sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

S. Silvestre dos Olivais - A corrida


Nota: nesta foto faltam para aí mais uns 10 que também participaram na corrida. Mas não cabiam todos.......eeheheheh

Esta é a corrida do meu bairro e aquela onde, pela 1ª vez fiz, uma corrida "popular" já lá vão uns "anitos".

Tenho por isso uma especial estima por esta difícil corrida. E hoje tive uma grande satisfação adicional: a presença dos nossos companheiros, os casais Amélia e Carlos Gonçalves e Isabel e Rui Oliveira. Eles fazem parte da "história" do nosso clube e são pessoas muito simpáticas e agradáveis, para além de bons atletas. Aqui estão eles na foto.
Estavam ainda um bocadinho aborrecidos com aquela questão da "Meia da areia" que os afetou diretamente, tal como nos afetou a todos nós. Falámos um pouco, desabafaram e penso que ficaram esclarecidos sobre tudo o que se passou posteriormente. Espero por isso, que agora nos façam companhia mais frequentemente, pois muitos dos mais antigos no clube já tínhamos saudades da sua companhia.

Para além disso, uma corrida com um novo traçado, agradável, com algumas dificuldades que não pareceram existir para o Luís Matos Ferreira, o Carlos Martins, o Zé Carlos Melo e uns quantos mais, que estão em excelente forma. Também uma bela representação feminina que até deu para um "sprint" final entre a Elsa Mota e a Sandra Correia. Não consegui perceber qual delas ficou à frente. Também não é relevante.....ehehheheheh

No final, muito frio, que convidava a um rápido regresso a casa para descansar, pois amanhã.....há mais: Lisboa e Amadora, para acabar o ano em beleza.

Logo que o nosso "fotógrafo oficial", o super-rápido Zé Melo tenha as fotos, colocaremos um link para elas.

Fotos aqui e ali, para quem tem acesso ao Facebook

Runabraços

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

S. Silvestre dos Olivais

Amanhã irei levantar os dorsais de manhã e colocarei aqui a lista com os nomes dos que estão inscritos na equipa. Os que não constarem na lista terão que ir levantar os respetivos dorsais antes da prova começar.
Estarei na zona de partida a partir das 20:00 horas.

Início previsto para as 21:00 horas

Runabraços

PS
Temos os seguintes dorsais disponíveis:

Olivais- 1
Lisboa - 2
Amadora - 1

Serão para os primeiros aqui a reclamá-los, em comentários

Já levantei 24 dorsais, todos os que estavam inscritos na equipa.

Inclui Família Amélia e Isabel, Carlos e Rui

Família Correia

Jorge Esteves e Elsa Mota

Carlos Martins, Jorge D Pinheiro, José Carlos Melo, Nuno Marques, Nuno Tempera, Miguel San-Payo, Miguel Dias, Luís Ferreira, Alfredo Falcão e Vasco Pipa, Pedro Mendes, João Veiga

São Silvestre da Amadora 2011

Dorsais e outras coisas mais
Santo António já se acabou,
O ano está-se a acabar,
São Silvestre, São Silvestre
Dá-nos uma ocasião
Para eu "sprintar"!
A foto é do ano passado (depois do final da São Silvestre da Amadora).
Este ano temos "sangue novo" na equipa.
E, com excepção de um (que se antecipou: o Miguel San-Payo), já levantei todos os dorsais dos que se inscreveram como membros da equipa.
Deste modo, tenho os dorsais (e sacos com "bijuteria" desportiva e paradesportiva) das atletas:
- Amélia L. Gonçalves
- Helena Durão
- Inês Forte
- Isabel Oliveira
- Luísa Ralha
E tenho também os dorsais (e sacos) dos seguintes atletas:
- Carlos Gonçalves
- Eduardo Correia
- Gerardo Atienza
- Hilário Torres
- João Ralha
- Jorge D. Pinheiro
- José C. Melo
- José Magalhães
- Nuno M. M. Tempera (sempre frontal, perdão, quase sempre com frontal)
- Nuno Marques
- Paulo Marcos
Todos os que se inscreveram na prova da Amadora e não foram mencionados terão de providenciar o levantamento dos respectivos dorsais.
Tenciono levar o que tenho para a São Silvestre dos Olivais. Os que lá forem poderão assim ficar com os seus pertences da Amadora.
Quando fui levantar os dorsais hoje à noite fui atendido pela antiga atleta Rita Borralho, actualmente preparadora física de corrida, marcha e caminhada, que se disponibilizou para tirar uma fotografia com o grupo.
Runabraços

São Silvestre de Lisboa - Dorsais - Parte II

Como tinha dito levantei hoje os dorsais dos seguintes Runners:
- João Ralha;
- Luisa Ralha;
- Claire Monroy;
- Serafim;
- Nuno Marques;
- Nuno Tempera (único a partir do "balão" dos <40 min.);
- Jorge Duarte Pinheiro;
- Francisco Sanches Osório.

Ficaram mais alguns por levantar;
- Fernanda Marques;
- Gerardo Atienza;
- João Veiga;
- Jorge Paulo;
- José Carlos Melo;
- Luis Matos Ferreira;
- Miguel San-payo.

Quem não estiver nestas listagens, está inscrito a titulo individual. Terá que ir ao piso 7 do El Corte Ingles. Amanha, das 10H00 às 22H00 ou Sábado das 10H00 às 14H00.

Boas provas e bom ano.

Novo Ano, Renovadas Esperanças

The Runner, Public Art @ Liverpool

Quando começamos estamos ansiosos. Partimos com energia!
Confiantes avançamos sem nada nos deter.
Começamos a ultrapassar outros, um pouco mais lentos.
E dizemos para nós próprios "temos de manter o ritmo"!
Com o esforço, a respiração aumenta e o suor aparece.
Apesar das adversidades, do vento, da chuva, da constipação, do jantar de ontem, da falta de repouso, da noite mal dormida, continuamos.
As dificuldades começam a aparecer, e tentamos esquecê-las, contorná-las e continuar.
Começamos a perder impulso e, cada passada torna-se um pouco mais pesada.
Cansados, começamos a ouvir os nossos batimentos e a própria respiração.
Olhamos para os pés, olhamos para a frente e lembramo-nos "nunca parar, continuar sempre".
Extenuados progredimos sem forças, dizemos para nós próprios "continua, continua".
Até que chega a meta, e o nosso objectivo aparece à nossa frente.

A nossa força de vontade, persistência e motivação, fez-nos vencer mais um desafio.
Mesmo quando tudo à nossa volta nos parecia que estava contra e nos sussurrava que não iamos conseguir!

Este pode ser um treino, uma prova, ou... o próximo ano!
Um novo ano que se inicia, esperança que se renova numa vida melhor!

Não parámos em 2011. Não iremos desistir em 2012.
Partilhemos então o melhor da vida durante o novo ano, e continuemos a correr em 2012.

‎"...Because believing it to be possible, and doing it, that is the fun part..."
Alex Zanardi


Run 4 Fun, pelo prazer de correr

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Dorsais São Silvestre de Lisboa


Como esta semana estou num misto de férias/trabalho, amanhã conto levantar o meu dorsal. Se pretenderem também posso levantar o vosso. Para isso necessito do tamanho da T-shirt e caso queiram ficar dentro dos "balões" de tempos 40-45-50 min., é necessário o comprovativo da classificação nos últimos 12 meses. Meu mail jmmagalhaes67@gmail.com.

Runabraços

Treino dos Elevadores


Fotos do último treino, em Dezembro 2010. Um dos pontos altos do treino é beber uma "Ginginha" no Rossio /Largo S. Domingos.


Mais fotos:

Aqui

Runabraços

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

São Silvestres 2011

Há uns companheiros que querem saber quem vai às S. Silvestres. Eu mais a Luísa iremos a três: Olivais no dia 30 às 21:00, Lisboa no dia 31 às 16:00 e Amadora dia 31 às 18:00. E há mais uns quant(a) os que também vão fazer esta tripleta.

Sem contar com o Zé Carlos Melo que também vai à S. Silvestre pirata no da 28, à noite, em Monsanto. E não sei se já foi a mais alguma???!!!.


Os amigos da Amadora foram muito amáveis e publicaram uma foto de um Run 4 Fun, na corrida do ano passado, na promoção da S. Silvestre no Boletim Municipal de Nov./Dez., foto acima.

E tu a que S. Silvestres vais?


Runabraços

domingo, 25 de dezembro de 2011

Treino de Natal Expo Zona Norte - Surpresa

Fomos hoje treinar na Expo, um razóavel grupo de Run 4 Fun, entre eles o Rui Ralha, que convocou o treino, Miguel Correia, Zé Magalhães, João Veiga, Jorge Duarte Pinheiro, António Serafim, Eduardo e Sandra Correia, Luísa Ralha e aqui o vosso escriba. O Dinis Sousa, um amigo do Run 4 Fun e notável atleta, com quase 70 anos, ainda em grande forma, tinha uma surpresa para treinar connosco: o Domingos Castro.

Um dos melhores atletas de fundo de Portugal, de todos os tempos, que participou entre outras competições, em 4 edições de Jogos Olímpicos, tendo sido 4º classificado nos 10.000 metros em Seul, num apertado sprint final tendo ainda o 3º melhor tempo nacional da Maratona com 2:07, na Maratona de Roterdão, que ganhou nesse ano. Também, uma pessoa de trato fácil, muito simpático, como são todos os verdadeiros campeões.



Tal como muitos compatriotas nossos, o Domingos Castro trabalha e vive em Luanda, e veio a Portugal passar o Natal. O Dinis Sousa foi seu treinador e são muito amigos.

Resolvi oferecer a cada um deles uma camisola Run 4 Fun e aqui estão eles, na foto (o Dinis de boné), com ela vestida. O Domingos disse que a vai usar nos seus treinos em Luanda e que tem ideia de já ter visto os nossos companheiros do Run 4 Fun de Luanda, a treinar lá.


Jorge Estevão e companheiros do núcleo de Luanda, aqui está um potencial parceiro de treinos, de altíssima qualidade.

Boas Festas e bom ano de 2012 para todos.

Runabraços

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Véspera Natal...treino Duatlo...Azeitão!

Eis uma bela forma de passar uma parte da manhã da véspera de Natal.... Recebido de Rui Dolores "Concentração às 9h nas piscinas de Azeitão. Levar bike e ténis de corrida. Saída às 9h15 de bicicleta. Arranjamos por ali um circuito com cerca de 1h30 com algumas subidas (já estou a ter ideias...) De regresso às piscinas deixamos as bikes nos carros ou pedimos à Sra da Piscina para guardar e corremos 30min logo de seguida."

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Treino em Sintra

Espero que não se importem mas vou copiar o post que fiz no meu blog só com alguns ajustes. Primeiro porque gostei da experiência e segundo porque acho que pode motivar outros a ir lá experimentar.

Nesta vida das corridas começa a haver algumas estreias. Ontem foi dia de estreia em Sintra.
Um grupo animado dos Run 4 Fun juntou-se perto das 21h e depois de alguma conversa e fotos da praxe estava na hora de arrancar.
Realmente num treino como este (e pelo menos para quem era a primeira vez) o ritmo deixa de interessar tanto porque devido à subida inicial torna-se mais numa prova de esforço.
Fizemos o percurso até aos Capuchos (4 caminhos) onde aproveitamos para um abastecimento de água bem fresquinha.
Depois era hora de regressar. Ao contrário do que esperava as subidas ainda pareceram grandinhas até porque nesta fase as pernas já vinham moídas mas deu para ir aguentando e os perto de 3 Km finais a descer deu para descomprimir as pernas.
No fim e antes de ir para os carros uma pequena paragem na 'Fonte Mágica' para uma água bem fresquinha que no fim de tal treino sabe maravilhosamente. De notar que durante o percurso tivemos vários grupos com diferentes ritmos e diferentes distâncias (muitos faziam piscinas para ver se toda a gente estava bem) mas ninguém ficou para trás ninguém ficou sozinho e na fonte juntámos todos os corredores para beber água para as fotos e isto possibilitou que chegássemos aos carros como aquilo que somos...um grupo...andámos uns mais rápidos outros mais lentos mas chegou tudo no mesmo grupo.
Realmente foi um treino diferente mas bastante agradável. É puxado para quem, tal como eu, não está habituado a subidas mas, tem uma certa magia correr pela serra muitas vezes às escuras (porque ainda não tenho frontal) e vislumbrando por vezes Sintra toda iluminada.
Acho que para primeira vez não me sai mal e do que depender de mim vou repetir.

Tal como disse no inicio o ritmo não é o mais importante mas deixo o resumo para quem quiser ver o percurso.
Da minha parte Obrigado ao grupo, obrigado ao Nuno e ao José Carlos pelas fotos e se já não postar mais um Feliz Natal e próspero Ano Novo com muita corrida.
Abraço e boas corridas

Resumo Garmin
Distância: 15,89 Km
Tempo Total: 1:43:38
Ritmo Médio: 6'31"/Km

TREINO DOS ELEVADORES

Meus Caros Amigos e Amigas do Run4Fun,

Aproxima-se o novo ano e com ele o nosso treino "TREINO DOS ELEVADORES". Como tal irá realizar-se no dia 8 de Janeiro ás 8H. Local de partida no cimo do Parque Eduardo VII ao pé da Bandeira Portuguesa. Temos que partir cedo, pois iremos correr no meio da cidade e conto com imensos participantes.

Anotem nas vossas agendas esta data.

Feliz Natal e Bom Ano de 2012, são os desejos do Miguel Correia e Paulo Curto de Sousa.

Serra de Sintra – A magia do treino nocturno

Caros Amigos,
Entrei para os R4F, pela mão do João Fialho, à cerca de ano e meio.
O meu primeiro treino oficial com esta gente maravilhosa (ainda sem camisola laranja), foi exactamente a um domingo pela fresquinha com uma volta de 15Km (ir até aos 4 caminhos e voltar).

Recordo que além de estar o João, penso que estavam também o Jorge Pinheiro, o Luís Matos Ferreira e seguramente mais dois ou três companheiros a quem peço desculpa por não me recordar.

Descobri nesse dia, que as sapatilhas fantásticas da Adidas personalizadas (e caríssimas), que utilizava, eram na realidade uma autêntica trampa para correr e com o peso que tinha só serviam para me “rebentar” mais ainda as articulações. Só por isso já tinha valido a pena.

A partir desse dia, foram diversas as subidas que fizemos à serra, normalmente ao fim de semana pela manhã, mas sempre à luz do dia.
Com grupos de 4 ou 5 companheiros ou apenas Eu e o João.
Chegámos inclusivamente a organizar treinos “especiais” com participações superiores a 30 atletas e logística devidamente preparada…a serra ficava sarapintada de laranja.
Alguns destes treinos ficarão seguramente para a história.

A determinado momento, o João desafiou-me para subirmos a Serra a um dia de semana….e à noite.
Inicialmente pensei que fosse uma brincadeira, depois verifiquei que não era a brincar e deduzi que o homem estava maluco, e quando dei por mim já estava a caminho e plenamente convicto que em vez de um maluco éramos dois.
Mas atenção a maluquice do João é um pouco superior à nossa, só equiparada à do Paulo Jorge e do Zé Carlos Morais dos Santos…estes meninos se não tiverem companhia, põem-se a caminho sozinhos serra acima e abaixo e acima…enfim malucos em estado avançado.

Aos poucos os malucos foram aumentando, primeiro a Cristina (na mesma semana subiu 3 vezes….e por iniciativa dela!!!), depois o Nuno Tempera(o criador do Farol da Serra), um pouco mais tarde o Luís e o Paulo Jorge, o Franco também se juntou a nós, o Jorge Pinheiro ia pontualmente aparecendo e acabámos a organizar alguns treinos pontuais nocturnos onde convidávamos uma ou outra pessoa para se nos juntar.

Nessa altura, nunca pensei que fosse possível que na mesma semana tivéssemos dois treinos nocturnos na Serra espaçados por 48horas com a participação que tivemos (ainda ontem à noite, após o treino eu e o João falámos do tema e da satisfação com que estávamos pelo sucedido) e ainda por cima com uma percentagem de senhoras muito significativa (significa que a loucura não se resume ao sexo masculino).

Segunda-feira 19, subida a S. Pedro, Sta. Eufémia e ao Castelo.
10Km muito duros, mas o pelotão de 12 bravos não cedeu.
A noite estava maravilhosa e foi possível usufruir da paisagem fantástica e única que estes diversos pontos nos proporcionam.





Quarta-feira 21, subida até aos 4 caminhos e retorno.
15Km simpáticos, “atacados” por um pelotão de 18…sim de 18, “malucos”.


Tivemos estreias nas subidas nocturnas, que foram devidamente apadrinhadas pelo “Senhor da Serra”, João Fialho.


Não tivemos tanta sorte com o tempo, pois o nevoeiro em determinadas zonas não permitiu o desfrutar da paisagem.

O João, apesar de lesionado fez questão de estar presente ao inicio de cada uma destas subidas, apenas e só para dar animo e motivar.
Obrigado João e rápidas melhoras…a Serra já chora por Ti.

A magia da Serra quando se corre à noite é difícil de explicar…mas que é mágico é.
Quem experimenta fica apaixonado. Apesar da dificuldade e dureza de alguns trajectos, o silencio absoluto apenas substituído pelo barulho nas nossas passadas e respiração, a escuridão completa coberta pelas altas arvores em determinadas zonas, as vistas que nos proporcionam determinados pontos, o aparecimento do Palácio na subida ou da Vila na descida…enfim, é muito difícil colocar por palavras o que apenas se sente quando se experimenta e partilha.

E meus amigos, para finalizar os treinos, subir à fonte mágica e beber a água que vem da Serra, é sublime e único.



Espero que tenham gostado.
Nós, os do núcleo de Sintra, adorámos ter a vossa companhia e esperamos sinceramente que se possam juntar a nós mais vezes.

Bem haja a todos e votos de um feliz Natal.

Runabraços

Nota : quem sabe se para a semana poderemos marcar uma subidita para a despedida do ano (não vai ser fácil, temos o treino pirata de Monsanto agendado para quarta-feira e as São Silvestres no fim de semana).

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

XXVIII Maratón Ciudad de Sevilla

Companheiros de corrida.
Existem várias pessoas interessadas (algumas já se inscreveram) em participar na Maratona de Sevilha a realizar no dia 19 de Fevereiro. Eu já estou inscrito.
Seria giro/economico juntarmo-nos numa viagem em mini bus, ou algo semelhante, para fazer a viagem de ida e volta a Sevilha.
O objectivo era ir no Sábado pela manha e regressar a seguir à Maratona.
Aceitam-se sugestões

Runabraços

Marathoner Hall of Fame


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Mensagem Natal - núcleo Luanda

video

Os testemunhos de três dos seis bravos "runners for fun" que temos em Luanda, Angola.
Uma mensagem Natal e de boa disposição do Jorge, Dinis e Vasco! Run 4 Fun...!!!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Jantar de Natal R4F 2011

DSC02719

Ontem, dia 17 de Dezembro, realizou-se o jantar de Natal do R4F de 2011, num simpático restaurante Italiano em Oeiras.

A grande afluência de distintos convidados, membros e seus familiares tornaram pequeno o espaço disponível (foram cerca de 8 dezenas). Para 2012 teremos de fazer o jantar num pavilhão.

DSC02710

A excelente organização do Paulo Marcos com o apoio da Inês Forte, João Ralha e do João Fialho (não me esqueci de ninguém, pois não?), a quem dou os parabéns e agradecimentos, deram-nos a possibilidade de podermos conversar, trocar experiências, confraternizar, jantar e assistir a excelentes apresentações dos nossos convidados e de alguns dos nossos R4Fs.

A palestra iniciou-se com uma introdução sobre a história do R4F tendo-se seguido diversas apresentações, onde foram apresentados por membros R4F os seguintes temas/assuntos:

  • Triatlo - João Paulo Góis
  • Eu corri uma Maratona...e tu, do que estás à espera? – Nuno Marques
  • Correr uma Meia Maratona: porquê e para quê, ou a perspetiva feminina - Sandra Correia, Fernanda Marques, Inês Gil Forte
  • Eu adoro Trilhos! - Teodoro Trindade e Jorge Esteves
  • O planeamento e Gestão do treino - António Cruz e Francisco Sanches Osório
  • R4F Tecnológico – João Fialho que passará a contar com o apoio do César Moreira.
  • “Correr a Direito”- Jorge Duarte Pinheiro - apresentou um livro sobre Direito das Sucessões, de sua autoria, cuja capa é uma foto de um treino do Run 4 Fun em Sintra, tirada pelo grande José Carlos Melo.

Dos nosso convidados tivemos as seguintes apresentações:

  • Treinar para o Triatlo ou a perspetiva do “Insider” -Rui Dolores, bi campeão (2009/2010, 2010/2011) Nacional Escalão. Treinador.
  • Prevenção e tratamento de lesões...a perspetiva de quem está por dentro.... - José Novo, fisioterapeuta (Clube do Stress, Run 4 Fun, Olímpico Oeiras)
  • “Marathon Des Sables” - Professor Mário Machado DSC02769

Nesta ultima apresentação gostaria de destacar 2 pontos que me chamaram a atenção:

  1. No inicio do seu percurso desportivo e com tenra idade, o Professor Mário Machado ficava, com frequência, classificado nos últimos lugares das provas em que participava. Todos lhe diziam que ele dava era para saltador, mas ele continuou sempre na corrida. Isso prova, julgo eu, que uma das razões pela qual corria era o prazer que lhe dava. Mostra também que os campeões não se fazem de um dia para o outro e que com perseverança a confiança, se pode alcançar muito como provam os magníficos resultados desportivos que, posteriormente, o Professor Mário Machado veio a alcançar.
  2. A forma como a organização da Maratona das Areias encontrou para resolver o problema dos atletas deitarem as garrafas de agua para o chão. Nada como um bom incentivo.

Para finalizar, foram entregues os prémios do ano aos nossos atletas que mais se destacaram nas diversas áreas:

  • Atleta feminina revelação: Sandra Correia
  • Atleta masculino revelação: Alfredo Falcão
  • O mais organizado: João Fialho
  • O mais entusiasta: Nuno Marques
  • O mais solidário: Gerardo Atienza
  • O mais persistente: Fernanda Marques
  • O mais completo; João Paulo Góis
  • Os que mais progrediram: Inês Gil Forte e António Cruz
  • Prémio juventude (o mais jovem a completar a meia-maratona): João Veiga
  • Prémio núcleo fora de Portugal: Jorge Estevão - Angola
  • Prémio entreajuda Família: Cláudia Paulino e Helena Bárrios
  • Prémio Carreira: Luísa Ralha
  • Atleta do ano: Luís Matos Ferreira

E assim terminou, pelas 2h da madrugada, um magnifico convívio de pessoas que partilham o excelente vicio da corrida, da atividade física e da amizade saudável.

Não tendo estado presente o nosso fotógrafo de serviço, tentei dar o melhor em condições de luz pouco favoráveis. O que consegui podem consultar aqui : Fotos Jantar de Natal.

Até para o ano com os desejos de um feliz Natal e kms de felicidade em 2012.

AC

54º Grande Prémio de Natal


Hoje no 54º Grande Prémio de Natal da AAL participaram mais de 15 atletas Run 4 Fun (mais que na foto), prova organizada pela Associção de Atletismo de Lisboa, com o apoio técnico da Jesus Events. Uma tradicional prova de Natal já com um longo historial.

Após as provas dos escalões mais jovens, a prova principal com cerca de 8700m, efetuou o percurso com partida no Saldanha até ao Campo Grande e retorno para os Restauradores, num dia em que esteve bom tempo para a prática da modalidade.
Sendo uma prova de atletas para atletas, merecia algumas melhorias, como ser entregue o dorsal e o chip no mesmo momento. E o abastecimento de água a meio da prova deste ano. Não participei em 2010, mas este ano a chegada nos Restauradores foi muito melhor, não havendo a enorme fila de controlo que havia antes.

Muitos atletas trajados à Pai Natal pelas principais artérias de Lisboa, que na Av. Liberdade se cruzaram com um desfile de Pais Natais a andarem de bicicleta.
Afinal tratou-se de uma boa manhã de exercício físico para grandes e pequenos.

Mais Fotos no Facebook, no Álbum do Grupo Run 4 Fun > Aqui.
RunAbraços.

SCP-Maritimo (Jantar dos debutantes da Maratona de Lisboa)

Caros Amigos,

Como grande parte de vós tiveram oportunidade de ter conhecimento, o grupo de debutantes dos R4F na maratona de Lisboa, vai comemorar o feito durante o próximo jogo do SCP em Alvalade.
Com jantar e assistencia ao jogo desde um camarote que nos foi disponibilizado.

Será o jogo relativo à taça de Portugal contra o Maritimo.

O jogo será na próxima quinta-feira às 21horas.

Como sabem também, somos 8 os debutantes :
César / Jorge Paulo / José Magalhães / Miguel Dias / Nuno Marques / Serafim / Tiago / Victor Lopes.

Infelizmente o Cesar não nos pode acompanhar, como tal e como temos um camarote com 8 lugares, sobra um.

Decidimos que a pessoa que nos acompanhar, será a primeira a responder para o meu endereço de email, à seguinte questão :

- Na minha apresentação do Jantar R4F, referi que me tinha dedicado às corridas porque sofri uma lesão muito grave a jogar futebol que me impediu de continuar a efectuar desportos demasiado agressivos para a "rotação das articulações".
Onde é que sofri a lesão ?

Fico a aguardar as respostas para o meu email nmarques@totalstor.com.
O primeiro a responder correctamente, terá o prazer de nos acompanhar.

Runabraços,
Nuno

Nota : Assim que receba a resposta correcta, aviso no blogue e no FB quem foi o vencedor(onde também vou colocar este post)

Desejar à Serra Boas Festas

Caros Amigos,

Na próxima semana temos agendadas duas subidas à serra.

Desejar um Feliz Natal à "nossa amiga" mais que uma obrigação...será um prazer :-) .

Assim sendo :

- Segunda-feira dia 19Dez2011, a célebre St Eufémia.
Saída da fonte Mourisca pelas 21:00.
Subir até São Pedro, subida de Sta Eufémia, volta a São Pedro, subida até ao Castelo e descida até à vila pela rota normal.
São 10Kms aproximadamente, mas muito difíceis…é provável que mesmo homens e mulheres de “barba rija” não consigam fazer todo o percurso a correr…não estou a exagerar (quer Sta. Eufémia , quer o Castelo são subidas muito “agressivas”).
Para quem está habituado às subidas dos trilhos...não terá problemas.

Para este dia já temos garantidos :
Cristina – Paula - Luisa Ralha - Carmen
NunoM – JCMelo - NunoT - JCSantos - João Ralha - Teodoro


- Quarta-feira dia 21, uma subida habitual como presente adicional de Natal.
Saída da fonte Mourisca pelas 21:00… 15Kms em ritmo possível desde a Vila até aos capuchos(4 caminhos) e volta.
já temos alguma promessas para este dia, Fernanda, JCMelo, Eu, NunoT...?

Ficamos a aguardar mais corajosos que nos queiram acompanhar, quer segunda, quer quarta-feira.

Quem quieser ir já sabe...pode enviar email nmarques@totalstor.com, telefonar/SMS para o 937204707 ou mesmo FB(vou lá publicar este post)

Runabraços,
Nuno

Nota : não me venham com desculpas da chuva e do vento e da lua e….e….isto não é pa meninos (nem pa meninas) ☺

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Treino Domingo

No próximo Domingo dia 18 Dezembro vamos fazer um treino de duas horas com inicio às 10H00 na zona norte Expo (local habitual).
Presenças garantidas do Serafim, José Magalhães e Manuel Romano.
É um treino para a minha primeira maratona, do Fábio Varanda e do Rui Ralha.
Quem se junta ao treino?

Treino S Silvestre Lisboa


Companheiros,

Amanhã, Sábado pelas 10:00 horas, será o último treino para a S. Silvestre de Lisboa, em Monsanto, com início no anfiteatro Keil do Amaral, que fica perto da estrada de Montes Claros (mapa). São treinos muito agradáveis em que há grupos para todos os níveis.

Qualquer pessoa pode ir fazer o treino, são treinos abertos.

Vamos "inundar" o treino com as nossas camisolas laranja.

Runabraços

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Jantar Run 4 Fun - Logística

Temos 3 lugares vagos no carro, para partida dos Olivais Sul às 19:00 horas.
Quem quiser aproveitar boleia, avise em comentários, pf.

Runabraços

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

XXII GP "Fim da Europa" Cancelado


"...Aquilo que se quer é muito simples : podermos correr entre Sintra e o Cabo da Roca ! E isso, seja como for, vai acontecer."
por Andrade, Fernando in http://cidadaodecorrida.blogspot.com/2011/12/xxiii-gr-fim-da-europa.html

Subscrevo integralmente as palavras do Fernando Andrade.
Até a RUNNER’S WORLD considerou a Serra de Sintra como um dos 20 hot spots mundiais para correr.

Vamos reservar a data de 29 de Janeiro de 2012 para corrermos de Sintra até ao Cabo da Roca.

Run 4 Fun, pelo prazer de correr

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Subida à Serra - 15Km pela noitinha

Caros Amigos(as):
Local de encontro : Fonte Mourisca
Dia do evento (sem logistica preparada) : Quarta-feira dia 14Dez
Hora de partida : 20:30
Percurso : Vila - Capuchos - Vila (15 a 16Kms)

Confirmados para subir neste momento Já temos :

NunoT, NunoM, Cris, Carmen, Paulo, Fernanda, Camila, Paula

Coloquei a info da subida no FB…aguardamos mais corajosos (se repararem temos 5 mulheres e 3 homens…inacreditável).

Mas também já apareceram alguns meninos :-)
Uns que se dizem lesionados e outros se dizem sem tempo, enfim…para eles e também para os outros cá vai (é Natal, ninguém leva a mal):

A bela serra vamos subir
Quarta-feira pela noitinha
Estamos o grupo a construir
Com coragem para a subidinha

Subidinha forte e dura
Como o grupo que a enfrenta
Nessa noite que será escura
E que alguns atormenta

Atormenta e muito arrepia
E as desculpas lá aparecem
Pois a noite parece fria
E em casa melhor aquecem

Melhor aquecem é o que pensam?
Estão rotundamente enganados
Á medida que os Kms passam
Vão-se sentindo uns felizardos

Felizardos pela possibilidade
De um treino destes desfrutar
É de invejável qualidade
Para o corpo, espírito e olhar

Olhar a infinita e impar beleza
Que a nossa bela Serra nos dá
Despeço-me com essa certeza
Deixando um Runabraço até lá

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

RUN4FUN COLORIU O PASSEIO RIBEIRINHO DE ALHANDRA



Já havia sido aflorada a ideia de combinarmos um treino e conhecermos um pouco melhor o Passeio Ribeirinho de Alhandra que já se estende até ao Jardim Constantino Palha em Vila Franca de Xira e, porque entendo ser um excelente palco de treino, reformulei o Convite/Desafio no passado dia 08 de Dezembro na Expo.
De imediato percebi que a ideia foi bem acolhida pelo grupo (em especial pelo MAGNÍFICO COMUNICADOR João Ralha) e ficou definido o dia 11 de Dezembro (ontem) e o horário de concentração às 09H30, junto ao Restaurante “Voltar ao Cais”, em Alhandra, a cerca de 100 metros do Km Zero deste Passeio Ribeirinho.
Confesso que visitei este Blog inúmeras vezes para tentar aferir da adesão a esta ideia mas nada encontrei. Ainda no sábado, ao final do dia, liguei ao Amigo João para RECONFIRMAR este treino e saber se o projecto estava “de pé”… mal sabia eu que o “trabalho” de divulgação estava a ser feito por outras vias, como é o caso do Facebook!
Chegado o dia, desloquei-me ao Ponto de Reunião para receber os ilustres convidados e, para tremendo ESPANTO meu, eis que surgem dois dali, outros três de acolá, ainda mais dois além e UPSSSS… formámos um grupo de 14 corredores… que MARAVILHA! Alhandra ganhou MAIS COR e acolheu o TEAM RUN4FUN para um Treino ao estilo de Visita Guiada!
E, neste capítulo, um especial destaque para um dos mais novatos corredores presentes, o meu camarada de Armas Jorge Zenha, grande conhecedor da cidade de Vila Franca de Xira e zona envolvente. Este companheiro entendeu dar um “xega p´ra lá” ao tabaco há cerca de três meses e agora devora Kms como que a “chorar os anos que até aqui perdeu”! FORÇA Zenha… estamos contigo… PARABÉNS!!!
Um MUITO ESPECIAL destaque também para um “jovem” que fez questão de MARCAR presença… DINIS SOUSA. Junto deste ATLETA sente-se PRAZER em fazer parte desta apaixonante modalidade… sim, este Homem já palmilhou milhares de Kms, grande parte deles no Pelotão principal. Que PRIVILÉGIO!!!
Por volta das 09H45 demos início ao treino, ladeados pelo Rio Tejo e os mouchões implantados nesta zona rumamos a V. F. Xira, objectivo traçado, 15Kms! A cerca de 800 mts encontramos as Piscinas Batista Pereira (uma referência nesta localidade), o grupo seguia a cerca de 6Mn/Km e contemplava a paisagem… no horizonte o Rio, a Ponte Marechal Carmona e a antiga Fábrica do Descasque de Arroz de Vila Franca. Ao Km 4 entramos no jardim Constantino Palha, que circundamos, e seguimos até à antiga Praça de Toiros de V. F. Xira, já na Lezíria, onde atingimos o ponto de viragem. No regresso voltámos ao jardim, onde pudemos ver um lindo Quadro de Alves Redol (Junto ao Pavilhão da UDV) e a bela Estação da CP daquela cidade com uma linda fachada! Retomámos o Passeio Ribeirinho de regresso e… veio a ideia do Fartlek… Aquele traçado estava mesmo “a pedi-las”! O ritmo acelerou, o grupo partiu-se e a cor laranja dividiu-se pelo traçado em mini-grupos!
No final, TODOS nos reagrupámos e, enquanto alongávamos, falávamos deste episódio de treino!
Ficou guardada para mim uma inesquecível surpresa que partilho com TODOS vós: este maravilhoso grupo uniu-se à minha volta para me fazer um tributo pelo convite para este treino com uma SALVA DE PALMAS!
OBRIGADO RUN4FUN!!!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Maratona de Lisboa 2011

Permitam-me partilhar convosco algumas reflexões sobre a atividade.

O Startup na Maratona:
É fácil ao corredor de pelotão evoluir até à meia maratona. Existem muitas provas de 10, 12, 15, 20 km e meia maratona. É mais difícil fazer o salto para os 42 km através de provas, dificultando mais corredores evoluírem para esta distância.
Felizmente em 2009 consegui evoluir até à minha estreia na Maratona de Lisboa em Dezembro. Os treinos de preparação nesse Outono com treinos longos, séries e rampas, a ansiedade que eu criei, o esforço e a própria prova, continuem ainda hoje uma das que mais me marcaram. Nenhuma outra Maratona me galvanizou tanto como a preparação e a euforia da minha estreia na Maratona de Lisboa (3:53).

No Verão de 2010 na companhia e incentivo deste fabuloso team Run 4 Fun, defini o objetivo de voltar a fazer a Maratona de Lisboa e programei no 2º semestre de 2010 uma preparação que não consegui seguir regularmente por motivos profissionais e pessoais. Um dos treinos longos que eu tinha calendarizado era no fim de semana da Maratona do Algarve. Decidi ir a Faro como treino para a Maratona de Lisboa. A Maratona do Algarve (3:51) saíu-me bem para o que tinha previsto que nos dias seguintes inscrevi-me na Maratona do Porto para mais um treino longo para Lisboa.
Ironia do destino, a Maratona do Porto (3:42) correu-me tão bem e gostei tanto desta prova, que aquilo que seria um treino para Lisboa foi a minha melhor prova e passou a ser a minha preferida.
Foi com enorme prazer que em Dezembro de 2010, apesar de não me ter corrido bem, ao terminar a Maratona de Lisboa (4:09), concluía 3 Maratonas em 2 meses, sem ter previsto no início.

Foi neste ambiente que defini para o 2º semestre de 2011 a Maratona do Porto como a prova alvo.
Em 2011 a Maratona do Algarve fez parte do programa de preparação desde o início como treino de resistência psicológica. A Maratona do Algarve (4:04) não me correu bem, o que não me deixaria boas espectativas para a Maratona do Porto. Por sua vez, a Maratona do Porto de 2011 (3:31), não só pelo resultado, foi uma prova em que tudo me correu melhor do que esperava. Comecei a ritmo de 5'/km na perspetiva de ver até onde conseguir ir neste ritmo. Estava consciente que a meio da prova não aguentaria o ritmo e o aumento de temperatura e o vento fariam o resto. Aconteceu surpreendentemente que eu consegui manter o ritmo de 5'/km ao longo do percurso e só abrandei em abastecimentos e no km final.

Gestão de expetativas:
Até 2010 só participei em provas de estrada. Em 2011 para diversificar e aumentar o prazer de correr, participei em algumas provas de trail. Nos trails em que participei deu para perceber que antes de continuar a apostar nestas provas, tenho que treinar bem a progressão em terrenos acidentados, que é a minha grande dificuldade. Também pelo maior risco de lesões e acidentes, decidi passar a participar em trails apenas numa parte do ano, para não prejudicar a restante atividade.

Ao longo de 2011 repensei várias componentes, pesquisei informação e experiências, muitas vezes faladas nos treinos, relativamente a tática nas provas e outros aspectos que influenciam a corrida: Alimentação, Treino, Descanso, Cross training,...

Alterno provas longas com provas curtas e sigo um percurso que me dá muito prazer e incentivo de conhecer provas, o convívio com os atletas, estar em localidades onde nunca tinha pensado ír, da mais pequena prova à maior.

2 a 3 treinos por semana mais a prova no fim de semana. Treinos de grupo para aumentar a motivação. Treinos individuais para aumentar a resistência psicológica. Treinos frequentes com variações de ritmo. Aumento do volume de treino até algumas semanas antes das provas alvo e muito descanso nos dias que antecedem as provas longas. Comecei atividades de ginásio para manutenção de outros grupos musculares (gosto muito de spinning, dá cá uma pedalada...).

Alimentação:Foram 20 anos de estilo de vida praticamente sedentário (desde a escola secundária) e de grandes erros alimentares. Há cerca de 10 anos pesava 98 kg e concluí que tinha de fazer alguma coisa para mudar a situação. O excesso de peso e de gorduras foi o "click" que me incentivou a mudança.
Desde 2005 faço uma ou outra corrida e após 2008 corro regularmente: 2004/05 (8 provas; 183 km em treinos e provas); 2005/06 (2; 16km); 2006/07 (6; 63 km); 2007/08 (10; 103 km); 2008/09 (34; 609 km); 2009/10 (31; 1566 km); 2010/11(55; 2290 km).

Embora tivesse reduzido o meu peso, passei a pesar 85 kg tendo estabilizado neste peso. Percebi que por mais exercício que fizesse não conseguia reduzir só com exercício físico.

Em Outubro quebrei uma das regras básicas de não se fazerem experiências antes das provas principais. Arrisquei e apliquei um plano alimentar e através da alimentação consegui reduzir significativamente o meu peso, o que me facilitou a correr as provas mais recentes. Substituí alimentos que habitualmente consumia por outros com nutrientes equivalentes mas com menos calorias e fui bem sucedido na diminuição do peso, apesar de ainda não ter atingido um peso aceitável.

Nas vésperas de provas longas, tipicamente Massas italianas com tomate e um bife de frango, 1 laranja, gelatina e arroz doce. Na manhã das provas: Cereais (all bran ou muesli) e frutos silvestres com pouco leite, 2 ou 3 bolachas com doce e mel, 1 banana.

Durante as provas é importante manter os níveis de hidratos de carbono. Um gel de 10 em 10 km e em provas longas de 8 em 8 km contribuindo para retardar o desgaste muscular. Após as provas, consumo acrescido de proteinas para melhorar a recuperação.

A Maratona de Lisboa:
Após a Maratona do Porto fiz um "auto-checkup" e percebi que daria para fazer a de Lisboa. Nesta Maratona de Lisboa vários fatores ajudaram: Manhã com boa temperatura para a atividade, não choveu e houve apenas uma brisa leve ao longo do Tejo.

O ambiente criado nos treinos, a dimensão da equipa Run 4 Fun na prova, os exemplos de persistência e esforço dos estreantes Run 4 Fun nas distâncias, alavancaram a prestação coletivamente e individualmente desta manhã. Apesar de eu achar esta mais difícil que a do Porto, também fui influenciado por este ambiente e consegui ser bem sucedido a aplicar a mesma receita que usei no Porto, ritmo sensivelmente constante ao longo da prova, exceto na subida da Almirante Reis onde abrandei o ritmo por efeito físico, e eventualmente também psicológico.

Fiz esta prova com a nova camisola de alças com o novo logotipo Run 4 Fun como combinado com os fundadores da equipa. Dou-me menos bem com t-shirts em longas distâncias ou com tempo quente, pelo maior aquecimento do tronco. Sendo possível, prefiro usar camisola de alças laranja, como sabem, mas não é fácil encontrar.

Ao longo do percurso encontrei os vários companheiros e incentivamo-nos mutuamente, não falhei nenhum abastecimento nem toma de gel que tinha previsto. Tive atenção á minha respiração por forma a manter os níveis de oxigénio, e à minha postura: peito para a frente, abdominal ativado. Tomei atenção à minha passada e aos meus joelhos. Eu sou pesado e os joelhos são o local onde começo a sentir os primeiros efeitos musculo esqueléticos. No fim consegui baixar uns segundos das 3:30.

Embora com tempos modestos, no fim desta manhã concluí as 6 Maratonas de estrada que se realizaram em Portugal Continental em 2010 e em 2011.

Provavelmente não o teria atingido, nem seria a mesma coisa sem a companhia e o apoio de quem vocês sabem quem são e a quem eu agradeço muito. Esses “loucos que correm”: Um conjunto de amigos e companheiros Run 4 Fun com quem corro e partilho os objetivos comuns. Uns são mais experientes e outros mais “novatos”, mas todos provocam que esta atividade seja um enorme prazer, com boa disposição e um enorme companheirismo.

RunBeijinhos e RunAbraços.

Feliz Aniversário

Este mês de Dezembro estão de parabéns os nossos atletas:

1 de Dezembro Maria Correia
5 de Dezembro Jorge Bastos
6 de Dezembro João Gomes
10 de Dezembro Francisco Sanches Osório
11 de Dezembro Carlos Gonçalves
13 de Dezembro Luís Matos Ferreira
15 de Dezembro Christina Miller-Ferreira
15 de Dezembro Joana Morais Barros Peralta
15 de Dezembro Tiago Ribeiro
17 de Dezembro Filipe Leitão
17 de Dezembro José Leitão
22 de Dezembro Gonçalo Cardoso
27 de Dezembro Rui Bárrios Ferreira
29 de Dezembro Gonçalo San-Payo

Fazemos votos de um feliz aniversário!

Um ano são 365 novos começos movidos pelo desafio sempre renovado de viver e de concretizar sonhos com esforço e dedicação.
Que continuem a partilhar a alegria de correr connosco.

Run 4 Fun, pelo prazer de correr

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Camisolas de alças





Caros companheiro(a)s,

A pedido de “numerosas famílias” perguntámos à Decathlon se era possível mandarem fazer camisolas de alças, idênticas à que o grande Zé Carlos Melo, utilizou na Maratona de Lisboa, mas de cor laranja, e no mesmo tecido das nossas. Aqui está uma perspetiva de como ficará.

O responsável do running da Decathlon pediu para lhe mandarmos uma previsão das nossas necessidades para eles a poderem considerar na coleção de Primavera/Verão que estará disponível em Fevereiro/Março, do próximo ano. Não deu a garantia de que as teriam disponíveis na cor laranja, mas vale a pena tentar. E assim já ficamos a saber as necessidades para considerarmos eventuais alternativas.

Tal como no caso das camisolas de meia manga pedimos que nos indiquem o vosso nome, tamanhos e quantidade de camisolas que querem através deste questionário. Gostaríamos de ter esta informação até ao próximo dia 15 de Dezembro.

Runabraços

26ª Maratona de Lisboa

Crónica de uma conquista anunciada.

Há já um ano que tinha como objectivo baixar das 3 horas na mítica distância da Maratona.

Tinha-o tentado no Porto em Novembro de 2010 e novamente em Lisboa em Dezembro do mesmo ano.

No Porto fiquei-me pelas 3:09, com parciais de 1:33 + 1:36. Em Lisboa quedei-me pelas 3:13, com parciais de 1:31 + 1:42. Nesta última, ao início ainda tentei seguir a bandeirinha das 3 horas, mas cedo abandonei esse propósito. Ainda assim, consegui fazer a primeira metade em 1:31, o que ainda permitia manter a esperança no sucesso. No entanto, a dureza da prova, conjugada com as condições meteorológicas adversas e a falta de preparação para um tão ambicioso objectivo, levaram a que eu quebrasse na longa subida da Almirante Reis. Paciência, o desafio teria que ficar para o esperançoso ano de 2011.

Entretanto comecei a preparar-me para os 101 km de Ronda, para os 70 km da Freita e para os 78 km do Swissalpine, e não voltei a pensar na Maratona. Esse “bichinho” não tornou a atormentar-me até concluir os trilhos do K42, na Serra da Lousã, a 8 de Outubro deste ano.

Uma prova de Trail tem características completamente diferentes de uma Maratona de estrada. No Ultra-Trail trata-se, sobretudo, de resistir ao desgaste acumulado, em mais de uma dezena de horas passadas a correr em pisos com variados graus de tecnicidade e com desníveis acentuados. Numa Maratona o que conta é conseguir manter um regime elevado, em percursos relativamente lineares, durante algumas horas. Ambos os tipos de provas representam grandes desafios, sobretudo quando empreendidas no limiar da capacidade individual, independentemente da performance de cada um.

Quando entro numa prova, realizo-a sempre no limiar da minha capacidade, para que quando termine não me sobrem dúvidas se poderia ter feito melhor. Muito portuguesmente, “ou vai ou racha!” É uma opção pessoal, nem melhor nem pior do que qualquer outra, mas é a minha.

Assim que terminei o K42, teve início a minha preparação para as Maratonas do Porto e de Lisboa. No entanto, como não consigo resistir a estes “chamamentos da natureza”, inscrevi-me nos 42 km do Grande Trail Serra D’Arga, que teriam lugar no dia 23/10, duas semanas antes da data da Maratona do Porto. Todavia, a prova acabou por ter apenas 20 km devido às condições meteorológicas, que obrigaram a organização a encurtá-la. Apesar do desapontamento, essa mudança até foi vantajosa para mim, pois permitiu-me retomar a preparação para a Maratona mais repousado.

Já descrevi, noutro post, a minha experiência no Porto em 2011, mas deixo aqui o resumo do que aconteceu. Parti confiante que seria dessa que iria cumprir o meu objectivo. Realizei a quase totalidade da prova à frente do balão das 3 horas. No entanto a partir dos 30 kms comecei a acusar o desgaste, dei o meu melhor, mas fui por fim ultrapassado pelo balão, a apenas 2 kms da meta. Tinha tido o objectivo tão próximo e no entanto vi-o escapar-se-me por entre os dedos. Atravessei a linha de chegada em 3:00’53’’, 53 míseros segundos demasiado tarde…

Não me deixei esmorecer e, nas 4 semanas que me restavam para Lisboa, intensifiquei a minha preparação. Incluí pela primeira vez séries no meu “plano de treinos.” Na verdade, esse “plano” consiste, basicamente, em fazer um longo, durante o fim-de-semana, natação uma vez por semana e correr rápido nos outros dias (agora reforçado com as séries). Também não tomo suplementos alimentares mas procuro fazer antes refeições equilibradas (peixinho, sopa de legumes, leite e frutos secos fazem milagres).

Volume de treino; 3 Maratonas de Lisboa assinaladas

Gosto de usar as provas, em ambiente de competição, para treinar de uns eventos para outros. Motivam-me para me superar. Assim, corri pela primeira vez a Meia Maratona da Nazaré e ainda fiz o G. P. da Arrábida.

Na véspera do grande dia, deitei-me cedo. De madrugada, acordei despertíssimo, sem necessitar de relógio, cerca das 5 horas. A adrenalina já corria nas veias. Tomei um pequeno-almoço de fruta e torradas com mel e preparei o material habitual para estas lides: 6 géis de 41g, o Garmin, as meias de compressão, os ténis adidas levezinhos, o chapéu para evitar o sal nos olhos e, com imenso orgulho, a novíssima camisola dos Run 4 Fun.

Saí de casa e corri 2 km até à estação do Oriente. Serviria como aquecimento. Aí apanhei o metropolitano, onde encontrei o César Moreira, entusiasmado com a perspectiva de completar a sua primeira Maratona. Chegados ao Estádio 1º de Maio, encontrámos logo a malta da camisola laranja, bem visíveis e animados.

RUN 4 FUN

Deixei o saco com a muda de roupa junto da organização e encaminhei-me para o local da partida. Posicionei-me cedo na linha de partida, pois sabia que, se queria cumprir o meu objectivo, todos os segundos contavam. Baseado na minha experiência do ano anterior, sabia que Lisboa seria uma prova mais dura que o Porto. Eu teria que ser mais forte do que 4 semanas antes. Na partida juntaram-se-me o Olivier Delmotte (na sua estreia), do Clube Vodafone, o Orlando Ferreira (já experiente maratonista) e o Carlos Silva, dos Pumas do Guincho, que vinha de fazer um tempo excelente na Meia Maratona da Nazaré.

Dado o tiro de partida, arranquei com força, pois gosto de me libertar do grupo compacto para evitar atropelos. Assim, fiz logo os 2 primeiros kms abaixo dos 4’00’’/km e deixei para trás a bandeirinha das 3 horas. Ao 4º km reduzi o ritmo, pois não convinha começar a acumular acido láctico tão cedo na prova.

Ainda me mantive à frente da bandeira até entrar no Campo Grande, onde fui apanhado pelo pelotão de cerca de 15 atletas que se moviam em uníssono com a “lebre” das 3 horas. Deste ponto até à Praça do Comercio fui por vezes adiantado em relação a este grupo e noutras vezes no seu seio. Esta primeira metade da Maratona engana um pouco e tem algumas variações de altimetria que ocasionam variações de ritmo. Eu tenho tendência a aproveitar as descidas para acelerar, uma vez que o meu ritmo cardíaco não se ressente.

Grupo da Bandeira das 3 horas

Os minutos e os quilómetros foram passando até que finalmente chegámos a Santos e, guiados pela bandeira, qual Gil Eanes a dobrar o Cabo Bojador, atravessámos a marca da Meia Maratona, com um registo de 1:28, ou seja com 2 minutos de folga. Tive a primeira oportunidade, de muitas, de rever os rostos alegres e encorajadores dos companheiros Run 4 Fun. Relembro o João Ralha, sorridente quando me viu passar. Pouco depois teria início a prova da Meia Maratona, em que duas dezenas de laranjinhas tomaram parte.

Avançámos a bom ritmo até cerca do quilómetro 28, já perto de Álges, onde invertemos o sentido e voltámos na direcção da Praça do Comercio. Até aqui continuava a sentir-me bem, mas confesso que se não fosse o grupo da bandeira teria provavelmente fraquejado. O andamento rápido, que a “lebre” continuava a imprimir, permitiu-me permanecer na rota correcta.

Percurso da Maratona

A partir daqui cruzei-me várias vezes com companheiros Run 4 Fun e de cada vez que isso acontecia recebia palavras de encorajamento, o que me fazia acelerar um pouco o passo. Em prova alguma ouvi tantas vezes gritado o meu nome. Com 15 participantes na Maratona, 20 na Meia Maratona, 20 nas Estafetas, e ainda um numeroso grupo de entusiásticos apoiantes, a cor laranja estendia-se ao longo de toda a Avenida da Índia e 24 de Julho. Deste ponto em diante, foi cerrar os dentes e manter, sempre manter, o ritmo, para segurar a folga necessária, a fim de ter tempo de subir a Almirante Reis, o meu Everest.

Cruzei-me com o António Cruz, que aparecia em toda a parte para tirar fotografias aos esforçados atletas.

Chegámos novamente à Praça do Comércio, percorremos a Rua da Prata e iniciamos a tão temida subida da Almirante Reis. Esperavam-nos 6 duros quilómetros a subir. Cerrei ainda mais os dentes e fui buscar à minha reserva mental as forças necessárias para manter um ritmo abaixo das 4’30’’/km, deixando para trás o grupo da bandeira.

O objectivo começou a materializar-se. Já sentia a meta a aproximar-se. Mais algumas centenas de metros e entrei no estádio. Percorri os duzentos metros finais num sprint louco para tentar ficar ainda dentro do minuto 57. E, finalmente, lá consegui cortar a meta em 2:57’58’’.

Meta!

As longas horas de treino, a difícil restrição alimentar e a mentalização positiva tinham-se concretizado no resultado pretendido: a barreira das 3 horas tinha finalmente caído! Sentia-me exultante de alegria!


Fui buscar o saco com a muda de roupa, recebi uma massagem relaxante e juntei-me ao animado grupo Run 4 Fun que se ia agrupando nas bancadas do estádio. Celebrávamos com enorme entusiasmo a chegada de cada atleta. Permanecemos inamovíveis até à chegada do último Run 4 Fun.

Por fim, terminada a festa, regressei para minha casa, para a minha família, que sempre me apoiou ao longo dos anos e a quem tudo devo.


“Uma vez que nos espera uma longa vida, mais vale viver esse tempo cheio de vitalidade, com objectivos bem claros em mente e perseguindo com firmeza as nossas metas, do que atravessar os anos que nos esperam no meio do nevoeiro. Nessa perspectiva, julgo que correr constitui uma verdadeira ajuda. A essência da corrida consiste em nos obrigar a dar tudo por tudo, dentro dos nossos limites. E isso funciona como uma metáfora da própria vida (…)”

Haruki Murakami, "Auto-retrato do escritor enquanto corredor de fundo."


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

"Aqui dorme o homem da Maratona"



Vou começar pelo fim. Quando no final de Domingo vou entrar no meu quarto, encontro esta frase, escrita pelo meu filho, colocada na porta do meu quarto. Fiquei sem reacção, sem palavras.

Quero pedir desculpa ao António Cruz, por publicar uma foto tirada por ele. E ao Serafim, Miguel Dias e Miguel San Payo por utilizar a imagens deles nesta foto. Mas é este o nosso espirito RUN4FUN. Alegria, boa disposição e entreajuda (foto fabulosa).

Ao Miguel Dias e ao Serafim, um agradecimento especial pela constante troca de informações quer em treinos longos quer durante as provas que fomos realizando e mantendo sempre o mesmo ritmo até uma determinada fase. Também ao António Cruz pela aula dada no fim da Meia de Almeirim.

A MARATONA. O concretizar de um desejo que há uns meses eu pensava simplesmente impossível de realizar.

O "bichinho" começou a entrar a partir do momento em que termino o Trail nocturno de Óbidos (prova durinha). Comecei a sentir que já começava a ter condição física para participar numa maratona. Os testes finais eram as meias maratonas de São João das Lampas e da Vasco da Gama. Se terminasse as provas abaixo das 02H00 inscrevia-me na Maratona de Lisboa. Dito e feito. Inscrição realizada no mesmo dia da Meia da Vasco da Gama.

Durante os treinos da Expo, o Nuno Almeida falava do plano do My Asics que tinha feito para a Maratona de Amesterdão. Aproveitei a dica e fiz um também para mim (não achei difícil, falta as séries).

Comecei a levar o plano mais ou menos a "bom porto", juntamente com outros companheiros (que entretanto também se inscreveram para a Maratona ou para a Meia). Quer nos treinos na Expo, quer nos longões (provas ou treinos).

Dia da prova. Objectivo (plano My Asics) era fazer por volta de 05m55/Km, ou seja, terminar confortável. Os treinos apontavam para isso mesmo. Noite anterior, refeição de macarrão com ovo. Acordei Às 06H00 e o pequeno almoço foi o normal (já o é há uns bons meses) reforçado. Um copo de água, 1 torrada com doce caseiro, leite de arroz com cereais tipo granola (tem tudo o que nos faz falta, frutos secos, sementes de abóbora, flocos de aveia, trigo etc.) e por fim um café.

Momentos antes do inicio troca de ideias, ouvir os mais experientes. Partida e lá vamos nós em direcção ao nosso futuro. Comecei na companhia do César, do Vitor e do Tiago. Por volta dos km 2 já só ia com o César (O Vitor e o Tiago queriam manter um ritmo mais calmo), só que o César está com a "pica" toda e enquanto não apanhou o trio Serafim, Miguel Dias e Miguel San Payo não descansou. A partir do km 6 já estava sozinho e a tentar manter um ritmo por volta dos 5m50. Mas o facto de também querer apanhar o grupo fez com que "acelerasse" um pouco mais. Consegui chegar-me a eles por volta do km 13 e fomos sempre colados ao "balão" das 04H00, numa galhofa total, aquilo a partir de determinada altura parecia mais um daqueles treinos da Expo que a estreia numa maratona.

A partir do km 28 e depois de ter tomado um quadrado de marmelada dado pela organização fui quebrando e ficando para trás. Aí sim, começou a maratona. Levantei o pé e fui ficando para trás. Faltava força nas pernas. Quando cheguei à Almirante Reis tive que andar um pouco e depois do Areeiro foi sempre a correr até à META. Até à próxima.

Queria ainda agradecer também às dezenas de companheiros RUN4FUN que antes e durante foram incentivando, com especial agradecimento à Luísa Ralha que ao passar por mim, numa altura em que estava a perder gás, diz mais ou menos isto "come e bebe para te aguentares até ao fim". E ao Gerardo que nas suas "piscinas" também me ajudou a ter mais forças num momento em que já eram poucas.

Por fim agradecer à minha família, sem eles não tinha conseguido.


Runabraços

A primeira Meia...de muitas

Neste momento devem me estar a achar parvo por começar pelo fim...e por não estar a falar da minha Meia. Mas para mim e para muitos foi isto que interessou, o espirito que vivemos e o apoio que demos e sentimos. Portanto comecemos pelo mais importante...Obrigado Run 4 Fun

Passemos então à minha prova.
Foi aqui que começou tudo...cheguei atrasado (maldita cama sempre tão confortável) mas ainda fui a tempo de aplaudir os amigos que faziam a Maratona e Estafetas...logo ali descomprimi tudo estava em família já nada podia correr mal.

Comecei a corrida muito lento porque sabia que ia querer forçar. Quando pensei ir apanhar 2 R4F, apareceu um rapaz que escreve noutro blog que sigo e como sabia que ele ia para um tempo pior fui na companhia dele até ao retorno em Algés como forma de me cortar nos exageros...não sei se fiz bem e se podia ter feito uma prova melhor e mais rápida mas não me interessa porque vim bem e animado.
Chegados ao retorno senti-me com força e acelerei (que é como quem diz fui menos devagar) e começa a onda de cumprimentos entre os Run 4 Fun....a cada aceno um novo estímulo...a cada sorriso um outro sorriso e uma palavra de apoio...portanto todos foram importantes.
Pela ligação familiar estava à espera que o César passasse e quando o vi sozinho e com quem vinha com cara de passeio pensei para mim que tinha de fazer a minha parte e que também ia chegar ao fim fosse sozinho e acompanhado. Vi depois também os estafetas e todos foram atenciosos de ver como me estava a sentir principalmente a Luisa Ralha que falou comigo e deu força para o que faltava.
O seguinte foi a flecha José Carlos Melo que se deu ao trabalho de abrandar ver como estava e apoiar e depois seguiu.
A seguir veio a parte pior...provavelmente por vir sozinho vinha a quebrar e quando vejo um ponto laranja pensei 'bem lá vem mais um sorriso e mais um estímulo para o que falta'...mas o Gerardo trocou me as voltas...juntou-se a mim um Km deu toda a força apanhou por mim as águas e disse-me algo que me tirou um certo medo que foi 'se tiveres de andar na subida não é vergonha nenhuma'.
Ao passar a Praça do Comércio tenho fotos em que se vê que vinha com cara de esforço, mas se consegui sorrir para a foto é porque vinha a curtir à grande a prova.
Comecei a subir calmamente sem pensar em mais ninguém...andei 1 min depois corri e depois mais 1 minuto sem vergonha como diz o Gerardo...cheguei ao Areeiro e disse para mim 'Já está vê lá se cumpres o objectivo' o meu objectivo era ter o ritmo abaixo dos 6.
Comecei a correr até que na porta do Centro Roma estavam os meus avós...para quem conhece a minha avó sabe que ela grita e bem senti uma felicidade imensa e ainda mais força quando ela disse 'Vai filho tás muito bem'...acelerei por eles...quando entro no tartan e vi a mancha laranja e pensei que queria era ir para lá...se um aplaudisse seria o maior prémio...fiz os 200 ou 300 metros finais os mais rápidos de toda a meia e esses foi por vocês.

Acabei...fui aplaudido pelo grupo laranja que era quem me interessava no meio daquela gente...e senti uma alegria gigante de cumprir os meus objectivos
O resto foi a continuação da festa...festejamos cada um dos que passou a meta e todos sabiamos que estamos de PARABÉNS.
Sem vocês este dia não era para já...sem o César que me puxou para isto...sem o João Ralha que me recebeu...sem o Tiago Ribeiro que fez comigo a primeira prova como R4F...sem o José Carlos sempre atencioso com todos...sem o Gerardo que correu comigo o Km...sem o Manel Romano que me manda sempre a sms dos treinos...sem particularizar mais...sem os Run 4 Fun hoje o texto não seria este portanto tal como comecei OBRIGADO RUN 4 FUN...

PS- prometo não me esticar tanto nos próximos relatos

Lesões - perguntas e respostas

Passada a euforia da Maratona de Lisboa,  é tempo de voltamos aos treinos. Infelizmente alguns de nós têm condicionamentos ou impedimentos por lesão. Para além do desespero, assolam-nos muitas dúvidas e perguntas sobre esta temática, que gostaríamos de ver respondidas de forma idónea. Neste interessante site, que acompanho já há algum tempo, podemos obter muita dessa informação. Permite inclusive colocar questões caso não estejam já respondidas.

http://www.sportsinjurybulletin.com/questions

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

A minha primeira maratona

Concretizei um sonho, efectuar a minha primeira maratona.

A minha adrenalina começou na véspera, jantei um prato cheio de massas, preparei com muito cuidado todo o equipamento e coloquei o despertador para as 6,50.

Eram 23 horas quando me fui deitar, escusado será de dizer que não dormi nada. Eram 2 da manhã e nada de adormecer e quanto mais pensava que tinha que descansar mais desperto ficava, por fim lá adormeci.

6,45 o despertador não precisava de tocar porque a pestana já estava aberta.

Chego ao Estádio 1º de Maio já a excitação estava ao rubro. Procurei o João Ralha que me tinha feito o favor de levar o meu dorsal. Dirigi-me ao pavilhão multi-usos e entreguei o saco com a minha roupa.

Juntei-me aos meus companheiros na zona da partida, que iam fazer a maratona a meia-maratona e estafetas, para as trocas de impressões, objectivos, tácticas e dicas para efectuar a prova.

9 horas é indescritível a adrenalina que estava no ar, ouvimos as últimas dicas dos nossos companheiros já experientes nestas correrias, concentramo-nos, e, eis que se houve o tiro de partida.

Juntei-me a um grupo de companheiros uns estreantes como eu, Miguel Dias e o António Serafim, e os mais experientes o Miguel San-Payo e Jorge Pinheiro.

Km 10, o Jorge Pinheiro desapareceu e foi substituído pelo César Moreira, fiquei eu mais o Miguel San-Payo, Miguel Dias, António Serafim e o César Moreira.

Km 14, perto de Sete-Rios avanço e sigo sozinho à procura do Jorge Pinheiro.

Km 18, juntei-me ao João Pedro Palmela e fui com ele pela Avenida da Liberdade, Restauradores, Rossio, Rua do Ouro, Praça do Comércio que estava bastante animada com bombos e muitos espanhóis que faziam uma grande algazarra, mais parecia que estávamos a fazer a maratona de Madrid.

Km 24, Avenida 24 de Julho o o João Pedro Palmela desaparece e junta-se a mim de novo o grupo inicial: Miguel San-Payo, Miguel Dias, António Serafim e o José Magalhães.

Km 31, ainda na Avenida 24 de Julho, Miguel San-Payo, Miguel Dias e António Serafim arrancam e fico para trás e o José Magalhães ainda um pouco mais para trás.

Km 34, encontro o Jorge Pinheiro ao chegar ao Caís do Sodré (andava o Gerardo Atienza a fazer de reboque) e sigo juntamente com ele até à Praça do Comércio, Rua da Prata, Praça da Figueira, Martim Moniz e começamos a fazer a fatídica Almirante Reis.

Km 38, eu e o Jorge Pinheiro juntamo-nos ao Miguel Dias, e passa por nós a Luísa Ralha, dando-nos indicações para irmos com calma porque já faltava pouco para terminar.

Km 39, Jorge Pinheiro e Miguel Dias seguem e fico para trás. Foi o momento mais emotivo que tive porque tive que gerir uma série de conflitos dentro da minha cabeça, e comecei a emocionar-me bastante, certamente derivado ao esforço, as lá consegui arrumar a cabeça concentrar-me na prova com um único pensamento “já falta pouco”.

Km 40, Rotunda do Areeiro, abastecimento com fruta e agua, ai parei e as pernas já não respondiam, aproveitei para comer uma laranja, beber agua e fui a andar pela Avenida João XXI.

Km 41, Entro na Avenida de Roma e começo a correr e vejo ao fundo cerca de 400 metros à minha frente o Miguel Dias, ganhei de novo animo e foi sempre atrás dele, embora mantendo sempre a mesma distância, porque as pernas não davam para mais.

Km 42, entro na Avenida Rio de Janeiro, e cruzo-me com a minha família que saltava, gesticulava e gritava palavras de incentivo, confesso que me contive para que as lágrimas não me caíssem pela cara abaixo (não é que seja vergonha chorar, mas bolas, era a minha primeira maratona não podia dar parte fraca).

Km 42,196, a META, desculpem-me mas não consigo descrever a sensação que tive, é uma mistura de júbilo, excitação, euforia e mais uma série de adjectivos difíceis de empregar, mas uma coisa é certa, é uma experiência única cortar a linha da meta ao fim de 42,196Km.

Na linha da meta encontro o Jorge Pinheiro e o Miguel Dias, cumprimentamo-nos e felicitamo-nos pela concretização da maratona.

Nas bancadas do Estádio 1º Maio encontro uma enorme onda laranja, que era em grande parte os que fizeram a Maratona a Meia-Maratona e Estafetas, que nos felicitavam por chegarmos ao fim.

Quero deixar aqui um grande agradecimento à Minha Família que me apoio em todo o processo de treino e concretização da prova.

Agradeço a todos os companheiros corredores, rebocadores, fotógrafos e apoiantes, (peço desculpa por não mencionar os nomes, porque são tantos que correria o risco de me falhar alguma pessoa).

Não posso deixar de agradecer todos os companheiros que comigo fizeram o trabalho de casa, que foi treinar, sem esse treino nada se conseguiria.

RunAbraços,

Jorge Paulo