quarta-feira, 10 de agosto de 2011

A minha 1ª Maratona

Nesta altura de acalmia no trabalho, sobra algum tempo para reflexão. Lembrei-me de "falar" sobre a minha 1ª maratona. Também poderia falar sobre a minha 1ª corrida popular, feita em 1992 e que foi a S. Silvestre dos Olivais.

Nesta, houve um detalhe engraçado: antes da partida estava lá o grande campeão Carlos Lopes mais a sua mulher. Eu fui ter com ele, dei-lhe um abraço e dediquei-lhe a minha 1ª corrida. Ele foi muito simpático e desejou-me boa sorte.

Passados alguns anos, cerca de dezasseis, decidi fazer uma Maratona. Porquê? Porque já tinha feito algumas meia-maratonas e porque fui desafiado pelo Paulo Marcos, para a fazer. Conversa de "alto nível científico"e da maior (ir)racionalidade, do género: "Vamos fazer uma Maratona? ....Embora lá!!!!". Como a minha mulher diz: a "testosterona a falar".....

Não fui certamente um "aventureiro", pois para além da experiência que já tinha de algumas meias maratonas, fiz um plano de treinos que me levou a fazer, nos primeiros meses do ano de 2009, mais de 900 km, em perto de 94 horas:

23 treinos (1 corrida) e 216 km em Janeiro,
17 treinos (2 corridas) e 199 km em Fevereiro,
20 treinos (3 corridas) e 224 km em Março,
19 treinos (2 corridas) e 280 km em Abril (nunca mais fiz 280 km, num mês).

Destes treinos, dois tiveram mais de 30 km (máx. 34,5 km), seis entre 20 km e 30 km e sete entre 15 e 20 km. Incluídas neste conjunto, estão a Corrida do Fim da Europa (17 km), os 20 km de Cascais, a corrida das Lezírias (15 km) e a Meia Maratona da ponte 25 de Abril.

A Maratona era para ser na 1ª quinzena de Abril, mas foi foi adiada para 9 de Maio. No início era eu mais o Paulo, mas entretanto outros bravos aderiram ao desafio: a Luísa, o António Cruz e o Eduardo Correia. Também o Caló e o Miguel San-Payo, já experientes maratonistas se juntaram a nós para nos ajudarem e fazerem mais uma Maratona. Para além disso, tivémos, durante a prova, a ajuda de mais companheiros do Run 4 Fun

Às 7 horas da manhã, reunimo-nos perto do Centro Comercial Vasco da Gama, na Expo, para apanharmos a camioneta que nos levaria até ao Estoril, junto ao Casino, onde começou a prova, às 8:30.

Lá estava, na Expo, o grande Carlos Lopes, que era o organizador da prova, foi a Carlos Lopes Gold Marathon 2009, a última que ele organizou.


Chegados ao Estoril, preparámo-nos para começar a prova. E aqui estavam os nossos participantes. Para cinco deles, era a sua 1ª Maratona. Os experientes eram o Caló e o Miguel San-Payo.



Fomos em grupos, os mais rápidos, o Miguel San-Payo e o António Cruz, a seguir o Eduardo Correia e o Paulo Marcos e finalmente a Luísa e eu, acompanhados pelo nosso amigo Caló e pelo Artur Marona Beja, outro experiente maratonista.

Aos 20 km, já no Restelo, o Artur acelerou e eu segui com ele, o Caló ficou com a Luísa, a quem acompanharia até ao fim da prova. Aos 30 km, perto da Praça do Comércio não aguentei o ritmo do Artur e lá fui, sozinho, no meu passo que, nessa altura, já era esforçado.

Entretanto, na Praça do Comércio um grupo de companheiros tinha-se juntado ao Eduardo e ao Paulo: o Miguel Correia, o Paulo Curto de Sousa e o Vítor Lopes.



Em Santa Apolónia, juntou-se a mim a Joana Mira Mendes que me acompanhou quase até à Expo. A Joana estava sempre a dizer-me: estás a ir muito depressa.....vai mais devagar........ mas foi uma excelente companhia.

À entrada da Expo, tinha o Paulo Curto de Sousa, grande companheiro, que me levou até ao fim, quando eu já estava quase sem forças.

E no final lá tínhamos o Carlos Lopes e a Rosa Mota, os nossos campeões olímpicos da Maratona. Um autêntico privilégio............fazer uma primeira maratona e ter a honra de ser recebidos e tirar fotos com estes dois excepcionais atletas e muito simpáticas pessoas. Para nunca mais esquecer.....



O meu tempo foi de 4:15:10 (quatro horas, quinze minutos e dez segundos) a uma média de 6:04 por km. Tinha na altura, quase 50 anos de idade. A Luísa já os tinha feito, alguns meses antes. Dois anos depois, em Maio último, fiz a Maratona em 3:44:57, menos de 30 minutos. Mas, suponho, que já não conseguirei fazer muito melhor!! Devo estar quase no meu limite.!!!???




E deixem-me dizer-lhes algo em que acredito. E não sou só eu, há mais pessoas que fizeram a Maratona, que também partilham desta ideia.

Qualquer pessoa normal, pode fazer uma Maratona!

Não é preciso ser grande atleta, só precisas de ganhar alguma experiência de corrida, fazer umas corridas de 10 km, depois algumas Meias Maratonas, fixar a data da Maratona, definir e cumprir um plano de treinos adequado. Isto implica persistência e capacidade de aguentar algum desconforto.

E no grande dia, lá estarão prontos para a grande experiência, para chegar ao fim de algo que alguns anos atrás pensavam, tal como eu pensava, que seria coisa que nunca seria capaz de fazer na vida.

E a seguir, ficam satisfeitos com o que conseguiram, ou vão querer ainda mais.......

E agora contem lá as vossas experiências da vossa 1ª corrida, da 1ª corrida de 10 km, a 1ª Meia Maratona, a 1ª Maratona, a 1ª Ultra... uma corrida engraçada.

Boas férias e Runabraços



5 comentários:

Nuno Sentieiro Marques disse...

Amigo João,
Realmente é sempre muito agradável ler as Tuas crónicas...do que te foste lembrar desta vez...fantástico.

Imagino que tenha sido uma manhã e uma experiencia inesqueciveis.
Parabéns pelas experiencias e conquistas, são estes exemplos que referias na Tua última "crónica"..."se ele é capaz porque não serei eu também".

Fiquei aliviado ao perceber que não sou único no controlo de tudo o que é treinos e corridas (até o faço por tenis que utilizo por forma a controlar a "Kilometragem" de cada par ;) ) e no guardar devidamente arquivado e controlado tudo o que é reportagem fotográfica de cada prova ou treino especial.

A minha primeira grande experiencia real foi a São Silvestre de Lisboa de 2009 com aprox 58min.
Em 2010 já com a camisola laranja dos R4F fiz 43:24...vejam só a força desta camisola :).

A primeira corrida que fiz como R4F foi a da República a 5Out2010, apadrinhado pelo João Fialho, Luis Ferreira e José Magalhães ainda sem camisola laranja, que só utilizei na corrida "corre Jamor" a 31Out2010.

Os meus treinos com o João Fialho iniciaram-se um pouco mais cedo e após a corrida da Mesericórdia em Jul2010.

Desde 5Out2010 até hoje, tenho tido o previlégio de fazer parte deste grupo fantástico com o qual tenho tido momentos únicos de diversão, companheirismo, amizade e superação quer em provas, quer em treinos, quer em simples momentos de convivio.

Um bem haja a todos e obrigado pela companhia, partilha, amizade, ajuda e permanente saudavel animação.

Runabraços

Nota : que venha a maratona...estou desejoso de sentir o prazer de terminar a primeira.

46 disse...

Bom,

a minha primeira e única Maratona foi a mesma que o João relatou no seu óptimo artigo.

Fartei-me de sofrer porque não tinha treinado nada para ela, mas com o desafio do João, acabei por a decidir fazer.

20 treinos e 204Km em Janeiro
16 treinos e 181Km em Fevereiro
20 treinos e 183Km em Março
18 treinos e 155Km em Abril

Foi, como consta no texto do João uma decisão tipo "a testoterona a falar …".

Enfim, foi feita com muito suor e alguma dor à mistura.

Este ano pode ser que faça outra.

AC

José Magalhães disse...

A minha 1ª corrida foi na ponte Vasco da Gama. Fiz a caminhada de 7km (2006). Mas como queria correr, cheguei a perguntar à organização se podia correr, tal era a vontade para me iniciar nas corridas.

A partir daqui não mais parei. Primeiro sozinho e a prtir de Abril de 2010 com os RUN4FUN. Tanto em treinos como em provas.
Uma equipa,onde um dos lemas, é a entreajuda constante.

Falta a maratona. O "bichino" já cá anda!!!

Ricardo Nishizaki disse...

A primeira nunca se esquece, nao é mesmo? E pelo pouco que vi de tuas corridas, acho que ainda dá pra conseguir baixar alguma coisa no tempo. Mas se nao der, nao há problema, maratona também é prova para se curtir, aproveitar e sentir a satisfacao do conseguir. Em maratonas, alinhar para a largada já é uma vitória! Terminar uma maratona, independentemente do tempo é um feito!

Rosa Mota esteve aqui no Brasil agora, no final de julho, para prestigiar, a convite dos organizadores, a meia-maratona das Cataratas do Iguaçu. Ela é muito famosa aqui, já que venceu 6 Sao Silvestres seguidas, a prova mais conhecida do nosso calendario brasileiro. Para a maior parte das pessoas que nao correm, a "maratona da Sao Silvestre" é a grande corrida brasileira, para alguns a única, e certamente a mais tradicional. Fez parte da vida de muita gente assistir a Sao Silvestre na TV e depois comemorar o Reveillon, ja que até a década de 90 a corrida era realizada na virada do ano mesmo, de noite. E para quem viu a prova na década de 80, uma coisa era certa: se a Rosa Mota estivesse na prova, ganhava. Muitos aqui nem sabem que ela tem duas medalhas olimpicas na maratona, mas certamente lembram da portuguesa baixinha e magrinha que nao dava a minima chance para as adversárias no 31 de dezembro!

Como vocês dizem, "Runabraços" brasileiros!! E parabéns pela crônica!

Luis Matos Ferreira disse...

Olá João,

Obrigado pela crónica interessante e estimulante.
Fez-me recordar também a minha primeira Maratona, que foi apadrinhada por ti.

Eu tinha-me juntado a este grupo fantástico que é o R4F apenas duas semanas antes e quando no dia 6 de Dezembro de 2009 cheguei ao estádio 1º de Maio, para aquela que seria a minha estreia na distância mítica, tive o privilégio de ser calorosamente recebido por ti. Recordo-me perfeitamente que fizemos mais de metade da prova juntos o que contribuiu sobremaneira para a tornar uma experiência muito mais gratificante do que teria sido percorrê-la sózinho.

Tinha começado a treinar para este novo desafio 4 meses antes e a quilometragem ainda não era grande:

Agosto: 163 km
Setembro: 169 km
Outubro: 223 km
Novembro: 258 km

Aguentei-me bem até ao famoso muro dos 30 km. A partir daí arrastei-me até à meta com bastante dificuldade. No entanto o cruzar da meta, 4:10:36 depois do "tiro de partida", sem dúvida que fez valer a pena todo o sofrimento. A partir daí fiquei viciado.

Espero que continuemos a correr maratonas por muitos e bons anos, que a experiência vale a pena.

Runabraços