificuldades, mas falta de força.
Entretanto o meu Garmin deixou de registar o ritmo instantâneo (o ecrã que uso nas provas tem 3 campos com o ritmo instantâneo, médio e pulsação média, o que me permite controlar as variáveis importantes). O garmin marcava constantemente 1’51’’ por Km, o que seria perfeito se fosse verdade J. Isso já me tinha acontecido num treino anterior.
Deixei de ter pois, qualquer informação sobre o ritmo instantâneo mas via o ritmo médio passar das 4’20’’ para 4’21’’, 4’22’, 4’23’’ e assim por diante. Pior, perdi qualquer sensibilidade para perceber a que ritmo ia. A partir do Km 32 parecia um zombie.
Entretanto, cruzava-me pela ultima vez com o Luís Ferreira que ia na sua passada magnifica e descontraída e com o José Carlos que ia com uma alegria e à vontade impressionante. Percebi logo nessa altura que ele vinha a fazer uma grande prova.
Lá fui andando, com apenas uma ideia na cabeça: sobreviver. Ainda pensei em andar, mas tive receio que se o fizesse já não fosse capaz de voltar a correr. Desistir, isso nunca me passa pela cabeça.
Ao Km 30 tenho a companhia da Sara Moreira que vinha a fazer um treino e apoiar um colega. E fomos sempre juntos até ao Km 35, altura em que fiquei para trás. A Sara vinha sempre a dizer ao amigo: força, isto é para sofrer… é mesmo assim, anda lá. E esses palavras iam me ajudando também. É como se fossem para mim J.
A juntar à festa comecei com arrepios e algumas tonturas e também algumas cólicas. O gel funcionou de forma perfeita (1 gel de 20g de 5Km em 5Km) até ao Km 30, a partir do qual me começaram a cair mal. Não sei se o problema era do gel ou do meu estado geral.
Os kms iam passando lentamente, com alguns atletas a passar por mim e outros a andar e ainda outros parados a fazer alongamentos.
O tempo final já não me preocupava, apenas queria terminar. Mas sabia que toda a experiência é positiva. Se aguentava com aquilo, aguentava com tudo.
E assim foi, lá terminei devagarinho, sendo que a partir dos últimos km a pulsação esteve sempre abaixo das 145bpm e nos ultimo 2km andou pelas 140 e 141bpm. Isso corresponde à parte inferior da minha zona 2, aquela que utilizo em mais de 80% dos treinos.
E foi com 3h15’ que terminei a prova. O Objectivo foi claramente falhado, mas não fiquei muito chateado. Até fiquei satisfeito com o resultado. Não sei e julgo que só o saberei numa próxima Maratona (provavelmente daqui a uma ano no Porto) e não fiz as 3h10 por fragilidade do organismo, por má preparação e má condução da prova.
Mesmo com dificuldades percebi depois através da analise dos dados que fiz a maioria dos Kms abaixo dos 5’/Km. Só os últimos 4 Km é que tiveram um ritmo superior a 5’/Km, o que paradoxalmente me deixou satisfeito. É que eu pensava que vinha a uns 7’/Km J.
Quando terminei a prova tinha o Luís Ferreira à minha espera com o que me pareceu um copo de cerveja na mão. Fui buscar 2 bebidas isotonicas e o saco da roupa. Vesti 3 camisas e estava cheio de frio, arrepios e tonturas. O Luís, sempre do meu lado, tentava me motivar.
Ainda estive sentado no chão durante um bocado mas como ia piorando lá decidi me dirigir à tenda da Cruz vermelha. Deitaram-me numa maca com uma manta e dois sacos de aquecimento, onde estive cerca de meia hora, sempre vigiado de perto pelo Luís Ferreira que não me largava (obrigado Luís, sei que a tua mulher e filhos esperam mais do que o previsto por minha causa).
Na maca do lado estava um Queniano a soro e com pior aspecto do que eu, o que é sempre motivador J.
Comecei a me sentir melhor e como tínhamos de sair do Hotel antes das 2h, lá fomos apanhar o autocarro para a Rotunda da Boavista.
Ainda nos cruzamos com o Orlando que não estava muito satisfeito com a prova (podem ver o blog dele em http://hobbytranspirante.blogspot.com/2011/11/maratona-do-porto-6112011.html).
Não pude ficar a aguardar pelos restantes Run4Fun, e lá fui mais o Luis Ferreira, de volta ao Hotel.
Tomar banho, vestir roupa lavada e ir almoçar um lombo com batata assada (5€) foi um instante.
No caminho ainda parei 2 vezes em bombas de serviço para ir ao WC.
Parabéns a todos os Run4Fun, com destaque para o Luis M Ferreira que é impressionante e ao José Carlos Melo, uma verdadeira força da natureza.
Um comentário final para umas ideias que vejo muitas vezes referidas, principalmente pelo Miguel San-Payo e João Ralha: “Maratonista é o que faz 2 maratonas”. O argumento é que a primeira pode ser por acaso…
Não me lixem: para todos aqueles que só fizeram uma ou que vão fazer a primeira, vocês são Maratonistas. Ninguém corre 42,195Km por acaso.
Run 4 Fun
António Cruz